Vamos falar de masturbação feminina… yep isso mesmo MASTURBAÇÃO FEMININA. Parte I

Na minha opinião, a masturbação feminina, assim como outros temas “femininos” (como a menstruação) ainda é um grande tabu na nossa sociedade. Só agora (em plena segunda década do século XXI) é que os meios de comunicação e entretenimento começam a falar deste tema (mesmo que na maioria das vezes seja entre risos nervosos) de forma mais ou menos aberta. Há uns meses surgiu o fenómeno do “Satisfyer Pro” que veio dar mais um empurrão à normalização do auto prazer feminino. 

Mas isto por aqui (Portugal, Península Ibérica, Europa, mundo ocidental…) não foi sempre assim, e numa grande parte do mundo ainda não é. 

Quem já leu dois ou três dos meus artigos sabe que gosto de abordar quase todos os temas desde a minha própria experiência. Primeiro porque acho que é a maneira mais verdadeira de falar sobre as coisas e depois porque acho que partilhar as minhas experiências pode sempre ajudar alguém. 

Este tema é para mim um dos temas mais importantes no que diz respeito à luta pela equidade de género. E é um tema que me diz muito pessoalmente porque carreguei, durante toda a minha infância e parte da minha adolescência, um trauma relacionado com o tabu da masturbação feminina (que se há 15 anos atrás ainda era um grande tabu, mais ainda há 30 anos)

A minha experiência com a masturbação começou quando ainda nem sabia nada sobre sexo, nem sobre desejo sexual. Por estranho que possa parecer a algumas pessoas (e isso será ainda efeito do velho tabu) não é raro que as meninas pequenas descubram sozinhas que a estimulação da zona genital é muito prazerosa. Eu devia ter cerca de 2 ou 3 anos quando inocentemente me comecei a esfregar nas almofadas (literalmente). 

A masturbação nessas idades é uma gratificação meramente sensorial, não há, em situações normais, qualquer carácter sexual e esse era também o meu caso. A prova disso é que o fazia à frente de toda a gente. Para mim aquilo era algo prazeroso, como coçar-me se tivesse uma comichão, ou comer doces (sempre fui gulosa), na minha cabeça não havia qualquer revelação de que aquilo era (no mundo dos adultos) considerado inapropriado.

O meu pediatra da altura disse à minha mãe que por causa dos meus comportamentos precoces a minha vida sexual começaria muito cedo (WTF?!) O tabu não existia só entre os profissionais de saúde mas também dentro da minha família. A minha mãe não soube como lidar com a situação (não sei se o meu pai tem alguma constância desta história) e falou com algumas mulheres da familia para a ajudar a resolver o “problema”. Uma tia disse-me que eu ficaria com as pernas tortas. A minha avó paterna uma vez apanhou-me a faze-lo no sofá da sala, levantou as mãos à cabeça e zangou-se muito dizendo algo sobre o demónio. Mas a “estratégia” que mais teve impacto foi a de outra familiar que teve a excelente ideia (alerta de sarcasmo) de me contar uma história assustadora de como, se eu continuasse a fazer “aquilo”, o meu osso púbico ía se desgastar e desaparecer. Isto enquanto ilustrava o que aconteceria ao meu “osso do pipi” esfregando uma cenoura na bancada de mármore da cozinha (e esta se desfazia perante o meu olhar aterrorizado). 

O “problema” não era o facto de eu me masturbar (a masturbação é algo natural e saudável em todas as idades), mas sim o facto de o fazer em público. O que as pessoas informadas fazem quando se deparam com uma criança que se masturba em público é explicar a essa criança (todas as vezes que forem necessárias) que “aquilo” apesar de não ser “mau”, é algo privado que devemos fazer quando estamos sozinhas, não à frente de outras pessoas e menos ainda de desconhecidos.  

Agora vocês perguntam: a estratégias aplicadas funcionaram? Sim, mas não como elas esperavam. Eu não deixei de me masturbar, mas comecei a fazê-lo às escondidas, não porque aquilo era algo íntimo e privado, mas porque era algo mau para mim, para a minha saúde, e se alguém me visse fazê-lo de certeza que se zangariam comigo. Eu masturbava-me com um enorme sentimento de culpa, porque pensava que ao fazê-lo estava a pôr em risco a minha saúde. E foi assim durante quase 10 anos. 

Nesses anos a minha relação com a masturbação foi mudando, começou (como também é natural) a ter um carácter mais erótico, mas como era tabu eu continuava a pensar que “aquilo” que eu fazia era vergonhoso porque era mau para mim. Eu não sabia que “aquilo” era uma coisa natural, que se chamava masturbação

Até um certo dia em que fui ao teatro com a minha mãe ver uma peça durante a qual usavam muitas vezes uma palavra que eu nunca tinha ouvido: “masturbação”. Quando saímos do teatro eu perguntei à minha mãe o que significava e ela explicou-me que era quando as pessoas davam prazer a elas próprias através da estimulação dos genitais e que era algo natural e saudável, a menos que houvesse uma espécie de vício (estou a parafrasear, já não me lembro das palavras exactas que ela usou… isto foi à mais de 20 anos). E depois acrescentou algo como: “aquilo que tu fazias quando eras pequenina, não sei se ainda te lembras”. O mundo parou de girar. 

Então afinal “aquilo” não era mau, era natural e saudável? Afinal o meu osso púbico não se ía desintegrar? E as minhas pernas não iam ficar tortas? Afinal todo aquele sentimento de culpa tinha sido desnecessário? Todas as vezes que tinha sofrido em silêncio eram escusadas? Todos os pesadelos em que me aconteciam coisas terríveis por me masturbar podiam ter sido evitados?

Acho que poucas vezes me senti tão revoltada, mas não o demonstrei, tive vergonha. A minha mãe nunca soube que aquela intervenção teve um grande impacto no meu desenvolvimento psicológico e sexual. Ainda hoje tenho pesadelos relacionados com o sentimento de culpa que a masturbação acarretou durante quase uma década. 

Socialmente, mais cedo ou mais tarde, espera-se que os rapazes se comecem a tocar e a masturbar. Quando os adultos veem o bebé a tocar na pilinha acham piada, riem-se e acham normal, mais tarde quando os rapazes se começam a masturbar toda a gente aceita isso como natural e normal, tanto que geralmente (e corrijam-me e se estou incorreta) os progenitores dão alguma privacidade aos rapazes para não acontecerem “constrangimentos”. A minha percepção da nossa sociedade leva-me a pensar que isto não é exatamente assim (ou não o era há 30 anos atrás) no caso das raparigas .

Eu própria tenho muitas questões sobre esta parte da história. O resto da história, a parte após saber o que era a masturbação, fica para o meu próximo artigo, fiquem atentxs!

Algumas das minhas perguntas são:

Teriam as coisas sido diferentes se na altura o meu médico pediatra fosse alguém mais evoluído e menos conservador? Relembro que ele fez um paralelismo entre duas coisas que não têm nada a ver: o facto de me masturbar aos 3 anos de idade e como isso iria acelerar a minha entrada na vida sexual (não foi o caso, eu comecei a minha vida sexual aos 16/17 anos, tudo muito dentro da “normalidade” e não há nenhum estudo que indique que as pessoas que se começam a masturbar mais cedo também começam a vida sexual mais cedo – eu pesquisei). 

Será que a opinião da minha mãe mudou durante esses 10 anos? Porque se não, que sentido teve que ela tentasse que eu deixasse de fazer algo que era perfeitamente natural e saudável, quando me podia ter apenas explicado que devia fazê-lo quando me encontrasse sozinha?

Também achas que é importante “normalizar” a masturbação infantil feminina? Devia falar-se mais sobre isso? Será que hoje em dia já é diferente? Será que as mães e pais de hoje em dia estão no geral preparados para lidar com meninas que se masturbam em publico de forma sensata e não traumática? Achas que a minha experiência foi uma agulha no palheiro e que a maioria da sociedade da época (sendo a minha família uma excepção) já via a masturbação infantil feminina como algo natural?

E tu, achas que a masturbação é algo natural e normal? Com que idade é que te começaste a masturbar? Queres a partilhar algo da tua história comigo? Connosco? Tens perguntas para mim?

 


Would you prefer to read in English? click here

As “questionallers” estão de volta!

Há já quase um ano, dia 1 de Maio de 2019, foi a última vez que publicámos no blog. Na altura ambas (Nico e Tico) estávamos muito ocupadas entre trabalho, novos projectos, viagens e retiros. Hoje encontramo-nos com mais tempo livre, dadas as circunstâncias, porque mesmo que ambas continuemos a trabalhar desde casa e continuemos a ter outros projectos, há um tempo que se poupa ao não termos que preparamos para sair de casa e não termos que nos deslocar para ir nem para voltar. 

Nos dias de hoje é difícil não ocupar o tempo “a mais” com demasiadas séries “on demand” ou vídeos do YouTube e isso era o que nos estava a acontecer a ambas nos primeiros dias desta quarentena “voluntária”. Até que começamos a pensar que este seria o momento ideal para voltar a dedicar-nos a este projecto que nos une, não só às duas, mas de alguma maneira também a todxs xs que gostam de nos ler. As duas estamos cheias de ideias sobre temas que queremos questionar com a vossa ajuda. 

Desta vez vamos fazer as coisas de forma um pouco diferente. Para já não vamos ter um dia fixo para publicar, vamos deixar que seja mais orgânico e livre. Quando publicarmos algo no blog, que agora voltou a ser https://questionallers.wordpress.com/, faremos um post a anunciar a nova publicação na página de Facebook do “questionallers”, no perfil de Instagram do blog (@questionallers) e também nas nossas redes sociais pessoais. 

Outra novidade é que passaremos a escrever apenas em dois idiomas a partir de agora: Português e Inglês. A versão em português será publicada directamente no blog  (https://questionallers.wordpress.com/) e a versão em inglês será publicada através da nossa publicação na plataforma Medium (https://medium.com/questionallers). 

Esperamos voltar a poder contar com o vosso apoio nesta nova fase do projecto e mais ainda esperamos que de alguma forma vos possamos ser úteis, para vos levar a novos “questionamentos”, para vos encorajar a procurar mais informação, para gerar novas e ricas discussões, e para vos entreter para que estes tempos conturbados vos sejam também um pouco mais leves. 

Nude. What I learned from posing naked to Spencer Tunick’s lens

Nude. What I learned from posing naked to Spencer Tunick’s lens (EN)

Desnuda. Lo que aprendí con la experiencia de posar sin ropa para Spencer Tunick (ES)

A nu. O que aprendi com a experiência de posar despida para Spencer Tunick (PT)

No dia 28 de Março, num dos grupos de WhatsApp em que estou, alguém publicou a notícia de que o fotógrafo Spencer Tunick, famoso pelas fotos de multidões despidas, ia estar em Valência, a fazer das suas, dentro de dois dias, e que quem quisesse participar só tinha que inscrever-se. Quem me conhece sabe que o pudor não é característica que me defina. A primeira coisa que pensei foi “isto deve ser uma experiência memorável” e depois pensei “está um bocado frio”. Sem pensar muito mais (o potencial da experiência sobrepunha-se ao medo de congelar), inscrevi-me. Depois partilhei a notícia com alguns amigos, que disseram logo que não tinham coragem de o fazer, e com o meu namorado, que respondeu que ia ponderar sobre o tema e mais tarde decidiria. Uns minutos depois recebi um email com a confirmação de que estava efectivamente inscrita, a informação do local onde teria que ir nesse dia e a hora do início do evento. Este último detalhe voltou a fazer-me pensar na questão do frio.

Dia 30 (um Sábado) às 5h da manhã encontrava-me à porta do edifício onde tudo começaria. Havia muitas pessoas, mais das que eu esperava encontrar, de quase todas as idades (dos 18 aos 80 mais ou menos) mas diria que a maioria tinha entre 25 e 45 anos. Havia algum nervosismo no ar, muitas pessoas tinham vindo em grupo, outras estavam sozinhas como eu.

Finalmente abriram a porta do centro cultural e apareceram duas pessoas que começaram a dar instruções aos participantes. Uma dessas instruções era que homens e mulheres se separariam em dois grupos distintos e que cada grupo deveria esperar mais instruções num dos claustros do centro. As mulheres ficavam no primeiro claustro, os homens seguiam caminho até ao seguinte.

Já dentro do centro observei o que se passava à minha volta. Olhei para as outras pessoas e tentei imaginar o que as motivava a estar ali. Será que tinham muita curiosidade em experienciar uma instalação artística daquela envergadura, será que tinham vontade de sair da sua zona de conforto, ou de fazer algo muito diferente das suas rotinas habituais de fim-de-semana, será que sentiam a necessidade de saber o que se sente quando a nudez é o dress code ou será que queriam testar o quão cómodas estavam com os seus próprios corpos. Poderiam haver mil e uma razões mas na verdade todas as que me ocorriam eram alguns dos motivos pelos quais eu própria tinha decidido ir até ali.  

Podia sentir-se a expectativa no ar. O ambiente estava animado e havia uma boa onda geral, tod@s pareciam estar bem dispost@s e pront@s para passar uma manhã diferente e divertida. Entretanto o José (o meu namorado) apareceu e dissemos “até já” (relembro que homens e mulheres deviam estar separados).

Depois de mais de uma hora da abertura de portas vieram dar-nos as últimas instruções. Desta vez era para explicar como se processaria o momento das fotos, que posturas teríamos que adoptar e a que hora teríamos de sair do centro. Faltavam cerca de 15 minutos para o momento em que nos teríamos que despir, deixando todos as nossas roupas e objetos pessoais no chão daquele claustro e sair para o meio da rua completamente nu@s e descalç@s. A temperatura mantinha-se baixas e o sol ainda estava agora a começar a nascer. Algumas pessoas começaram a saltar e a fazer movimentos para aquecer o corpo, outras começaram a despir-se, talvez para se irem habituando. Eu entretive-me conversando com outras mulheres.

Quando a hora H chegou membros da organização avisaram que tinha chegado o momento de tirar a roupa e dirigirmo-nos para a saída. Apesar de já estar muita gente despida quando deram o aviso, e de quase todas nos termos despido em menos de 30 segundos, parecia que todas esperávamos que alguém tomasse a iniciativa de avançar para a saída. Eu e a mulher com a que falava naquele momento olhamos uma para a outra e sem palavras (mas como quem diz “porque não nós?”) dirigimo-nos para a portão onde já esperavam membros da organização para nos guiarem até à primeira localização da sessão de fotos. Também a dirigir-se para a porta ia outra mulher com quem começamos a falar.

De repente as três olhamos para trás e demo-nos conta de que já estávamos no meio da rua e encabeçávamos um grupo de centenas de mulheres. Eu nao sei o que elas sentiram, mas eu tive uma enorme sensação de liberdade; uma revelação de beleza e até de perfeição, atingida através da diversidade; um sentimento de conexão com todas aquelas mulheres, talvez até com todas AS mulheres, senti a força da sororidade, que juntas podemos chegar a qualquer lado e realmente mudar o mundo.

Chegámos à primeira localização, exactamente em frente do monumento mais icónico da cidade – as Torres de Serranos, e pouco depois (o que pareceu ter sido uma eternidade por causa do frio) chegaram os participantes do género masculino. Por mais estranho que possa parecer, a chegada de centenas de homens pelados (havia cerca de um terço mais de homens que de mulheres) não transformou o momento em algo mais sexual, nem sequer tornou a nudez (própria e dos demais) mais embaraçosa. É claro que só posso falar desde a minha perspectiva, mas no momento observei @s outr@s participantes e não me pareceu que os sinais de desconforto tivessem aumentado (pelo menos da parte das mulheres).

Na verdade com a adição dos homens as sensações anteriores só aumentaram. Senti que realmente somos todos iguais apesar das pequenas diferenças – a objectiva diferença física entre um homem e uma mulher pode chegar a ser menor que entre duas pessoas do mesmo sexo. E senti que de alguma forma todos estamos ligados e que juntos podemos conseguir grandes mudanças.  

Como seres humanos cujas culturas exigem que tenhamos partes do corpo cobertas a maior parte do tempo, tendemos a esquecer-nos do quão normal e vasta é a variedade de formas e feitios dessas partes. As formas selecionadas e editadas às que temos acesso, nos meios de comunicação em massa, fazem-nos olvidar essa variedade. O que às vezes nos faz ver os nossos próprios corpos como feios, imperfeitos, estranhos, etc., apenas porque não são parecidos aos que estamos acostumad@s a ver. Talvez se as nossas sociedades aceitassem e encorajassem mais a nudez, teríamos mais facilidade em aceitar as nossas características físicas e também as das outras pessoas, sem tantos juízos de valor.

Por outro lado senti que a nudez também nos aproxima da nossa essência. Esquecemos constantemente que somos apenas um animal, uma espécie de primata, que teve uma evolução, digamos, diferente. Todos os dias vemos animais nus (o que nos parece caricato é que os outros animais estejam vestidos) e não nos parece estranho, nem temos tendência para olhar para as “partes” equivalentes às que como humanos levamos constantemente tapadas. Isso também acontece depois de estarmos durante algum tempo rodeados por humanos nus, o que era estranho passa a ser normal, os olhos deixam de procurar constantemente aquelas “partes” e quando as vêem passam por elas com a mesma naturalidade com que passam pelas outras.

Uma coisa de que gostei muito foi o facto de que o corpo masculino e o corpo feminino fosse tratados com o mesmo respeito. Infelizmente ainda (espero que um dia deixe de ser assim) vivemos numa sociedade que exige um maior número de “partes a esconder” ao corpo feminino do que ao masculino. Não esquecendo que há culturas que escondem ainda mais partes do corpo da mulher. Felizmente Tunick não censura partes dos corpos segundo sexos (como muitos fotógrafos e artistas) e também não censura segundo cânones de beleza. Foi inspirador ver entre os participantes por exemplo mulheres que tinham passado por mastectomias e pessoas com todo o tipo de diferenças fisionómicas.

O resto do evento em termos práticos pode resumir-se em: passar duas horas ao frio, seguir indicações para ocupar os espaços e mudar de postura, esperar em poses estáticas e deslocar-se para as seguintes localizações. No final voltámos ao centro para nos vestirmos e recuperar as nossas coisas.

Para mim foi sem dúvida uma experiência com saldo positivo. Até a questão do frio acabou por trazer algo bom. Além de ter ganhado uma certa resistência ao frio, que durou ainda por uns dias, mais tarde comecei a estudar sobre a importância dos sistemas que possuímos para regular a nossa temperatura. Ser friorenta às vezes pode ser bastante limitador. Agora sei que ser menos friorenta depende muito de mim, não é algo imutável. Para tal tenho tentado adaptar-me ao frio sem recorrer tanto a peças de roupa nem a aquecedores. E a verdade é que está a resultar.  

E tu, terias participado num evento deste género? Porquê ou porque não?  A nudez trás-te desconforto? Como lidas com a nudez alheia? Como sempre gostava de saber o que pensas sobre tudo isto.  


 

Nude. What I learned from posing naked to Spencer Tunick’s lens (EN)

On the 28th of March, in one of the WhatsApp groups that I’m in, someone posted that the photographer Spencer Tunick – famous for its pictures of crowds of naked people – would be shooting in Valencia, in a couple days, and whomever would like to be part of it just had to sign up. If you know me, you also know that I’m not ruled by pudor. My first thought was “this might be a memorable experience” and after that I realised how cold it would be. I enrolled without further ado (this experience’s potential was bigger than the apprehension of freezing my butt off). Then I shared the news with some friends that promptly expressed their lack of courage to do such thing, and with my boyfriend that would make up his mind later. Minutes later I received an email confirming my participation as well as the time and place of the event. This last detail made me rethink about the weather.

At 5am, on the 30th of March (Saturday), there I was standing at this building’s door where the event would take place. There were many people, more than I was expecting, from all age ranges (from 18 to 80 years old), mostly between 25 and 45 years old. I could feel some nervousness in the air, many people came in groups, others were alone just like me.

Finally the cultural center’s doors were opened and two people showed up to give instructions to all participants. One of those instructions was to separate men and women into two different groups and each one should wait for further instructions in a central cloister. Woman stayed in the first cloister and men proceeded to the next one.

Already in the women’s cloister, I observed what was going on around me. Looking at the people I started to wonder what would be their motivation to be there. Perhaps they were very curious to experience such art installation, maybe they were willing to get out of their comfort zone, or to do something unusual and different from their weekend routines, maybe they felt the urge to know how does it feel to have nudity as a dress code or possibly they were just interested in testing themselves to know how comfortable they were in their own bodies. There could be thousands of reasons but the truth is that all the purposes I could think of were the ones that made me decide to do such thing.

You could feel the excitement in the air. The atmosphere was enthusiastic, with a great vibe, everybody seemed to be in a high spirit and ready to spend a cheerful and different morning. Meanwhile Jose (my boyfriend) arrived and we briefly greeted (reminding that men and women should be separated).

More than one hour later, we got the last instructions. This time to explain about the pictures, what poses were required and timing to leave the cloister. 15 minutes remained to the moment where we all needed to undress, leaving our clothes and personal belongings behind and leave the building to the middle of the street, completely naked and barefoot. The temperature remained low and the sun was now raising. Some people started jumping to warm up their bodies, others started to undress, maybe to get used to it. I kept chatting with other women.

When it came to the crunch, staff members from the organisation informed us that that was the moment to take off our clothes and proceed to the exit. Despite many people being already naked by this moment, and most of us got undressed in 30 seconds, it seemed like we all waited for someone to take the lead to leave the premises. The woman with whom I was chatting at that moment and myself looked at each other and without saying a single word (but already thinking “why not us?”) proceeded to the exit where staff members awaited to bring us to the first location for the photo session. A third woman joined us.

Suddenly, the three of us looked behind and realised that we were already in the middle of the street, spearheading hundreds of other naked women. I don’t know what they have felt, however I felt an enormous freedom; a beauty and even perfection revelation, reached by diversity; a connection feeling with all of those women, perhaps even with ALL women, I felt the empowerment that together we can achieve anything and really change the world.

Soon after (but what felt like an eternity due to the coolness) we arrived to the first location, facing the most iconic monument of the city – the Serranos Towers, the male participants reached us. It might sound strange, yet the arrival of hundreds of naked men (there were roughly a third more men than women) didn’t make the moment in a more sexual one, nor did it turn the nudity (self and others) more embarrassing. Obviously I can only speak for myself, but at that moment I observed all the other participants and didn’t see any increase of uneasiness (at least from the woman’s side).

In fact with the addition of men the previous sensations only increased. I felt that we really are all equal despite the small differences – the objective physical difference between a man and a woman can be less than between two people of the same sex. And I felt that somehow we are all connected and that together we can achieve great changes.

As human beings whose cultures require that we have certain body parts covered most of the time, we tend to forget how normal and vast is the variety of forms and shapes of those parts. The selected and edited forms to which we have access, in the mass media, make us forget this variety. Which sometimes leads us into perceiving our own bodies as ugly, imperfect, strange, etc., just because they are not similar to the bodies we are accustomed to see. Perhaps if our societies accepted and encouraged more nudity, it would be easier to accept our own as well as other people’s physical characteristics, without so much value judgments.

On the other hand I felt that nudity also brings us closer to our essence. We are constantly forgetting that we are just an animal species, a kind of primate, which has evolved, let us say, differently. Every day we see naked animals (what seems a caricature to us is seeing the other animals dressed) and that doesn’t seems strange to us, nor do we tend to stare at the “parts” equivalent to those that we as humans are constantly covering. This also happens after being surrounded by naked humans for a while, what was strange becomes normal, the eyes stop searching constantly for those “parts” and when we see them we just pass through them as naturally as with any other body parts.

One thing I liked very much was that the male body and the female body were treated with the same respect. Unfortunately, we still live in a society that demands a greater number of “hidden parts” from females than from the males. Not forgetting that there are cultures that hide even more parts of the woman’s body. Luckily Tunick does not censure parts of bodies by sex (like many photographers and artists do) and also does not censor according to beauty standards. It was inspiring to see for example, women who had undergone mastectomies and people with all kinds of physiognomic differences among the participants.

In practical terms, the rest of the event can be summarised as: two hours spent in the cold, following directions to change postures and positions, waiting in static poses and moving to the following locations. In the end we went back to the center to get dressed and get our things back.

For me it was undoubtedly an experience with a positive balance. Even the cold issue  ended up bringing something good. In addition to gaining some resistance to the cold, which lasted for a few days, I later on began to study the importance of the systems we have to regulate our temperature. Being too cold at times can be quite limiting. Now I know that being less sensitive to cold depends a lot on me, it’s not something immutable. For this I have tried to adapt to the cold without resorting to clothes or heaters. And the truth is that it is working.

And you, would you have participated in such an event? Why would you or why not? Does nudity bring you discomfort? How do you deal with the nakedness of others? As always I would like to know what do you think about all this.


 

Desnuda. Lo que aprendí con la experiencia de posar sin ropa para Spencer Tunick (ES)

El 28 de marzo, en uno de los grupos de WhatsApp en que estoy, alguien publicó la noticia de que el fotógrafo Spencer Tunick, famoso por las fotos de multitudes desnudas, iba a estar en Valencia, para hacer una de sus sesiones, dentro de dos días, y que quien quisiera participar sólo tenía que inscribirse. Quien me conoce sabe que el pudor no es característica que me defina. La primera cosa que pensé fue “esto tiene que ser una experiencia memorable” y luego pensé “hace frío”. Sin pensar mucho más (el potencial de la experiencia se superponía al miedo de congelar), me inscribí. Después compartí la noticia con algunos amigos, que dijeron pronto que no tenían el coraje de hacerlo, y con mi novio, que respondió que iba a reflexionar sobre el tema y más tarde decidiera. Unos minutos después recibí un email con la confirmación de que estaba efectivamente inscrita, la información del lugar donde tendría que ir ese día y la hora del inicio del evento. Este último detalle volvió a hacerme pensar en la cuestión del frío.

Día 30 (un sábado) a las 5 de la mañana me encontraba a la puerta del edificio donde todo empezaba. Había muchas personas, más de las que esperaba encontrar, de casi todas las edades (de los 18 a los 80 más o menos) pero diría que la mayoría tenía entre 25 y 45 años. Había algún nerviosismo en el aire, muchas personas habían venido en grupo, otras estaban solas como yo. Hasta media hora después, no estaba segura si mi novio vendría.

Finalmente abrieron la puerta del centro cultural y aparecieron dos personas que comenzaron a dar instrucciones a los participantes. Una de esas instrucciones era que hombres y mujeres se separarían en dos grupos distintos y que cada grupo debía esperar más instrucciones en uno de los claustros del centro. Las mujeres se quedaban en el primer claustro, los hombres seguían camino hasta el siguiente.

Ya dentro del centro observé lo que pasaba a mi alrededor. Miré a las otras personas e intenté imaginar lo que las motivaba a estar allí. ¿Quizás tenían mucha curiosidad en experimentar una instalación artística de aquella envergadura, tendrían ganas de salir de su zona de confort, o de hacer algo muy diferente de sus rutinas habituales de fin de semana, a lo mejor sentían la necesidad de saber lo que se siente cuando la desnudez es el dress code, o querían saber lo cuanto cómodas estaban con sus propios cuerpos. Podrían haber mil y una razones pero en verdad todas las que me ocurrían eran algunos de los motivos por los que yo había decidido ir hasta allí.

Podía sentir la expectativa en el aire. El ambiente estaba animado y había una buena energía general, tod@s parecían estar list@s para pasar una mañana diferente y divertida. Mientras esperaba encontré a José (mi novio) y dijimos “hasta ahora” (recuerdo que hombres y mujeres debían estar separados).

Después de más de una hora de la apertura de puertas vinieron a darnos las últimas instrucciones. Esta vez era para explicar cómo se procesaría el momento de las fotos, qué posturas tendríamos que adoptar y a qué hora tendríamos que salir del centro. Faltaban cerca de 15 minutos para el momento en que tendríamos que desnudarnos, dejando toda nuestra ropa y objetos personales en el suelo de aquel claustro y salir para la calle completamente desnud@s y descalz@s. Las temperaturas se mantenían bajas y el sol todavía estaba empezando a nacer. Algunas personas empezaron a saltar y a hacer movimientos para calentar el cuerpo, otras comenzaron a desnudarse, quizás para acostumbrarse. Me entretuve conversando con otras mujeres.

Cuando llegó la hora H,  miembros de la organización avisaron que había llegado el momento de quitarse la ropa y dirigirse hacia la salida. A pesar de que ya estaba mucha gente desnuda, y de que casi todas se desnudaron en menos de 30 segundos, parecía que esperábamos que alguien tomara la iniciativa de avanzar hacia la salida. Yo y la mujer con la que hablaba en aquel momento miramos la una a la otra y sin palabras (pero como quien dice “por qué no nosotras?”) Nos dirigimos hacia la puerta donde ya esperaban miembros de la organización para guiarnos hasta la ubicación de la primera sesión de fotos. A medio camino se juntó a nosotras otra mujer y las tres seguimos camino mientras hablábamos.

De repente las tres miramos hacia atrás y percibimos que estábamos en medio de la calle y encabezamos un grupo de cientos de mujeres desnudas. No sé lo que han sentido ellas, pero yo tuve una enorme sensación de libertad; una revelación de belleza e incluso de perfección, alcanzada a través de la diversidad; un sentimiento de conexión con todas aquellas mujeres, tal vez hasta con todas LAS Mujeres, sentí la fuerza de la sororidad, que juntas podemos llegar a cualquier lado y realmente cambiar el mundo.

Llegamos a la primera ubicación, justo frente al monumento más icónico de la ciudad – las Torres de Serranos, y poco después (lo que parecía haber sido una eternidad a causa del frío) llegaron los participantes del género masculino. Por extraño que parezca, la llegada de cientos de hombres desnudos (había cerca de un tercio más de hombres que de mujeres) no transformó el momento en algo más sexual, ni siquiera la desnudez (propia y de los demás) más embarazosa. Es claro que sólo puedo hablar desde mi perspectiva, pero en el momento he observado a los participantes y no me pareció que las señales de incomodidad hubieran aumentado (al menos por parte de las mujeres).

En realidad con la adición de los hombres las sensaciones anteriores sólo aumentaron. Sentí que realmente somos todos igual a pesar de las pequeñas diferencias – la objetiva diferencia física entre un hombre y una mujer puede llegar a ser menor que entre dos personas del mismo sexo. Y sentí que de alguna forma todos estamos conectados y que juntos podemos lograr grandes cambios.

Como seres humanos cuyas culturas exigen que tengamos partes del cuerpo cubiertas la mayor parte del tiempo, tendemos a olvidarnos de lo normal y amplia es la variedad de formas y hechuras de esas partes. Las formas seleccionadas y editadas a las que tenemos acceso, en los medios de comunicación masiva, nos hacen olvidar esa variedad. Lo que a veces nos hace ver nuestros propios cuerpos como feos, imperfectos, extraños, etc., sólo porque no son parecidos a los que estamos acostumbrad@s a ver. Tal vez si nuestras sociedades aceptaran y alentar más la desnudez, tendríamos más facilidad en aceptar nuestras características físicas y también las de las otras personas, sin tantos juicios de valor.

Por otro lado sentí que la desnudez también nos acerca a nuestra esencia. Olvidamos constantemente que somos sólo animales, una especie de primates, que han tenido una evolución, digamos, diferente. Todos los días vemos animales desnudos (lo que nos parece caricato es que los demás animales estén vestidos) y no nos parece raro, ni tenemos tendencia a mirar a las “partes” equivalentes a las que como humanos llevamos constantemente tapadas. Esto también ocurre después de estarmos rodeados por humanos desnudos durante algún tiempo, lo que era extraño pasa a ser normal, los ojos dejan de buscar constantemente aquellas “partes” y cuando las ven pasan por ellas con la misma naturalidad con que pasan por las otras.

Una cosa que me gustó mucho fue el hecho de que el cuerpo masculino y el cuerpo femenino fueran tratados con el mismo respeto. Lamentablemente todavía (espero que un día deje de ser así) vivimos en una sociedad que exige un mayor número de “partes que esconder” al cuerpo femenino que al masculino. No olvidando que hay culturas que ocultan aún más partes del cuerpo de la mujer. Afortunadamente Tunick no censura partes de los cuerpos según sexos (como muchos fotógrafos y artistas) y tampoco censura según cánones de belleza. Fue inspirador ver entre los participantes por ejemplo mujeres que habían pasado por mastectomías y personas con todo tipo de diferencias fisionómicas.

El resto del evento en términos prácticos puede resumirse en: pasar dos horas al frío, seguir indicaciones para ocupar los espacios y cambiar de postura, esperar en poses estáticas y desplazarse a las siguientes ubicaciones. Al final volvimos al centro para vestirnos y recuperar nuestras cosas.

Para mí fue sin duda una experiencia con saldo positivo. Hasta la cuestión del frío acabó por traer algo bueno. Además de haber ganado cierta resistencia al frío, que duró todavía unos días, más tarde empecé a estudiar sobre la importancia de los sistemas que poseemos para regular nuestra temperatura. Ser friolera puede ser bastante limitador a veces. Ahora sé que ser menos friolera depende mucho de mí, no es algo inmutable. Para ello estoy intentando adaptarme al frío sin recurrir tanto a prendas de ropa ni a calentadores. Y la verdad es que está resultando.

Y tú, habrías participado en un evento de este género? ¿Por qué o por qué no? ¿La desnudez te trae incomodidad? ¿Cómo leídas con la desnudez ajena? Como siempre me gustaba saber lo que piensas de todo esto.

The authentic meaning of traveling

O autêntico significado de viajar (PT)

El auténtico significado de viajar (ES)

The authentic meaning of traveling (EN)

I don’t think that there is a right or a wrong way of traveling. Every person has different aims when traveling and is searching for a subjective experience. Some people’s way of traveling doesn’t involve engaging with the locals and are more introspective, experiencing the trip from a spectator view. Others engage with locals if they can communicate with them, asking for tips. Others get quite close with locals and become friends, having access to their private life. I get a mix of all this ways depending on my mindset and phases I go through while traveling.

My way of traveling is no better than any other way. It is just what has been working for me and what I align with. In South East Asia I was being warned a lot about the danger of some countries that were in my list to be visited. Once in Thailand, I was advised by some people to be very careful when going to Vietnam. In Malaysia I was advised to skip my visit to Cambodia as a solo female traveler. I did not listen. I never felt unsafe in any of my destinations. Yes, there were some sketchy situations; I saw some schemes while crossing country’s borders by land and was fooled with fake currency a couple of times. There are honest and dishonest people in every single country. I can say that I felt more afraid and unsafe in my own country than in any other part of the world. When studying in Lisbon, I was chased a couple times and was almost robbed by thieves. Also carrying my laptop on my bag in certain parts of the city made me very nervous.

Before coming to India, where I’m currently traveling, I heard that (similar to what I was told in my trip in SEA) it wasn’t safe to come as a female solo traveler. I was told that many rapes were happening in India, that men stared at women leaving them very uncomfortable, that I would have a culture shock etc. No opinion can replace your own experience. And my experience here so far tells me that I get stared a lot, not only by men but also by women, due to being different. They do look with a curious eye. Our skin tones are different, our features are different and our manners are different too. I call it a wonder stare. And then I open a big smile and they always smile back. Any awkwardness can be dismantled by this action. We are all the same, all human beings and the smile brings us together. It also opens opportunities for conversation, for being asked to take “selfies” or even to be asked for a hug. If it gets overwhelming there’s always a chance to keep walking and not respond.

My way of traveling involves being alert and relaxed at the same time.  There’s always some common sense and some skills required to understand when you are possibly in a dangerous/ sketchy situation or if it is your imagination that is making you second-guess every step you take. Common sense tells me not to wander around in the dark peach night, to stay in control (without being a control-freak) and to be aware of the people surrounding me. The exact same as I do in my own country or even in my hometown. By staying in control I mean that I can go to a party from someone I just met, however I’ll be responsible enough to stay sober. I still have loads of fun and will remember those moments forever.

I’m a very relaxed traveler. I don’t recall worrying about anything in my solo trips. Once I was in Kuala Lumpur’s airport about to board to my next destination: Vietnam. The airline staff did not allow me to get in the airplane because apparently I needed a visa requirement (each airline has its specific requirements). I remember that I set down on the floor, took my laptop and started looking into the cheapest flights available. In 20 minutes I had another destination. Instead of Vietnam I went to Langkawi, a beautiful island in Malaysia. Being relaxed allows me to be flexible with dates, events and locations. In this way nothing ruins my plans because I go exactly where I’m supposed to go. It’s like being in permanent adventure where nothing can go wrong. Having too many plans and booked accommodation can limit your experience very quickly. For me, there’s always the opportunity to stay extra days in a place if it seems reasonable or to stay only for a half day in a city which is not exciting me in any way.

What’s more important to me is trying to blend as much as I can in the different cultures. In the first days I observe the locals to see how do they cross the street, how does the public transportation work, how do they eat, learn some basic words, understand their body language etc. Then I copy them and ask for help if there’s something I can’t wrap my head around. I don’t need to do things that I’m not comfortable with or things that I don’t agree with. However being open is crucial.

After a couple weeks I feel integrated. I grab any chance I have to talk to locals about their culture, traditions, habits and way of thinking. Even when is hard to communicate, there’s always something I can take in. Then I gather all of that precious information which gives me a tiny bit of knowledge about the place and its people.

To me, the meaning of traveling is to know other life perspectives and integrate the best parts in my own life. What does traveling mean to you?

O autêntico significado de viajar (PT)

Não acho que haja uma forma correcta ou errada de se viajar. Cada pessoa tem diferentes objetivos com as suas viagens, procurando experiências subjectivas. Algumas pessoas não se relacionam com os cidadãos locais e são mais introspectivas, experienciando a viagem de um ponto de vista de espectador. Outras falam com os locais, se conseguirem comunicar com eles, fazendo perguntas e pedindo dicas. Outras conseguem relacionar-se com os locais, têm acesso às suas vidas privadas e acabam por criar relações de amizade. Eu consigo ter um misto de todas estas formas de viajar, dependendo da fase em que me encontro ou da minha disponibilidade psicológica para socializar. A minha forma de viajar não é melhor ou pior que qualquer outra. É somente a forma que melhor funciona para mim e aquela com a que mais me alinho.

No Sudeste Asiático fui alertada várias vezes sobre os perigos de visitar alguns países que estavam na minha lista. Na Tailândia aconselharam-me a ter muita cautela ao viajar no Vietname. Na Malásia aconselharam-me a tirar o Camboja da minha lista por ser uma rapariga a viajar sozinha. Não lhes dei ouvidos. Nunca me senti em perigo em nenhum dos meus destinos. Sim, há situações estranhas; testemunhei cenários bizarros ao atravessar fronteiras de países por terra e fui enganada com dinheiro falso um par de vezes. Há pessoas honestas e desonestas em todos os países. Posso dizer que já me senti mais insegura e com medo no meu próprio país do que em qualquer outra parte do mundo. Quando estava a estudar em Lisboa, fui perseguida e quase assaltada mais do que uma vez. Por vezes carregar o meu computador na mochila, em algumas partes da cidade, deixava-me muito nervosa.

Antes de vir para a Índia, por onde estou a viajar de momento, ouvi (similarmente ao que me disseram no Sudeste Asiático) que não era um país seguro para mulheres viajarem sozinhas. Ouvi tantas vezes dizer que há imensos casos de violações, que os homens olham tanto para as mulheres (turistas) que as deixam desconfortáveis, que eu teria um choque cultural etc.. Não existe opinião que possa substituir a tua própria experiência. E a minha experiência aqui por enquanto diz-me que, não só os homens como também as mulheres olham de facto muito para mim, porque sou diferente deles. Eles olham com curiosidade. Os nossos tons de pele são diferentes, as nossas feições são diferentes e os nossos modos também são diferentes. Eu chamo a isso um olhar curioso. E a seguir esboço um sorrizão que é sempre correspondido. Qualquer desconforto é desmanchado imediatamente com este acto. Somos no fundo todos iguais, todos seres humanos e o sorriso aproxima-nos. Também abre oportunidades para conversas, para pedidos de “selfies” ou até para pedirem um abraço. Se isto for demasiado, há sempre a hipótese de se continuar a andar sem dar resposta.

A minha forma de viajar implica estar alerta e relaxada ao mesmo tempo. São necessários senso comum e alguns conhecimentos para que se tenha noção se estamos numa situação perigosa ou se é apenas a nossa imaginação a pregar-nos partidas. O senso comum diz-me que vaguear pela rua no meio da noite não é boa ideia, que é bom estar em controlo (sem que haja obsessão) e para estar atenta às pessoas que me rodeiam. Exatamente a mesma coisa que faço no meu país e até na minha cidade. Estar em controlo significa que posso aceitar o convite para uma festa de uma pessoa que acabei de conhecer, no entanto ser responsável o suficiente para manter-me  sóbria. Assim consigo divertir-me na mesma e irei recordar aqueles momentos para sempre.

Sou de facto uma viajante relaxada. Não me recordo de estar preocupada com o que quer que seja nas minhas viagens solitárias. Uma vez estava no aeroporto de Kuala Lumpur prestes a embarcar para o meu próximo destino: Vietname. O staff da companhia não me permitiu entrar no avião porque aparentemente precisava de um pedido de visto à chegada (cada companhia tem as suas regras). Lembro-me que me sentei no chão, abri o meu computador e comecei a pesquisar pelos voos mais baratos disponíveis naquele momento. Em 20 minutos tinha outro destino. Em vez do Vietname voei para Langkawi, uma ilha maravilhosa na Malásia. Ser relaxada possibilita-me ser bastante flexível com datas, eventos e locais. Deste modo nada arruina os meus planos porque acabo por chegar exatamente aos sítios onde devo estar. Ter demasiados planos e alojamentos marcados pode limitar a experiência. Para mim, há sempre a hipótese de ficar mais alguns dias num sítio se me parece necessário ou pelo contrário ficar somente meio dia num lugar que não me entusiasme.

A meu ver, o mais importante é estar integrada o máximo possível nas diferentes culturas. Nos primeiros dias observo os locais para ver como passam a estrada, como é que comem, como funcionam os transportes públicos, aprender palavras básicas, entender a sua linguagem corporal etc. Depois copio gestos e peço ajuda se houver algo que não consigo perceber o porquê de se fazer. Não preciso de fazer algo com o qual não me sinta confortável ou não concorde. Contudo, estar-se aberto é crucial.

Duas semanas depois já me sinto integrada. Agarro qualquer oportunidade que tenho de falar com os locais sobre a sua cultura, tradições, hábitos e forma de pensar. Ainda que por vezes seja difícil a comunicação, há sempre alguma coisa que se aprende. Por fim, junto toda essa informação preciosa que me dá um pouco de conhecimento sobre os sítios e as suas pessoas.

Para mim, o autêntico significado de viajar é conhecer outras perspectivas de vida e integrar o melhor de cada uma na minha própria vida. Para ti, o que significa viajar?

 

El auténtico significado de viajar (ES)

No creo que haya una forma correcta o equivocada de viajar. Cada persona tiene diferentes objetivos con sus viajes, buscando experiencias subjetivas. Algunas personas no se relacionan con los ciudadanos locales y son más introspectivas, experimentando el viaje desde un punto de vista espectador. Otros hablan con los locales, si pueden comunicarse con ellos, haciendo preguntas y pidiendo consejos. Otras consiguen relacionarse con los locales, tienen acceso a sus vidas privadas y acaban por crear relaciones de amistad. Yo busco tener una mezcla de todas estas formas de viajar, dependiendo de la fase en que me encuentro o de mi disponibilidad psicológica para socializar. Mi forma de viajar no es mejor o peor que cualquier otra. Es sólo la forma que mejor funciona para mí y aquella con la que más me siento alineada.

En el Sudeste Asiático me advirtieron varias veces sobre los peligros de visitar algunos países que estaban en mi lista. En Tailandia me aconsejaron tener mucha precaución al viajar en Vietnam. En Malasia me aconsejaron eliminar a Camboya de mi lista por ser una chica viajando sola. No les hago mucho caso. Nunca me sentí en peligro en ninguno de mis destinos. Sí, hay situaciones extrañas; fui testigo de escenas extrañas al atravesar por tierra las fronteras de algunos países y fui engañada con dinero falso un par de veces. Hay personas honestas y deshonestas en todos los países. Puedo decir que ya me sentí más insegura y con más miedo en mi propio país que en cualquier otra parte del mundo. Cuando estudiaba en Lisboa, fui perseguido y casi fui atracada más de una vez. A veces llevar mi ordenador en la mochila, en algunas partes de la ciudad, me dejaba muy nerviosa.

Antes de venir a la India, por donde estoy viajando ahora, oí (similar a lo que me dijeron en el Sudeste Asiático) que no era un país seguro para las mujeres que viajan solas. Oí tantas veces decir que hay muchos casos de violaciones, que los hombres miran mucho a las mujeres (turistas) lo que las deja muy incómodas, que yo tendría un choque cultural, etc. No existe opinión que pueda sustituir a tu propia experiencia. Y mi experiencia aquí por ahora me dice que no sólo los hombres, como también las mujeres, miran de hecho mucho para mí, porque soy diferente de ellos. Ellos miran con curiosidad. Nuestros tonos de piel son diferentes, nuestras características son diferentes y nuestros modos también son diferentes. Yo lo llamo una mirada curiosa. Y luego les ofrezco una sonrisa enorme que siempre es correspondida. Cualquier incomodidad se deshace inmediatamente con este acto. Somos en el fondo todos iguales, todos somos seres humanos y la sonrisa nos acerca. También abre oportunidades para conversaciones, para pedidos de “selfies” o incluso para pedir un abrazo. Si esto es demasiado, siempre hay la posibilidad de seguir caminando sin dar respuesta.

Mi forma de viajar implica estar alerta y relajada al mismo tiempo. Es necesario mucho sentido común y algunos conocimientos para saber si estamos en una situación peligrosa o si son sólo nuestra imaginación y nuestros prejuicios los que nos hacen pensar que algo no está bien. El sentido común me dice que pasear por una calle oscura y vacía en medio de la noche no es buena idea, que es bueno tener el control de la situación (sin que haya obsesión) y que hay que estar atenta a las personas que me rodean. Exactamente lo mismo que hago en mi país y hasta en mi ciudad. Tener control significa que puedo aceptar la invitación para la fiesta alguien que acabo de conocer a la vez siendo responsable lo suficiente para mantenerme sobria. Así a la vez que me divierto sé que recordaré aquellos momentos para siempre.

Soy de hecho una viajera relajada. No me recuerdo de estar preocupada por lo que sea en mis viajes solitarios. Una vez estaba en el aeropuerto de Kuala Lumpur a punto de embarcar rumbo a mi próximo destino: Vietnam. El personal de la compañía no me permitió entrar en el avión porque aparentemente necesitaba una solicitud de visa a la llegada (cada compañía tiene sus reglas). Recuerdo que me senté en el suelo, abrí mi ordenador y empecé a buscar los vuelos más baratos disponibles en ese momento. En 20 minutos tenía otro destino. En vez de a Vietnam volé a Langkawi, una isla maravillosa en Malasia. Ser relajada me permite ser bastante flexible con fechas, eventos y lugares. De este modo nada arruina mis planes porque siempre siento que  voy exactamente a los sitios donde debería haber ido. Tener demasiados planes y alojamientos marcados puede limitar la experiencia. Para mí, siempre hay la posibilidad de quedarme unos días más en un sitio si me parece necesario o por el contrario quedarme sólo medio día en un lugar que no me entusiasma.

En mi opinión, lo más importante es estar integrada lo máximo posible en las diferentes culturas. En los primeros días observo los locales para ver cómo cruzan la carretera, cómo comen, cómo funcionan los transportes públicos, para aprender palabras básicas, entender su lenguaje corporal, etc. Después copio gestos y pido ayuda si hay algo que no puedo percibir cómo se hace. No necesito hacer algo con lo que no me sienta cómodo o no esté de acuerdo. Sin embargo, estar abierto es crucial.

Dos semanas después me siento integrada. Agarro cualquier oportunidad que tengo de hablar con los locales sobre su cultura, tradiciones, hábitos y formas de pensar. Aunque a veces sea difícil la comunicación, siempre hay algo que aprender. Por fin, junto a toda esa información preciosa que me da un poco de conocimiento sobre los sitios y sus personas.

Para mí, el auténtico significado de viajar es conocer otras perspectivas de vida e integrar lo mejor de cada una en mi propia vida. ¿Cuál es tu significado de viajar?

My own #10YearChallenge

My own #10YearChallenge (EN)

Mi propio #10YearChallenge (ES)

O meu próprio #10YearChallenge (PT)

Para as pessoas que estão mais desligadas das redes sociais o “10 Year Challenge” (desafio dos dez anos) é a última tendência viral desses meios. Para participar basta publicar duas fotos lado a lado, uma tirada em 2009 e outra actual (2019).

Esta coisa do #10YearChallenge pôs-me a pensar, não nas diferenças físicas entre a Nico actual de 31 anos e a Nico dez anos mais nova de 2009, mas nas diferenças a nível de estilo de vida e mentalidade. É fácil esquecer quem fomos há dez anos atrás, eu já não me lembro de muitas coisas. Para ajudar na recordação dessa época recorri ao histórico do Facebook, e fui bisbilhotar o que me pareceu ser a vida de outra pessoa, só que era a minha.

Através dessa pesquisa recordei que nessa altura adorava sair à noite com as minhas amigas e amigos. A minha vida era ir à faculdade e sair à noite. Tinha uma vida social super activa com montes de coisas a acontecer, sempre que não estava barricada na Faculdade de Arquitectura numa corrida contra o tempo para acabar algum projecto que tinha deixado para a última (na verdade deixava-os sempre todos). Mas até as noites sem dormir passadas a trabalhar na faculdade eram uma festa. Pelo Facebook percebo também que era bastante mais activa nessa rede social. Todos os dias atualizava o meu status com alguma frase que achava engraçada ou arrojada – ao ler essas frases sinto aqueles arrepios de vergonha alheia (só que é própria) – e fazia montes de comentários nas fotos e status das outras pessoas.  

Em 2009 estava no 1º ano do Mestrado em Design de Moda (mestrado esse que afinal não acabei) e tentava estar no centro do pequeno mundo da moda português o mais que podia, mergulhando de cabeça em todas as oportunidades profissionais que se me apresentassem. Acho que imaginava que em 10 anos estaria a trabalhar como “Senior Designer” nalguma marca de ready-to-wear mais ou menos famosa.  

Nesses tempos demorava mais de uma hora para me arranjar depois de experimentar vários looks e olhar-me ao espelho algumas dezenas de vezes. Dava muito valor à minha imagem, mas principalmente ao que os outros pensavam sobre ela. Sempre me achei naturalmente bonita e para mim o verdadeiro desafio – ao vestir-me, pentear-me, escolher os acessórios e maquilhar-me – sempre foi parecer ousada, fora do comum e ”com estilo”.  E claro parte do desafio era fazer com que tudo aquilo parecesse natural e sem esforço. Na verdade tudo isto me criava muita ansiedade e frustração, porque nem todos os dias conseguia atingir estes objectivos e quando saía de casa a pensar que não estava no “meu melhor” o dia já ia ser uma grande merda. Perdia muito tempo.

Tento lembrar-me de como era a minha saúde naquela época. Ainda tinha muitos dos problemas de saúde que já referi noutros artigos, como as alergias respiratórias, as tonturas matinais e os problemas digestivos. Acho que tinha uma vida pouco sedentária apesar de não ter actividades físicas ligadas ao desporto. Bebia bastante álcool e a minha alimentação era à base de massa, queijo, ovos, carne e pão.

Na verdade não me lembro de muito mais, e tenho mesmo a sensação de serem apenas memórias de uma vida passada. Mas com algum esforço reconheço que não. De facto o que aconteceu foram algumas (bastantes) mudanças no contexto e algum (talvez nem tanto) amadurecimento. Não sei se a Nico de há 10 anos atrás se poderia reconhecer nesta versão actualizada e à primeira vista tão diferente.

Penso que o mais importante neste tipo de reflexão é não nos fixarmos (como acho que a maioria tendemos a fazer) só nas coisas que mudaram para melhor ou para pior, mas tentar perceber o que aprendemos com o passado e o que ele ainda tem para nos ensinar.

Já sabes (se leste alguns artigos anteriores) que me sinto mais em sintonia com o meu corpo e imagem que no passado, e que agradeço todos acontecimentos que me levaram a tomar as rédeas da minha alimentação o que melhorou bastante a minha saúde.

Mas com relação à minha vida social, por exemplo, acho que tenho muito que aprender com a jovem Nico. Hoje em dia mantenho vivas grandes amizades do passado. Essas amizades enchem-me de energia renovada sempre que tenho oportunidade de as reviver, mas esses momentos são escassos. Viver com o suporte de uma rede de amigos próximos fisicamente, com os quais possas estar no dia a dia e com os quais possas contar para ir tomar um café para falar da vida e descontrair, é tão importante para a saúde (mental e física) como ter uma boa alimentação e estar ativo fisicamente. A Nico de 21 anos não gostava nada de estar sozinha, começo a achar que a Nico de 31 gosta demasiado.

Esta reflexão fez-me chegar à conclusão de que tenho que fazer um esforço para alimentar novas amizades, com pessoas que estejam mais perto e que tenham interesses comuns.

Com relação à minha vida profissional tenho que refletir mais um pouco. Tenho a sensação que também ainda há algo que a Nico universitária me poderia ensinar.

Como eras há dez anos atrás? O que consegues lembrar dessa época? O que achas que podias ensinar à tua versão mais jovem? O que é que ela te pode ensinar a ti?


 

My own #10YearChallenge (EN)

To those people that are not familiar with the “10 Year Challenge”, it’s the last trend on social media. To take part, you only need to post two pictures side by side, one being from 2009 and a current one (from 2019).

This #10YearChallenge thing made me think, not so much about the physical differences between the 31 years old Nico and the ten years younger version, but rather the differences concerning lifestyle and mentality. It’s easy to forget who we were ten years ago, I cannot remember many things. To better recall that period I consulted Facebook’s history and took a snoop to what seemed to me the life of another person, but was actually my own.

Through that research, I recalled that at that time I used to love going out at night to party with my friends. My life was all about going to the University and going out at night. When I was not barricaded at the Faculty of Architecture in a race against time to finish some project that wasn’t done till the last moment (in fact I left them all to the last moment), I had a very sociable life, with lots going on. Even the nights that I didn’t get any sleep, because I was working, where fun. Through Facebook I can also see that I was very active in this networking website. I used to update my status on daily basis with some sort of sentence that I found funny or bold – while reading those sentences I feel quite a second hand embarrassment (but in fact a first hand) – and used to comment pictures and status from other people.

In 2009 I was in the first year of my Master in Fashion Design (a master that I never got to conclude) and was trying to be as much as possible in the hub of the Portuguese fashion scene, taking the plunge in every professional opportunity. I think I pictured myself working, 10 years from then, as a “Senior Designer” in some more or less famous ready-to-wear brand.

Back then, I used to take more than an hour to get ready after trying out various outfits and look at my reflection in the mirror dozens of times. I used to value my image so much, but mostly what others would think of it. I always thought of me as a pretty girl and to me the true challenge – by dressing, styling my hair, choosing accessories and doing my make up – was to look edgy, unusual and “stylish”. And obviously, part of the challenge was to make as if all of that was effortless and natural. In truth, all of this ended up giving me anxiety and frustration, because not every day I could achieve those goals and when I would leave the house thinking that I wasn’t looking my best, the day was doomed to be a shitty one. I would waste so much time.

Now trying to remember how my health was back then. I still had many of my health issues that I talked about in previous articles, such as breathing allergies, morning dizziness and digestive problems. I guess I didn’t have much of a sedentary lifestyle although I didn’t have any physical activity related to sports. I used to drink tons of alcoholic beverages and my meals consisted mainly of pasta, cheese, eggs, meat and bread.

In fact I can’t recall much more, and really feel like those are memories from a past life. But with some effort I recognise it wasn’t. What really happened were some (many) changes in the context and some (maybe not so much) maturation. I can’t tell if Nico from 10 years ago could recognise herself in this current version, so different at first sight.

I think that most important in this type of reflexion is not to focus (as I think most of us do) only on those things that changed for the better, or for the worst, but instead to understand what we learned from the past and what it still has to teach us.

You know (if you have read previous articles) that I feel more aligned with my body and self image than I used to feel in the past, and that I’m grateful for all events that led me to take the lead of my nutrition which improved significantly my health.

But when it comes to my social life, for instance, I think I have a lot to learn with the younger Nico. Nowadays I keep alive great past friendships. Those friendships fill me up with renewed energy every time I revive them, but those moments are scarce. Having the support of a network of friends that live close physically, with whom you can be daily and able to count on to go for a stroll and have a coffee to speak about life and chill, is as important to health (mental and physical) just as getting proper nutrition and being physically active. 21 years old Nico didn’t like to be alone, I start to think that the 31 years old Nico likes it way to much.

This reflexion made me come to conclusion that I have to make a better effort to feed new friendships, with like minded people close by.

When it comes to my professional life I have to reflect a little more. I have the feeling that college Nico still has something to teach me about that.

How were you ten years ago? What can you recall from that period? What do you think you could teach your younger version? What can your younger self teach you?


 

Mi propio #10YearChallenge (ES)

Para las personas que están más desconectadas de las redes sociales, el “10 Year Challenge” (desafío de los diez años) es la última tendencia viral de esos medios. Para participar basta publicar dos fotos lado a lado, una hecha en 2009 y otra actual (2019).

Esto del #10YearChallenge me puso a pensar, no en las diferencias físicas entre la Nico actual de 31 años y la Nico diez años más joven de 2009, pero en las diferencias a nivel de estilo de vida y mentalidad. Es fácil olvidar quién un@ fue hace diez años, yo ya no recuerdo muchas cosas. Para ayudar en el recuerdo de esa época recurrí al historial de Facebook, y me puse a husmear lo que me pareció ser la vida de otra persona, pero que era la mía.

A través de esa investigación recordé que en ese momento adoraba salir de fiesta con mis amigas y amigos. Mi vida era ir a la universidad y salir por la noche. En el caso de que no estuviera en la Facultad de Arquitectura en una carrera contra el tiempo para acabar algún proyecto que había dejado para la última hora (en realidad los dejaba siempre todos). Pero hasta las noches sin dormir pasadas trabajando en la universidad eran una fiesta. Por Facebook percibo también que era bastante más activa en esa red social. Todos los días actualizaba mi status con alguna frase que creía graciosa o arrojada – al leer esas frases siento aquellos escalofríos de vergüenza ajena (sólo que es propia) – y hacía muchos de comentarios en las fotos y status de las otras personas.

En 2009 estaba cursando el primer año (en Portugal los másteres son de dos años) del Máster en Diseño de Moda (que no llegué a terminar) y intentaba estar en el centro del pequeño mundo de la moda portuguesa tanto como podía, aprovechando todas las oportunidades profesionales que surgían. Creo que pensaba que en 10 años estaría trabajando como “Diseñadora Senior” en una marca de ready-to-wear más o menos famosa.

En esos tiempos tardaba más de una hora para arreglarme después de probar varios looks y mirarme al espejo algunas decenas de veces. Daba mucho valor a mi imagen, pero principalmente a lo que los demás pensaban sobre ella. Siempre me vi naturalmente guapa y para mí el verdadero desafío – al vestirme, peinarme, escoger los accesorios y maquillarme – siempre fue parecer audaz, fuera de lo común y con estilo. Y claro parte del reto era hacer que todo aquello pareciera natural y sin esfuerzo. En realidad todo esto me creaba mucha ansiedad y frustración, porque no todos los días conseguía alcanzar estos objetivos y cuando salía de casa pensando que no estaba en “mi mejor” el día ya iba a ser una gran mierda. Perdía mucho tiempo.

Intento recordar cómo era mi salud en aquella época. Todavía tenía muchos de los problemas de salud que ya he mencionado en otros artículos, como las alergias respiratorias, los mareos matutinos y los problemas digestivos. Creo que tenía una vida poco sedentaria a pesar de no tener actividades físicas de deporte. Bebía bastante alcohol y mi alimentación era a base de pasta, queso, huevos, carne y pan.

En realidad no recuerdo mucho más, y tengo la sensación de que esto son memorias de una vida pasada. Pero con algún esfuerzo reconozco que no. De hecho lo que sucedió fueron algunos (bastantes) cambios en el contexto y alguna (tal vez ni tanta) madurez. No sé si la Nico de hace 10 años se podría reconocer en esta versión actualizada y a primera vista tan diferente.

Creo que lo más importante en este tipo de reflexión es no fijarnos (como creo que la mayoría tendemos a hacer) sólo en las cosas que cambiaron para mejor (en el caso de algunas personas) o para peor (en el caso de otras), pero tratar de percibir lo que aprendemos con el pasado y lo que él todavía tiene para enseñarnos.

Ya sabes (si al este algunos artículos anteriores) que me siento ahora más en sintonía con mi cuerpo e imagen que en el pasado, y que agradezco todos los acontecimientos que me llevaron a tomar las riendas de mi alimentación, lo que mejoró bastante mi salud.

Pero con respecto a mi vida social, por ejemplo, creo que tengo mucho que aprender de la joven Nico. Hoy en día mantengo vivas grandes amistades del pasado. Esas amistades me llenan de energía renovada siempre que tengo oportunidad de revivirlas, pero esos momentos son escasos. Vivir con el apoyo de una red de amigos cercanos físicamente, con los que puedas estar en el día a día y con los que puedas contar para ir a tomar un café, para hablar de la vida y relajarte, es tan importante para la salud (mental y física) como tener una buena alimentación y estar activo físicamente. A la Nico de 21 años no le gustaba nada estar sola, empiezo a pensar que a la Nico de 31 años le gusta demasiado.

Esta reflexión me hizo llegar a la conclusión de que tengo que hacer un esfuerzo para alimentar nuevas amistades, con personas que estén más cerca y que cob intereses comunes.

Con respecto a mi vida profesional tengo que reflexionar un poco más. Tengo la sensación de que todavía hay algo que la Nico universitaria me podría enseñar.

¿Cómo eras hace diez años? ¿Qué puedes recordar de esa época? ¿Qué crees que podrías enseñar a tu versión más joven? ¿Qué te puede enseñar ella a ti?

Why do people get so bothered by those who question everything?

Why do people get so bothered by those who question everything? (EN)

¿Por qué es que las personas que cuestionan todo incomodan tanto a las demás? (ES)

Porque é que as pessoas que questionam tudo incomodam tanto? (PT)

Frequentemente passo por situações nas que sinto (ou me fazem sentir) que estou a incomodar alguém apenas por questionar o que está socialmente estabelecido como normal. Mesmo sem expressar directamente os meus pontos de vista, e muito menos sem antagonizar ninguém, faço (sem intenção) com que algumas pessoas se sintam desconfortáveis apenas com a minha presença, porque me veem fazer escolhas que não encaixam com os padrões aos quais estão habituadas, ou simplesmente porque sabem que vejo o mundo desde outra perspectiva.

Eu aceito e já estou habituada a causar esse desconforto, e até percebo o sentimento de confusão que se apodera dessas pessoas quando estão diante de alguém que pensa de uma maneira tão diferente da sua, nas coisas que consideram mais básicas (como comer, como vestir, como levar a vida profissional, como viver as relações, etc.) e por isso mais inquestionáveis. O problema não é este desconforto normalmente traduzir-se numa certa hostilidade dirigida à minha pessoa. Não, o problema é que se trata geralmente de uma hostilidade cobarde.

O que quero dizer com hostilidade cobarde são coisas como:

  • mandar bocas “para o ar” que não estão “oficialmente” dirigidas à minha pessoa mas que tanto eu como todos os presentes percebemos que era mesmo para mim;
  • dizer coisas com um tom de brincadeira mas com a intenção de deixar-me desconfortável (talvez para fazer-me sentir como el@s se sentem) ou numa posição desagradável;
  • guardar todos os comentários e opiniões sobre a minha pessoa para o momento em que eu viro costas ou falar mal de mim quando não estou presente.

O que todas estas formas de hostilidade têm em comum, e a razão pela qual digo que são gestos cobardes, é que me tiram a possibilidade de me defender. Se respondo a bocas que não estão formalmente dirigidas a mim, ou reajo mal a coisas ditas “na brincadeira” corro o risco de parecer que tenho a mania da perseguição, ou que me ofendo sem razão.  E obviamente o facto de falar de mim nas minhas costas me tira a possibilidade de expor o meu ponto de vista.

Outra coisa que me chateia nisto é o facto de estas pessoas se sentirem ameaçadas pelo simples facto de que alguém fazer as coisas de maneira diferente. Quem me conhece sabe que não costumo dizer às pessoas coisas como: “devias ser vegan@”, “esses sapatos que usas estão a deformar os teus pés, devias usar uns como os meus”, “a felicidade não depende de teres menos problemas, se queres ser uma vítima quando este problema se resolver tu encontrarás outro para te queixares”, “se tens um problema crónico de saúde devias tentar perceber que mudanças no teu estilo de vida poderão ser benéficas com relação a esse problema”, etc.

Não, eu na realidade talvez diga: “sou vegana pelos animais, pela minha saúde e pelo planeta”; “desde que comecei a usar calçado ‘barefoot’ deixei de ter dores nas ancas e nos joelhos”; “sei que este problema irá passar, mas virão outros, e não posso deixar que a minha felicidade dependa disso”; “sinto-me muito melhor desde que deixei de consumir alimentos com glúten, descobri que afinal alguns dos problemas crónicos que tinha estavam relacionados com o seu consumo”. Mas pelos vistos essas pessoas, na cabeça delas, ouvem alguma versão mais parecida às do parágrafo anterior e não o que realmente expresso. Só pode ser essa a razão, certo? Afinal eu não lhes digo que o que fazem está mal, nem opino sobre como o deviam fazer, nem exprimo julgamentos sobre as suas decisões, então porque é que elas reagem como se eu o fizesse?

Desconfio que quem questiona o estabelecido, cria (na cabeça destas pessoas) a possibilidade de questionamento daquilo que antes era inquestionável para elas. Estes questionamentos criam muitas mais hipóteses de escolha que as que haviam anteriormente, mas elas não querem ter que tomar decisões reais nas suas vidas, porque acham que é mais fácil escolher apenas de entre as possibilidades já delimitadas pela sociedade, do que escolher uma das possibilidades criada por elas próprias.

O que acham sobre isto? Compreendem o que quero dizer? Revêem-se nalguma parte deste meu desabafo? Este texto foi escrito exatamente para pedir ajuda com estas questões. Como acham que devo reagir às hostilidades cobardes? Acham que devo ignorar (que é o que tenho vindo a fazer até agora mas realmente não tem ajudado a fazer com que essas hostilidades me deixem de ser dirigidas)? Acham que devo confrontar as pessoas de alguma maneira específica? Acham que há outra razão pela qual faço as pessoas se sentirem desconfortáveis? Que devo mudar algo na maneira como lido com as pessoas? Qualquer ideia é bem vinda!!


 

Why do people get so bothered by those who question everything? (EN)

I often go through situations in which I feel that I am bothering someone just by questioning what is socially established as normal. Even without directly expressing my point of view, let alone without antagonising anyone, I (unintentionally) make some people feel uncomfortable only with my presence, because they see me making choices that do not fit the standards they are used to, or simply because they know that I see the world from a different perspective.

I accept that and am already used to causing this discomfort, and I even understand the sense of confusion that grips these people when they are face to face with someone who thinks in a way so different from theirs about the things they consider most basic (like eating, dressing , how to lead a professional life, how to manage relationships, etc.) and therefore more unquestionable. The problem is not that this discomfort usually translates into a certain hostility directed at me. No, the problem is that it’s usually what I like to call “coward’s hostility”.

What I mean by “coward’s hostility” are things like:

  • dropping hints that are not “officially” addressed to me but everybody else, including myself, know that are actually directed to me;
  • saying things with a joking tone but with the intention of making me uncomfortable (maybe to make me feel like I make them feel) or putting me in an unpleasant position;
  • making comments and giving opinions as soon as I turn my back or speaking ill of me when I am not present.

What all these forms of hostility have in common, and the reason why I say that they are cowardly gestures, is that they take away from me the possibility of defending myself. If I respond to dropped hints that are not formally addressed to me, or I react badly to things said “in jest” I run the risk of seeming to have delusions of persecution, or that I get offended with no reason. And obviously talking about me behind my back makes it impossible for me defend my own opinions.

Another thing that annoys me is the fact that these people feel threatened by the simple fact that someone does things differently. Those who know me can attest that I don’t usually tell people things like “you should become vegan,” “those shoes that you are wearing are deforming your feet, you should use ones like mine,” “happiness does not depend on having fewer problems, if you want to be a victim, when this problem is solved you will find another one to complain about”, “if you have a chronic health problem you should try to understand what changes in your lifestyle could be beneficial for you” etc.

Instead, what I might actually say is: “I am vegan for the animals, for my health and for the planet”; “since I started wearing ‘barefoot’ shoes I stopped having pain in my hips and knees”; “I know this problem will pass, but others will come, and I can’t let my happiness depend on it”; “I feel much better since I stopped consuming foods with gluten, I discovered that after all some of the chronic problems I had were related to gluten consumption.” But apparently these people, in their head, hear a version more similar to the ones on the previous paragraph and not what it actually express. Only that can be the reason, right? At the end of the day, I do not tell them that what they do is wrong, I do not give opinions about how they should do it (unless asked), nor do I express judgments about their decisions, so why do they react as if I do?

I suspect that anyone who questions what is established creates (in the minds of these people) the possibility of questioning what was previously unquestionable for them. These questions create many more possibilities of choice than the ones they had before, but they do not want to have to make real decisions in their lives, because they think it is easier to choose only from the possibilities already delimited by society, than to choose one of the possibilities created by themselves.

What do you think about this? Do you understand what I mean? Do you see yourself in some part of my outburst? This text was written exactly to ask for help with these questions. How do you think I should react to “coward’s hostilities”? Do you think I should ignore (which is what I have been doing so far but it really has not helped to stop these hostilities from being addressed to me)? Do you think I should confront people in some specific way? Do you think there’s another reason why I make people uncomfortable? Or do you think that I should change the way I deal with people? Any ideas are welcome !!


 

¿Por qué es que las personas que cuestionan todo incomodan tanto a las demás? (ES)

A menudo paso por situaciones en las que siento (o me hacen sentir) que estoy molestando a alguien sólo por cuestionar lo que está socialmente establecido como normal. Incluso sin expresar directamente mis puntos de vista, y mucho menos sin antagonizar a nadie, hago (sin intención) con que algunas personas se sienten incómodas sólo con mi presencia, porque me ven hacer elecciones que no encajan con los patrones a los que están acostumbrados o simplemente porque saben que veo el mundo desde otra perspectiva.

Yo acepto y ya estoy acostumbrada a causar esa incomodidad, e incluso entiendo el sentimiento de confusión que se apodera de esas personas cuando están frente a alguien que piensa de una manera tan diferente de la suya, en las cosas que consideran más básicas y por eso más incuestionables (ej: cómo comer, cómo vestir, cómo llevar la vida profesional, cómo vivir las relaciones, etc.). El problema no es esta incomodidad normalmente traducirse en una cierta hostilidad dirigida a mi persona. No, el problema es que se trata generalmente de una hostilidad cobarde.

Lo que quiero decir con hostilidad cobarde son cosas como:

  • mandar recados “al aire” que no están “oficialmente” dirigidos hacia mí pero que tanto yo como todos los presentes percibimos que eran para mí;
  • decir cosas con un tono de broma pero con la intención de dejarme incómodo o en una posición desagradable;
  • guardar todos los comentarios y opiniones sobre mí para el momento en que me vuelvo la espalda o hablar mal de mí cuando no estoy presente.

Lo que todas estas formas de hostilidad tienen en común, y la razón por la que digo que son gestos cobardes, es que me quitan la posibilidad de defenderme. Si respondo a “recados” que no están formalmente dirigidos a mí, o reajo mal a cosas dichas “de broma”, corro el riesgo de parecer que tengo la manía de la persecución, o que me ofendo sin razón. Y obviamente el hecho de hablar de mí en mis espaldas me quita la posibilidad de exponer mi punto de vista.

Otra cosa que me molesta en esto es que estas personas se sienten amenazadas por el simple hecho de que alguien haga las cosas de manera diferente. El que me conoce sabe que no acostumbro decir a las personas cosas como: “deberías hacerte vegan@”, “esos zapatos que usas están deformando tus pies, deberías usar unos como los míos”, “la felicidad no depende de tener menos problemas, si quieres seguir siendo una víctima cuando este problema se solucione tú encontrarás otro para que quejarte “,” si tienes un problema crónico de salud deberías intentar percibir qué cambios en tu estilo de vida podrán ser beneficiosos para ti”, etc.

No, en realidad quizás yo diga: “soy vegana por los animales, por mi salud y por el planeta”; “desde que empecé a usar calzado ‘barefoot’ dejé de tener dolores en las caderas y en las rodillas”; “sé que este problema pasará, pero vendrán otros, y no puedo dejar que mi felicidad dependa de eso”; “me siento mucho mejor desde que dejé de consumir alimentos con gluten, descubrí que al final algunos de los problemas crónicos que tenía estaban relacionados con su consumo”. Pero por lo visto estas personas, en sus cabezas, oyen alguna versión más parecida a las del párrafo anterior y no lo que realmente expreso. Sólo puede ser esa la razón, ¿verdad? Al final yo no les digo que lo que hacen está mal, ni opino sobre cómo lo debían hacer, ni expreso juicios sobre sus decisiones, entonces ¿por qué reaccionan como si yo lo hiciera?

Desconfio que quien cuestiona lo establecido, crea (en las cabezas de estas personas) la posibilidad de cuestionamento de aquello que antes era incuestionable para ellas. Estos cuestionamientos crean muchas más opciones de elección que las que habían anteriormente, pero ellas no quieren tener que tomar decisiones reales en sus vidas, porque creen que es más fácil escoger sólo entre las posibilidades ya delimitadas por la sociedad, en el lugar de elegir una de las posibilidades creada por ellas mismas.

¿Qué piensas sobre esto? ¿Comprendes lo que quiero decir? ¿Te reconoces en alguna parte de este mi desahogo? Este texto fue escrito exactamente para pedir ayuda con estas cuestiones. ¿Cómo crees que debo reaccionar ante las hostilidades cobardes? ¿Creen que debo ignorarlas (que es lo que he hecho hasta ahora, pero realmente no ha ayudado parar las hostilidades)? ¿Crees que debo confrontar a las personas de alguna manera específica? ¿Creen que hay otra razón por la que las personas se sienten incómodas? ¿Qué debo cambiar algo en la forma en que leído con la gente? ¡Cualquier idea es bienvenida!

My mixed feelings about Xmas

My mixed feelings about Xmas (EN)

Mis sentimientos encontrados con relación a Navidad (ES)

Os meus sentimentos contraditórios com relação ao Natal (PT)

O Natal está mesmo à porta. Esta celebração, de uma forma ou de outra, costuma estar carregada de emoções. Para umas pessoas é um momento melancólico porque as recorda de todas as pessoas que já não estão presentes na mesa da ceia; para outras é um stress, uma azáfama quer seja pela correria para comprar presentes ou pela preparação da comida; para outras pessoas é um momento esperado pois é a única altura do ano em que veem alguns membros da família que vivem longe; para outras ainda esta festa cria muita ansiedade pois vão ter que dividir a mesa com membros da família com os quais não se dão muito bem; para algumas pessoas é um momento mesmo especial pois podem ver a felicidade na cara dos mais novos ao abrir os presentes e quase como que relembrar o que elas próprias sentiam nesse momento.

O Natal pode significar um montão de coisas diferentes e os rituais de cada família também variam. Já te questionaste o que significa o Natal para ti? Que sentimentos traz à tona? E quais são mais positivos ou menos?

Para mim o Natal tem dois lados.

Um deles é o lado que me dá alegria e que tem a ver com o facto de que, durante 2 dias (24 e 25 de Dezembro), consigo estar algumas horas com todos os membros da minha família mais próxima. Sempre aguardei com entusiasmo as reuniões familiares e agora que vivo longe de toda a família ainda mais.

O outro é o lado que me traz muita tristeza. É saber que esta é a altura do ano em que o maior número de animais são mortos para que algumas pessoas satisfaçam a sua gula. Que se cozinha cabrito sem pensar que aquele ser era um bebé por desmamar, que se prepara o bacalhau sem pensar na morte dolorosa e angustiante que possibilitou a sua chegada à travessa, que se recheiam perus sem ter em conta que eles são animais sociais que criam verdadeiros laços uns com os outros.

Por um lado quero desfrutar destes momentos preciosos com a minha família, e celebrar a paz e o amor conforme pede a festividade. Por outro não consigo, nem quero, ignorar os cadáveres que encimam a mesa da ceia e do almoço de Natal.

Apesar de ainda viver num mundo onde a maioria das pessoas ignora o termo “especismo” e de a grande parte das pessoas que eu conheço não serem vegan@s, durante a maior parte do ano consigo ou esquivar-me bastante a situações nas que tenha que ver pessoas comerem pedaços de cadáveres. E quando não me consigo safar tento não pensar muito sobre o assunto. Mas no Natal encontro-me, suponho que como a maioria das pessoas, ainda mais empática o que faz com que viva de maneira mais intensa tanto a parte alegre, como a parte triste.

Para compensar esses sentimentos menos positivos que me traz o Natal tento recordar-me de duas coisas que me trazem alegria e esperança.

A primeira é o facto de não passar por tudo isto sozinha, tenho a sorte gigantesca de estar neste caminho da compaixão e do respeito pelos outros animais com a minha irmã Tico. Podemos segurar a mão uma da outra quando nos sentirmos mais assoberbadas pelas visões macabras da mesa natalícia. Às vezes basta só apenas um cruzar de olhares com a minha irmã para saber que ela está a pensar o mesmo que eu.

A segunda é o facto de saber que, a pouco e pouco, nós também estamos a fazer o nosso papel de sensibilizar um pouco a nossa família para aceitar (já nem digo adoptar) os nossos valores e, quem sabe até, simpatizar com eles. Até há bem pouco tempo provavelmente quase ninguém da nossa família próxima sabia o que era o hummus ou o seitan, nunca tinham experimentado queijos nem chouriços veganos, nunca tinham ponderado preparar um prato vegetal para as reuniões familiares. E todos os anos sinto que se torna cada vez mais fácil.

Este ano, para a ceia de Natal, até vamos preparar o nosso prato principal na casa onde se juntará a família, e dessa forma dar uma mini aula de culinária à base de vegetais. Temos preparada uma receita infalível, que vai deixar bem claro que para ter uma refeição equilibrada e cheia de sabor não fazem falta produtos de origem animal. E para a sobremesa estamos a pensar fazer uma versão vegana de uma das sobremesas que fazíamos sempre com a nossa mãe para esta altura. Tentaremos fazer algumas fotos e depois contaremos como foi 🙂 .

Também tens sentimentos contraditórios com relação ao Natal? O Natal leva-te a questionar algumas coisas? Como fazes para lidar com isso?


My mixed feelings about Xmas (EN)

Christmas is right around the corner. This celebration, in one way or another, is loaded with plenty of emotions. For some people it is a melancholic moment because it reminds them of all dear ones that are no longer present at supper; to others it’s a massive stress, a bustle due to the rush to buy presents or prepping food; to other people it’s a moment for which they are looking forward as it is the only time of the year when they get to see their family members that live abroad; other people feel anxious at this time of the year because they’ll have to share table with family members with whom they don’t get along; to some people it’s a very special moment because they get to see the happiness “stamped” on youngster’s faces while opening presents, recalling them on how they felt like back in the day.

Christmas has different meanings and every family have their own rituals. Have you ever questioned what does Christmas means to you? What feelings are brought up? And which are more positive or less positive?

To me Christmas has two sides.

One of them is the side that gives me joy and that has to do with the fact that during two days (December 24th and 25th) I’m able to spend some time and be with all my relatives. I’ve always looked forward enthusiastically for family gatherings and now even more so because I live far away from them.

The other side is the one that brings me a lot of sadness. Knowing that this is the time of the year on which the greatest number of animals are killed so that some of us can indulge with gluttony. That a little lamb is cooked without the conscience that that being was a baby yet to be weaned, that codfish is prepped without any awareness of how painful and distressed of a death that that being had to go through before getting to a platter, that turkeys are stuffed with herbs disregarding the fact that they are social animals that bond with each other.

On one hand I want to enjoy those precious moments with my family, celebrating the peace and love according to what this festivity aims for. On the other hand I cannot, nor do I want to, ignore the corpses that lie on supper’s table and Christmas lunch.

Despite living in a world where the majority of people disregard the word “speciesism” and the fact that most of the people that I know are not vegan, I can wriggle for most part of the year to many events on which I would have to see people eating pieces of death bodies. And when I cannot get away, I try to avoid thinking too much about it. But during Christmas I find myself, just like all the others (I reckon), even more empathetic which makes me live both joyful and sad parts in an intense way.

To make up for these less positive feelings that Christmas brings, I try to remind myself of two things that bring me hope and delight.

The first one is the fact that I don’t have to go through all of this by myself, as i have the enormous luck of being in this compassionate path with respect towards all animals together with my sister Tico. We can hold hands when we feel swamped by the gruesome imagery that stands before our eyes on top of the table. Sometimes it only takes an exchange of glances with my sister to know that she is thinking exactly the same as I am.

On the other hand is knowing that, little by little, our role that aims to sensitise our family to accept (it’s not realistic to say adopt) our values and who knows, even sympathise with them. Not long ago, probably many of our family members were not familiarised with foods such as hummus or seitan, nor have they tried vegan cheese or chorizo or even consider preparing a veggie dish to family meetings. And every year I notice that is getting easier.

This year, for Christmas supper, we will prepare our main meal at the location where Christmas will be celebrated and thus giving a mini cooking class where vegetables are on the spotlight. We have planned an infallible recipe, that will clarify that in order to have a balanced meal, full of flavour, no animal products are needed. And for dessert we will try to bake a vegan version of one of our favourite desserts that we always made with our mother in this time of the year. We will take some pictures and share the experience after all 🙂 .

Do you also have mixed feelings when it comes to Christmas? Does Christmas leads you to question anything?  How do you deal with it?


La Navidad a 5 días de distancia. Esta celebración, de una forma u otra, suele estar cargada de emociones. Para una gente es un momento melancólico porque las recuerda de todas las personas que ya no están presentes en la mesa de la cena; para otras es un estrés, un bullicio ya sea por la correría para comprar regalos o por la preparación de la comida; para otras personas es un momento muy esperado pues es la única altura del año en la que ven a algunos miembros de la familia que viven lejos; para otras aún esta fiesta les crea mucha ansiedad pues van a tener que compartir la mesa con miembros de la familia con los que no se llevan muy bien; para algunas personas es un momento bastante especial pues pueden ver la felicidad en la cara de los más jóvenes al abrir los regalos y casi como recordar lo que ellas mismas sentían en ese momento.

La Navidad puede significar un montón de cosas diferentes y los rituales de cada familia también varían. ¿Te has preguntado qué significa la Navidad para ti? ¿Qué sentimientos trae a la superficie? ¿Y cuáles son más positivos o menos?

Para mí la Navidad tiene dos lados.

Uno de ellos es el lado que me da alegría y que tiene que ver con el hecho de que durante 2 días (24 y 25 de diciembre) puedo estar unas horas con todos los miembros de mi familia más cercana. Siempre esperé con entusiasmo las reuniones familiares y ahora, que vivo lejos de toda la familia, aún más.

El otro es el lado que me trae mucha tristeza. Es saber que esta es la altura del año en que el mayor número de animales son muertos para que algunas personas satisfagan a su gula. Que se cocina el cabrito sin pensar que aquel ser era un bebé por desmamar, que se prepara el bacalao sin pensar en la muerte dolorosa y angustiante que posibilitó su llegada a la bandeja, que se rellenan pavos sin tener en cuenta que ellos son animales sociales que crean verdaderos lazos unos con otros.

Por un lado quiero disfrutar de estos momentos preciosos con mi familia, y celebrar la paz y el amor como pide la festividad. Por otro no puedo, ni quiero, ignorar los cadáveres repartidos por las mesas de la cena y de la comida de Navidad.

Aunque todavía vivo en un mundo donde la mayoría de la gente ignora el término “especismo” y que la gran parte de las personas que yo conozco no sean vegan@s, durante la mayor parte del año consigo esquivarme bastante a situaciones en las que tenga que ver a la gente comer trozos de cadáveres. Y cuando no me puedo ahorrar esas visiones intento no pensar mucho sobre el asunto. Pero en la Navidad me encuentro, supongo que como la mayoría de la gente, aún más empática, lo que hace que viva de manera más intensa tanto la parte alegre, como la parte triste.

Para compensar esos sentimientos menos positivos que me trae la Navidad intento recordarme de dos cosas que me traen alegría y esperanza.

La primera es el hecho de no pasar por todo esto sola, tengo la suerte gigantesca de estar en este camino de la compasión y del respeto por los otros animales con mi hermana Tico. Podemos dar las manos cuando nos sentimos más abrumadas por las visiones macabras de la mesa navideña. A veces sólo basta un cruzar de miradas con mi hermana para saber que ella está pensando lo mismo que yo.

La segunda es el hecho de que, poco a poco, nosotros también estamos haciendo nuestro papel de sensibilizar un poco a nuestra familia para aceptar (no sería realista decir adoptar) nuestros valores y, quizá incluso, simpatizar con ellos. Hasta hace poco tiempo probablemente casi nadie de nuestra familia cercana sabía lo que era el hummus o el seitán, nunca habían probado quesos ni chorizos veganos, nunca habían pensado preparar un plato vegetal para las reuniones familiares. Y cada año siento que se vuelve cada vez más fácil.

Este año, para la cena de Navidad, vamos a preparar nuestro plato principal en la casa donde se unirá la familia, y de esa forma daremos una mini clase de cocina a base de vegetales. Hemos preparado una receta infalible, que va a dejar bien claro que para tener una comida equilibrada y llena de sabor no hacen falta productos de origen animal. Y para el postre estamos pensando hacer una versión vegana de uno de los postres que hacíamos siempre con nuestra madre para esta altura. Intentaremos hacer algunas fotos y luego contaremos como fue :).

¿También tienes sentimientos contradictorios con respecto a la Navidad? La Navidad te lleva a cuestionar algunas cosas? ¿Cómo haces para lidiar con eso?

What do queuing and fake news have in common?

What do queuing and fake news have in common? (EN)

¿Qué tienen en común hacer cola y las noticias falsas? (ES)

O que têm em comum uma fila e uma notícia falsa? (PT)

Talvez alguns de vós não saibam que a Tico tem uma certa “alergia” a filas. Mas não é pela fila em si, no sentido em que há que fazer fila e esperar, é porque muitas vezes as filas são filas (e das grandes) porque as pessoas se metem nelas só porque veem que há lá mais pessoas, e que por isso acham que deve ser onde elas também devem estar. Lembro-me de estarmos na Expo98 e de ouvir a minha irmã dizer: “As pessoas são mesmo ovelhas”, ela tinha apenas 10 anos. Eu nessa altura achava que ela estava a exagerar.

Hoje em dia acho que não é correcto ofender as ovelhas… Há umas semanas estivemos as duas numa espécie de congresso. À parte do evento em si estar bastante mal organizado (talvez algum dia escrevamos sobre esse evento), quando chegámos vimos que havia uma fila gigante. Mas a Tico é perita nisto das filas e foi logo averiguar o que se passava. O que se passava era que a maioria das pessoas não tinha percebido que havia 4 filas diferentes lá mais à frente, perto da entrada, e que as pessoas se deviam distribuir, segundo o seu tipo de passe, por cada uma das filas. A maioria das pessoas não se preocupava em ir averiguar (lá mais à frente) porque é que havia uma fila tão grande, elas apenas entravam na fila maior, que era a que acabava mais atrás, e nem se apercebiam que havia outras filas (filas essas que provavelmente eram as que correspondiam aos seus passes de entrada no evento). Este fenómeno acontece onde quer que haja muita gente, e não só em forma de filas.

Na verdade este artigo nem é sobre filas, é sobre a facilidade que as pessoas têm em “ir atrás” ou “seguir o rebanho” de maneira praticamente cega. Porque as pessoas não se questionam! Isto é algo que vejo acontecer prácticamente todos os dias nas redes sociais. Hoje (escrevo este artigo no dia 2 de Dezembro), por exemplo, deparei-me com uma partilha no facebook cujo texto começava com a frase: “O PAN apresentou uma proposta para proibir que os pobres e os sem abrigo pudessem ter animais” e acabava com “Quem não gosta de pessoas não pode gostar de animais!” logo a seguir tinha um link.

Eu, como a maioria das pessoas, tive uma reação imediata, que foi pensar “Que estupidez!!”, e  depois pensei “Como assim o PAN apresentou uma proposta para proibir que os pobres e os sem abrigo pudessem ter animais?”. Só que depois eu fiz algo que muitas das pessoas que partilharam ou comentaram essa publicação não fizerem: cliquei no link!! O link abria um documento com o título “Proposta de Regulamento Municipal do Animal Município de Lisboa”. Um documento que eu me dei ao trabalho de ler, ao contrário das pessoas que se apressaram em partilhar ou comentar demonstrando a sua revolta para com o partido animalista. Nesse documento, onde por acaso o nome do PAN nem aparece em lado nenhum, figuram uma série de propostas de protecção e bem estar animal bastante dentro do que a maioria das pessoas consideraria dentro do bom senso (ora cliquem no link e leiam com os vossos próprios olhos). Em nenhum lado havia algo que dizia que queriam proibir os pobres de ter animais, nem muito menos da leitura daquele documento, que podia nem ser da autoria do PAN, podemos retirar a ideia de que o partido animalista “não gosta de pessoas”.

A publicação em causa tinha sido feita no dia 20 de Novembro e tinha (no momento em que eu escrevia este artigo) 859 comentários, 2715 partilhas e mais de 1860 gostos. E tinha sido feita por um senhor que nitidamente sabe que a maioria das pessoas não se preocuparia em clicar no link e ler o documento. Um senhor que sem dúvida quer denegrir a imagem do PAN, e que de certa forma o conseguiu, de maneira tão simples como escrever umas frases polémicas e colocar um link que figura como fonte daquilo que declara, mas que na realidade sabia que (quase) ninguém ia abrir.

A mesma suposta notícia (com base no tal documento) poderia ter sido: “O PAN apresentou uma proposta que defende que, para ter animais, se devem ter certas condições mínimas para garantir o seu bem estar”. A linguagem é muito importante, como já escrevi num artigo anterior, e a maneira como dizemos as coisas é um exemplo disso, pois uma maneira ou outra podem alterar completamente a resposta que as pessoas têm a uma mesma ideia. O senhor que fez a tal publicação também sabia isso demasiado bem.

Tanto nas filas como nas redes sociais, para nosso próprio bem e para garantir que estamos realmente informad@s, para que não sejamos apenas mais um@ a seguir cegamente o rebanho, devemos sempre verificar o que de facto se passa. Pessoalmente considero que estar bem informad@ não é um privilégio mas sim um dever de cidadania. E perpetuar publicações falsas e tendenciosas é nocivo para tod@s e de facto muito vergonhoso para quem o faz.


What do queuing and fake news have in common? (EN)

Maybe some of you might not know that Tico has a certain “allergy” to queuing. But it is not for the queue itself, in the sense that it is necessary to queue and wait, it is because queues are often formed into queues (and big ones) as people get in them just because and they see that there are more people there waiting and so they think it must be where they should be too. I remember being at the Expo98 and hearing my sister say: “People are so like sheep,” she was only 10 years old. At that point I thought she was exaggerating.

Nowadays I think it is not right to offend the sheep … A few weeks ago we were both in a kind of congress. Apart from the event itself being rather poorly organised (maybe one day we will write about this event), when we arrived we saw that there was a giant queue. But Tico is an expert when it comes to queueing issues and was fast to find out what was going on. What was happening was that most people did not realize that there were four different queues further near the entrance, and that people were to distribute themselves, according to their type of admission ticket, by each of the queues. Most people did not bother to find out why there was such a big queue, they just entered the larger queue, which was the one that ended up further back, and they didn’t even realised that there were other queues (which were probably the ones that matched their entry tickets for the event). This phenomenon happens wherever lots of people come together, and not only in the form of queues.

Actually this article isn’t even supposed to be about queuing, it’s about how easily people engage in “following the herd” in a virtually blind fashion. Because people aren’t used to questioning! This is something I see happen practically every day on social networks. For example, the other day I came upon a post on Facebook whose text began with the phrase: “The PAN party put forward a proposal to prohibit the poor and the homeless from having animals” and ended with “Those who don’t like people can’t love animals!”. At the end of the text there was a link.

Note to non Portuguese readers: PAN : People–Animals–Nature is a Portuguese political party, founded in 2009. Since 2015, they have one seat in the Portuguese parliament.

I had an immediate reaction to the post, as most people did, and thought “How stupid is that!!”, and then I thought “How did PAN put forward a proposal to prevent the poor from having animals?”. But then I did something that many people didn’t: I clicked on the link!! The link would open a document entitled “Proposal for Animal Municipal Regulation of the Municipality of Lisbon”. I then bother myself to read it, unlike all of those who rushed to share or comment on the post, demonstrating their outrage towards the PAN party. This document, where the PAN party name never appears, presents a series of animal protection and welfare proposals, which I’m sure most people would consider within common sense. Nowhere in this document, that might not even be written by PAN, can we find a piece of text that states that they “don’t like people” nor that they have some kind of agenda against the poor or the homeless.  

The post in question had been posted on November 20th and had already (at the time I wrote this article) 859 comments, 2715 shares and more than 1860 likes. And it had been posted by a “gentleman” who clearly knows that most people would not bother clicking on the link and reading the document. A man who undoubtedly wants to denigrate the image of the PAN party, and who somehow managed to do so. In such a simple way as writing some controversial sentences and posting a link that would look like a genuine source of what he declares, but that in reality no one was going to check (and hell, he knew that so well).

The same alleged news (based on such document) could have been: “The PAN party has submitted a proposal that advocates that in order to adopt animals people must have certain minimum conditions to guarantee their well-being.”. Language is very important, as I wrote in a previous article, and the way we say things is very important too because it can completely change the response that others have to the same idea. The “gentleman” who made that post also knew this too well.

Regarding both queues and social networks, for our own good and to ensure that we are really informed, so that we are not just another one blindly “following the herd”, we should always check what is actually happening. Personally I consider that being well informed is not a privilege but a duty of citizenship. And perpetuating false and biased publications is harmful to all and indeed very shameful for the ones who do it.


¿Qué tienen en común hacer cola y las noticias falsas? (ES)

Quizás algun@s de ustedes no sepan qué Tico tiene una cierta “alergia” a filas. Pero no es por la fila en sí, en el sentido en que hay que hacer cola y esperar, es porque muchas veces las filas son filas (y de las grandes) porque las personas se meten en ellas sólo porque ven que allí hay más gente, y por ello creen que es donde ellas también deben estar. Me acuerdo de estar en la Expo98 y escuchar a mi hermana diciendo: “Las personas son como ovejas”, ella tenía sólo 10 años. En ese momento yo creía que ella estaba exagerando.

Hoy en día creo que no está correcto ofender a las ovejas … Hace unas semanas estuvimos las dos en una especie de congreso. A parte del evento en sí estar bastante mal organizado (quizás algún día escribamos sobre ese evento), cuando llegamos vimos que había una cola gigante. Pero Tico es experta en esto de las filas y pronto averiguó lo que pasaba. Lo que pasaba era que la mayoría de la gente no se había dado cuenta que había 4 filas diferentes más allá, cerca de la entrada, y que las personas se tenían que distribuir, según su tipo de bono, por cada una de las filas. La mayoría de la gente no se preocupaba de ir a averiguar (allí un poco más adelante) porque estaba tan grande la cola, ell@s solamente se incorporaban a la fila más larga, que era la que acababa más atrás, y ni siquiera se percibían que había otras filas (filas esas que probablemente eran las que correspondían a sus bonos de entrada en el evento). Este fenómeno ocurre dondequiera que haya mucha gente, y no sólo en forma de filas.

En realidad este artículo ni siquiera va sobre colas, va sobre la facilidad con la que la gente “sigue la manada” a ciegas. ¡Porque la gente no se cuestiona! Esto es algo que veo suceder prácticamente todos los días en las redes sociales. Por ejemplo, hace pocos días vi un ‘post’ en facebook cuyo texto empezaba con la frase: “El partido PAN presentó una propuesta para prohibir que los pobres y los sin techo puedan tener animales” y el texto terminaba con: “A quien no le gusta a la gente no le gustan los animales!” a continuación tenía el enlace.

Nota para l@s lector@s no portugueses: PAN: Personas – Animales – Naturaleza es un partido político portugués, fundado en 2009. Desde 2015, tienen un escaño en el parlamento portugués. Los ideales de este partido son bastante semejantes a los del partido PACMA en España.

Yo, como la mayoría de la gente, tuve una reacción inmediata que fue pensar “¡Qué estupidez !”, y luego pensé: “¿Cómo es posible que PAN haya presentado una propuesta para prohibir que los pobres y los sin techo tengan animales?”. Pero después yo hice algo que la mayoría de personas que compartió y comentó la publicación no hicieron: ¡hice clic en el enlace! El enlace se abriría para un documento titulado “Propuesta de Reglamento Municipal de Animales del Ayuntamiento de Lisboa.”. Luego me di al trabajo de leer dicho documento, también al contrario de todas las personas que se apresuraron a compartir o comentar, demostrando su enojo hacia el partido animalista. En ese documento, donde por casualidad el nombre del PAN no aparece en ninguna parte, figuran una serie de propuestas de protección y bienestar animal bastante dentro de lo que la mayoría de las personas consideraría dentro del sentido común. En ningún lado había algo que decía que querían prohibir a los pobres de tener animales, ni mucho menos de la lectura de ese documento, que puede ni ser de la autoría del PAN, podemos sacar la idea de que al partido animalista “no le gusta a las personas”.

El post del que hablo se había publicado en Facebook el 20 de Noviembre y (en el momento en el que yo escribía este post) tenía 859 comentarios, más de 1860 “me gusta” y había sido compartido 2715 veces. Y había sido publicado por un señor que nítidamente sabe que la mayoría de la gente no se preocuparía por hacer clic en el enlace ni leer el documento. Un señor que sin duda quiere denigrar la imagen del PAN, y que de cierta forma lo consiguió, de manera tan simple como escribir unas frases polémicas y colocar un enlace que figura como fuente de lo que declara, pero que en realidad sabía que (casi) nadie iba a abrir.

La misma supuesta noticia (con base en dicho documento) podría haber sido: “PAN presentó una propuesta que defiende que, para tener animales, se deben tener ciertas condiciones mínimas para garantizar su bienestar”. El lenguaje es muy importante, como ya he escrito en un artículo anterior, y la forma como decimos las cosas es un ejemplo de ello porque puede cambiar completamente la reacción que las personas tienen a una misma idea. El señor que hizo esa publicación probablemente también lo sabe.

Tanto en las colas como en las redes sociales, para nuestro propio bien y para garantizar que estamos realmente informad@s, para que no seamos sólo un@ más siguiendo ciegamente la manada, debemos siempre verificar lo que de hecho pasa. Personalmente considero que estar bien informad@ no es un privilegio sino un deber de ciudadanía. Y perpetuar publicaciones falsas y tendenciosas es nocivo para todos y de hecho muy vergonzoso para quien lo hace.

Background music

Background music (EN)

Música de fondo (ES)

Música de fundo (PT)

O que é o sucesso (ou êxito)? Porque é que vivemos preocupad@s ou até mesmo obcecad@s com tê-lo, quando às vezes nem sabemos bem o que significa? Porque é que é tão importante na nossa sociedade ter sucesso? É importante para quem?

Durante muito tempo a obtenção de sucesso foi uma grande preocupação minha. E aposto que já foi, ou ainda é, uma grande preocupação da maioria das pessoas que estão a ler isto. Era uma preocupação daquelas que ‘toca’ na mente lá atrás, como música de fundo. Não estava todo o dia a pensar “tenho que ser bem sucedida”, na verdade acho que não pensava nada parecido. Mas estava constantemente a tentar atingir um ideal, que na verdade era inalcançável. Porque cada vez que atingia um objectivo, imediatamente aparecia outro que afinal é que era realmente importante alcançar.

Essa fome insaciável estava maioritariamente relacionada com o que os outros poderiam pensar sobre mim ou como me poderiam valorizar: que os meus amigos me achassem mais fixe, que os meus colegas que achassem mais competente, que os meus pais tivessem mais orgulho em mim, etc. Mas nunca sentia que aquilo que fazia efectivamente me ajudava a obter a aprovação que procurava.

Esta busca contínua fazia com que tivesse uma sensação de insatisfação constante. Por outro lado havia sempre coisas que eu achava que me levariam a conseguir a aprovação que pretendia, mas eram coisas que por alguma razão forte não queria fazer. Principalmente porque iam contra os meus valores ou contra a minha personalidade.

Um dia ouvi alguém falar sobre esta preocupação com o sucesso e identifiquei-me. E comecei a questionar-me sobre o assunto. Uma das primeiras coisas que fiz foi procurar o significado “oficial” das palavras sucesso e êxito. Partilho contigo a minha descoberta:

Segundo vários dicionários da língua portuguesa “sucesso” significa: aquilo que sucede (= acontecimento); resultado de ação ou empreendimento; o que tem bom resultado, boas vendas ou muita popularidade. E “êxito” define-se como: saída, fim, termo; resultado de uma acção; resultado feliz; celebridade ou popularidade.

Em espanhol apenas a palavra “êxito” (éxito) existe e está oficialmente definida como: resultado feliz de um negócio ou actuação; boa aceitação que tem alguém ou algo; fim ou término de um negócio ou assunto.

Mas foi na definição em inglês da palavra “sucesso” (success) que obtive mais esclarecimento: alcançar os resultados desejados ou esperados; atingir resultados positivos; realização de um objectivo ou propósito; obtenção de fama, riqueza ou status social.

Acho que podemos resumir o conceito em duas ideias chave: por um lado a ideia de um resultado positivo ou de um objectivo cumprido, e por outro a obtenção de popularidade, fama e/ou riqueza.

Isto desmistifica bastante a ideia de sucesso, verdade? Tendo em conta que tenho bastante assumido que ser famosa não me interessa, e ser rica não é um objectivo no qual ponha algum empenho, o que é que me importa desta ideia? Qual é o meu conceito de sucesso? Obtenção de resultados positivos e alcance de objetivos?

Sempre que as coisas às que me proponho têm resultados positivos, e sempre que atinjo objetivos, estou a ser sucedida ou a ter êxito? Mas isso acontece constantemente!

E finalmente a busca terminou.

Uma lista de objetivos cumpridos e resultados positivos dos últimos tempos confirmou a minha suposição. E finalmente senti-me uma pessoa de sucesso.

Acabei por criar um conceito próprio de sucesso que englobava melhor aquilo que passei a sentir como sucesso: viver a vida como a quero viver naquele momento. Periodicamente faço uma revisão do meu sucesso actual. Para tal basta perguntar-me se estou a levar a vida como quero e responder-me sinceramente. Se percebo que a resposta é não, então é porque há coisas que precisam ser mudadas. Coisas específicas e atingíveis que se podem mudar com um prazo mais ou menos previsível ou estimado. Objetivos que, depois de cumpridos, me colocam na vida que quero ter, naquele momento.

“Naquele momento” são palavras chave. Estamos em constante crescimento, mudança, evolução e por isso acho que devemos aceitar que o que queremos da vida também vai mudando. O truque é não ver a vida como um suceder constante de níveis num jogo sem final, mas sim como um conjunto de jogos que ganhas ou perdes (falhar é uma parte importante da vida e ensina-nos mais do que ganhar) sem que nenhum jogo seja mais importante que o anterior. Ou seja, ver o sucesso como um conjunto de sucessos e fracassos acumuláveis e não como algo inatingível.

Comecei também a ver o sucesso dos outros com outros olhos. De repente percebi quantas pessoas sucedidas tinha à minha volta. E percebi que aquelas pessoas que pareciam sucedidas mas realmente estão a jogar o jogo sem fim não o são. Não o são por uma razão muito simples, não se sentem sucedidas, porque o sucesso está lá naquele degrau ainda mais acima. Percebi que sucesso nunca vai chegar se estiveres à espera das outras pessoas para te entregarem o troféu. Tens que ser tu a colocar todas as medalhas ao pescoço, e não importa que os outros não as possam ver ou entender.

Acabo com a partilha de algo mais pessoal: Refletir sobre o sucesso fez-me perceber que estava muito dependente da opinião do meu pai sobre mim, como bitola para o meu sucesso. Na verdade passei uma grande parte da minha vida preocupada em fazê-lo orgulhoso. Em contrapartida eu e o meu pai temos, e sempre tivemos/teremos, maneiras muito diferentes de ver e compreender o mundo e a vida em geral. Percebi que era inútil tentar encontrar algo que o fizesse ter aquela sensação de que eu tinha seguido as suas pegadas e, ao mesmo tempo, me fizesse feliz a mim. Então decidi acreditar que, o que um pai no fundo quer é que @s filh@s sejam felizes. E percebi que me tinha que preocupar com a minha felicidade, que na realidade cada um se deve preocupar com a sua.

Qual é o teu conceito de sucesso? Consideras-te sucedid@?

O sucesso não é a chave para a felicidade. A felicidade é a chave para o sucesso. Se adoras aquilo que fazes, então serás és bem sucedido.  —  Albert Schweitzer (alteração à frase original feita pela Nico)

Fontes:

https://dicionario.priberam.org/sucesso

https://dicionario.priberam.org/%C3%AAxito

https://www.infopedia.pt/dicionarios/lingua-portuguesa/sucesso

https://www.infopedia.pt/dicionarios/lingua-portuguesa/%C3%AAxito

http://dle.rae.es/srv/fetch?id=HGAP1jB

https://en.oxforddictionaries.com/definition/success

https://dictionary.cambridge.org/dictionary/english/success

 


 

Música de fondo (ES)

¿Qué es el éxito? ¿Por qué vivimos preocupad@s o incluso obsesionad@s con tenerlo, cuando a veces ni sabemos bien lo que significa? ¿Por qué es tan importante en nuestra sociedad tener éxito? ¿Es importante para quién?

Durante mucho tiempo la obtención de éxito fue una gran preocupación mía. Y apuesto que ha sido, o aún lo es, una gran preocupación de la mayoría de las personas que están leyendo esto. Era una preocupación de las que ‘toca’ en la mente por detrás, como una música de fondo. No estaba todo el día pensando “tengo que ser exitosa”, en realidad creo que no pensaba nada parecido. Pero estaba constantemente tratando de alcanzar un ideal, que en realidad era inalcanzable. Porque cada vez que acumplia un objetivo, inmediatamente aparecía otro que al final era el que realmente importaba alcanzar.

Este hambre insaciable estaba mayoritariamente relacionado con lo que otros podrían pensar sobre mí o cómo me podrían valorar: que mis amigos me pensaran que yo era guay, que mis colegas de trabajo pensaran que yo era competente, que mis padres tuvieran más orgullo en mí, etc.. Pero nunca sentía que lo que hacía realmente me ayudaba a obtener la aprobación que buscaba.

Esta búsqueda continua hacía que tuviera una sensación de insatisfacción constante. Por otro lado había cosas que yo creía que me llevarían a conseguir la aprobación que pretendía, pero eran cosas que por alguna razón fuerte no quería hacer. Principalmente porque iban contra mis valores o contra mi personalidad.

Un día oí a alguien hablar de esta preocupación con el éxito y me sentí identificada. Entonces empecé a cuestionarme sobre el tema. Una de las primeras cosas que hice fue buscar el significado “oficial” de la palabra éxito. Comparto contigo lo que descubrí:

De acuerdo con varios diccionarios de la lengua portuguesa “éxito” (sucesso/êxito) significa: lo que tiene buen resultado, buenas ventas o mucha popularidad; salida, fin, término; resultado de una acción; resultado feliz; celebridad o popularidad.

En español “éxito” es oficialmente definido como: resultado feliz de un negocio, actuación; buena aceptación que tiene alguien o algo; fin o terminación de un negocio o asunto.

Pero fue en la definición en inglés de la palabra éxito (success) que obtuve más aclaración: alcanzar los resultados deseados o esperados; alcanzar resultados positivos; realización de un objetivo o propósito; obtención de fama, riqueza o status social.

Creo que podemos resumir el concepto en dos ideas clave: por un lado la idea de un resultado positivo o de un objetivo cumplido, y por otro la obtención de popularidad, fama y / o riqueza.

Esto desmitifica bastante la idea de éxito, verdad? Teniendo en cuenta que tengo bastante asumido que ser famosa no me interesa, y ser rica no es un objetivo en el que ponga cualquier empeño, ¿qué me importa de esta idea? ¿Cuál es mi concepto de éxito? Obtención de resultados positivos y alcance de objetivos?

¿Siempre que las cosas a las que me propongo tienen resultados positivos, y siempre que alcanzo objetivos, estoy teniendo éxito o siendo exitosa? ¡Pero eso sucede constantemente!

Y finalmente la búsqueda terminó.

Una lista de objetivos cumplidos y resultados positivos de los últimos tiempos confirmó mi suposición. Y finalmente me sentía una persona de éxito.

Terminé creando un concepto propio de éxito que abarcaba mejor aquello que pasé a sentir como éxito: vivir la vida como la quiero vivir en aquel momento. Periódicamente hago una revisión de mi éxito actual. Para ello basta preguntarme si estoy llevando la vida como quiero, y responderme sinceramente. Si percibo que la respuesta es no, entonces es porque hay cosas que necesitan ser cambiadas. Cosas específicas y alcanzables que se pueden cambiar con un plazo más o menos previsible o estimado. Objetivos que, después de cumplidos, me colocan en la vida que quiero tener, en aquel momento.

“En aquel momento” son palabras clave. Estamos en constante crecimiento, cambio, evolución y por eso debemos aceptar que lo que queremos de la vida también va cambiando. El truco es no ver la vida como un suceder constante de niveles en un juego sin final, sino como un conjunto de juegos que ganas o pierdes (fallar es una parte importante de la vida y nos enseña más que ganar) sin que ningún juego sea más importante que el anterior. Es decir, ver el éxito como un conjunto de éxitos y fracasos acumulables y no como algo inalcanzable.

Comencé también a ver el éxito de otros con otros ojos. De repente me di cuenta de cuántas personas exitosas tenía a mi alrededor. Y me di cuenta que aquellas personas que parecen exitosas, pero realmente están jugando al juego sin fin, no lo son. No lo son por una razón muy simple, no se sienten exitosas, porque el éxito está allí, en aquel escalón aún más arriba. Me di cuenta de que el éxito nunca llegará si esperas que otras personas te entreguen el trofeo. Tendrás que ser tú a poner todas las medallas al cuello, y no importa que los demás no las puedan ver o entender.

Finalizo compartiendo algo aún más personal: Reflexionar sobre el éxito me hizo percibir que estaba muy dependiente de la opinión de mi padre sobre mí, como medidora de mi éxito. En realidad pasé una gran parte de mi vida preocupada por hacerlo orgulloso. En cambio yo y mi padre tenemos, y siempre hemos tenido/tendremos, maneras muy diferentes de ver y comprender el mundo y la vida en general. Me di cuenta de que era inútil intentar encontrar algo que le hiciera tener esa sensación de que yo había seguido sus pasos y al mismo tiempo me hiciera feliz. Entonces decidí creer que lo que un padre en el fondo quiere es que sus hij@s sean felices. Y me di cuenta de que tenía que preocuparme por mi felicidad, que en realidad cada uno debe preocuparse por la suya.

¿Cuál es tu concepto de éxito? ¿Te consideras exitos@?

El éxito no es la clave para la felicidad. La felicidad es la clave del éxito. Si amas lo que haces tendrás tienes éxito. —  Albert Schweitzer (modificación a la cita original por Nico)

Fuentes:

https://dicionario.priberam.org/sucesso

https://dicionario.priberam.org/%C3%AAxito

https://www.infopedia.pt/dicionarios/lingua-portuguesa/sucesso

https://www.infopedia.pt/dicionarios/lingua-portuguesa/%C3%AAxito

http://dle.rae.es/srv/fetch?id=HGAP1jB

https://en.oxforddictionaries.com/definition/success

https://dictionary.cambridge.org/dictionary/english/success

When thoughts have a life

When thoughts have a life (EN)

Cuando los pensamientos tienen vida propia (ES)

Quando os pensamentos têm vida própria (PT)

Tens ansiedade? Se sim, como a descreverias?

  • a) Sentes pressão no peito?
  • b) Sentes que tens o estômago ao contrário?
  • c) Sentes que tens um nó na garganta?
  • d) Sentes-te inquiet@ com a aproximação de um evento?
  • e) Sentes uma onda de calor a passar pelo teu corpo?
  • f) Todas as opções acima referidas.
  • g) Nenhuma das opções acima referidas.

Há tantas formas de se sentir ansiedade e cada pessoa consegue descrever a sensação de maneiras diferentes. Algumas pessoas sentem-se tão arrasadas pela ansiedade que a deixam tomar o controlo. Outras não entendem o que significa. Eu não entendia até muito recentemente.

Quando estava a estudar nutrição holística em Vancouver (Canadá), tive que formular um protocolo para um estudo de caso e para isso precisava de um voluntário que quisesse trabalhar comigo. O meu voluntário era um rapaz que penava com ansiedade já há algum tempo. Senti compaixão pelo seu problema, já que parecia afectar a sua qualidade de vida e estava disposta a ajudá-lo da forma que pudesse. Para tal, teria de compreender verdadeiramente o que era a ansiedade. Pela sua descrição, era algo que eu nunca tinha vivido. Fui para casa e comecei a pesquisar.

Num artigo que eu estava a ler para a minha pesquisa, o autor referia que “fazia um filme na sua cabeça” vezes sem conta antecipando um evento e que era assim que descrevia a sua ansiedade. No momento em que li isto tive uma epifania: “Perdão? Ansiedade também é isto?” – reagi. Eu pensei toda a minha vida que criar toda uma panóplia de cenários e situações na minha cabeça, num remoinho sem fim, era nervosismo.

Quando era criança/ adolescente, pensava sobre a mesma situação vezes sem conta. Uma conversa que tinha que ter com o meu pai, com um@ professor@ ou mesmo com um@ amig@ dava origem a muitas noites mal dormidas. Durante o dia, de cada vez que me lembrava dessa conversa o meu coração começava a bater mais depressa, roía as unhas até chegar ao sabugo e imaginava todas as hipóteses possíveis de como a dita conversa poderia acabar mal – “E depois el@ vai dizer isto e eu vou responder isto… ou talvez aquilo. Não, el@ vai ficar chatead@ comigo. Não consigo.” As conversas eram adiadas mais uma vez e o meu “nervosismo” – leia-se ansiedade – só piorava.

Quando eu entendi claramente que o que eu tive anos a fio era ansiedade, mais coisas começaram a fazer sentido na minha cabeça. Verdade seja dita, eu também ficava nervosa às vezes em situações específicas: antes de um teste ou apresentação, ir ao dentista ou outro evento qualquer que me deixasse desconfortável. Penso que a maior parte das pessoas se revê nesta sensação, pois todos nós já nos sentimos tensos nalguma(s) altura(s) da vida.

No entanto, ansiedade era algo que regia a minha vida e me deixava fora de controlo. E a maior parte das pessoas não sabiam disto pois eu conseguia escondê-lo muito bem.

Na escola secundária, eu tinha um namorado que era o rapaz mais fixe da escola. Ele vestia-se como um rapper, andava de skate e fazia-me corar cada vez que o via. Mas vê-lo na escola era também sinónimo de muita ansiedade pois eu não parava de pensar em cada possibilidade de como o nosso encontro fosse dar errado. Então acabei com o namoro.

Um tempo depois tinha-me tornado numa mestre da sabotagem. Se me convidavam para um evento que provavelmente me iria provocar ansiedade, eu dizia que ia mas começava imediatamente a pensar numa desculpa para não ir – “eu posso dizer que estou doente ou que a minha mãe não me deixa ir… talvez um contratempo de última hora possa ser a desculpa perfeita”.

Os meus pensamentos tinham vida própria dentro da minha cabeça e eram eles que me controlavam.

Isso só melhorou e finalmente deixou de acontecer quando mudei a forma como pensava e as coisas em que acreditava (mais posts neste tópico virão no futuro). Aprendi a lidar com a ansiedade e, mais importante, descobri que a sua causa não fazia o mínimo sentido.

Sendo alguém que gosta de agradar aos outros e evita confrontos a todo o custo, eu sentia sempre que precisava de ser a pessoa que os outros esperavam de mim. Eu achava que se dissesse a verdade e explicasse a um@ amig@ que não queria ir ao seu evento, el@ ficaria desiludid@ ou triste comigo e não iria entender ou aceitar.

A causa da ansiedade era simplesmente criada pela minha cabeça. Eu criei a causa porque assumi que tinha de agradar aos outros e não os podia desapontar. Por isso tinha toda esta pressão (desnecessária) em cima.

Não consigo meter em palavras o quão importante é sermos honest@s connosco própri@s e questionarmos os nossos pensamentos. Os teus pensamentos são teus inimigos? Eles impedem-te de fazeres alguma coisa na tua vida? És um@ mestre da sabotagem tal como eu era?

Ansiedade é completamente irracional e uma vez desfeitos os nossos medos, inseguranças e crenças, ela desmorona. Já não tem onde viver uma vez expulsa das nossas mentes. Morre à fome porque a deixamos de alimentar.

Não tens de controlar os teus pensamentos. Só tens de fazer com que eles parem de te controlar a ti. Dan Millman

When thoughts have a life (EN)

Do you have anxiety? If so, how would you describe it?

  • a) Do you feel pressure in your chest?
  • b) Do you feel like your stomach is upside down?
  • c) Do you feel like you have a knot in your throat?
  • d) Do you feel uneasy as an event approaches?
  • e) Do you feel a hot flash washing over your body?
  • f) All of the above.
  • g) None of the above.

There are so many different ways of feeling anxious and everybody can describe it in a different way. Some people get so overwhelmed by anxiety that it can really impair their lives. Others can’t understand the meaning of it. I couldn’t up until very recently.

While studying holistic nutrition in Vancouver (Canada), I had to make a protocol for a case study and had to choose a volunteer that was willing to work with me. My volunteer was a young man suffering with anxiety for quite some time. I felt compassionate for his issue, as it really seemed to affect his quality of life and was willing to help him in any way. For that, I had to fully comprehend what anxiety was. By his description, it was something I had never felt. I went home and started my research.

In an article that I was reading as part of my research, the author stated that he would “play the same movie in his head” over and over again, anticipating an event and that’s how he was describing his anxiety.While reading this I had an epiphany: “Wait what? That’s anxiety?” – was my reaction. I thought up until now that creating a whole scenario of situations in my head, in a loop without and end, was called nervousness. As a child/ teenager, I would think about the same situation endless times. A conversation that needed to happen with my father, a teacher or even with a friend would give me weeks of sleepless nights. During the day, every time I thought about that conversation, I could feel my heart beating faster, I would bite my nails until reaching the nail bed and would imagine all possible hypothesis of what could go wrong – “And then they will say this, and I will reply this… or maybe that. No, they’ll be mad at me. I can’t.”

The conversations were postponed again and again and my “nervousness” -meaning anxiety – only got worse.

When I got clear in my mind that what I had for so long was anxiety, more things made sense. Truth is, I was sometimes nervous in specific situations such as: prior to a test or a presentation, going to the dentist or any other event where I felt uncomfortable. I guess most people can relate to this feeling as we all felt uneasy at some point in life.

On the other hand, anxiety was something that ruled my life and made me feel completely out of control. And not many people would know about it as I was doing a great job hiding it.

In secondary school, I had a boyfriend that I thought was the coolest dude. He dressed like a rapper, had a skateboard and made me blush every time I saw him.

But seeing him in school also meant extreme anxiety, as I couldn’t stop thinking of every possibility on how our date could go wrong. So I broke up with him.

Some time later I became the master of sabotage. If I were to be invited to an event that could possibly cause me anxiety, my RSVP was positive but I immediately started thinking of an excuse not to go – “I can say I’m sick or that my mother wouldn’t let me go… maybe even a last minute unforeseen event can save my ass”.

My thoughts had their own life inside my mind and they were ruling my life.

That only got better and finally came to an end after I changed my beliefs (more posts on this topic to come). I learned to deal with it and more important, I found out that what caused it in first place didn’t make any sense.

As someone that likes pleasing others and avoids confrontation at all cost, I felt like I needed to meet the other people’s needs. I thought that if I told the truth and explained to my friend that I didn’t want to go to their event, they would be disappointed or sad and would not understand or accept it.

The cause of anxiety was purely made up by my head. I created the cause because I assumed that I had to deliver what people expected of me and I didn’t want to disappoint them. So I had all of this (unnecessary) pressure on me.

I cannot explain how important is to be honest with ourselves and question our own thoughts. Are your thoughts your enemies? Are they preventing you from doing anything in your life? Do you sabotage yourself just like I did?

Anxiety is completely irrational and once we dismantle all our fears, insecurities and believes, it falls apart. It doesn’t have anywhere else to live once kicked out of our minds. It starves, as we don’t feed it anymore.

You don’t have to control your thoughts. You just have to stop letting them control you. – Dan Millman

Cuando los pensamientos tienen vida propia (ES)

Tienes ansiedad? Si tu respuesta es sí, cómo la describirías?

  • a) Sientes presión en el pecho?
  • b) Sientes el estómago revuelto?
  • c) Sientes que tienes un nudo en la garganta?
  • d) Te sientes inquiet@ con la aproximación de un evento?
  • e) Sientes una ola de calor pasando por todo tu cuerpo?
  • f) Todas las opciones arriba se aplican?
  • g) Ninguna de las opciones anteriores se aplica?

Hay muchas formas de sentir ansiedad y cada persona puede describir la sensación de maneras diferentes. Algunas personas se sienten tan arrasadas por la ansiedad que le dejan tomar el control. Otras no entienden lo que significa. Yo no lo entendía hasta muy recientemente.

Mientras estudiaba nutrición holística en Vancouver (Canadá), tuve que formular un protocolo para un estudio de caso y para ello necesitaba un voluntario que quisiera trabajar conmigo. Mi voluntario era un chico que padecía de ansiedad hacía ya algún tiempo. Sentí compasión por su problema que parecía afectar bastante a su calidad de vida, y estaba dispuesta a ayudarle de la forma que pudiera. Para ello, tendría que comprender verdaderamente lo que era la ansiedad. Por su descripción, era algo que yo nunca había experimentado. Cuando me fui a casa empecé a investigar.

En un artículo que encontré sobre el tema, el autor explicaba que en su cabeza repetía la misma “película” repetidamente, una y otra vez, anticipando un evento y era así que describía su ansiedad. En el momento en que lo leí tuve una epifania: “¿Perdón? ¿La ansiedad también es esto? “- reaccioné. Pensé toda mi vida que el hecho de crear repetidamente escenarios y situaciones por anticipación a algo se llamaba nerviosismo.

Cuando era niña/ adolescente, pensaba sobre la misma situación muchas veces. Una conversación que debería tener con mi padre, con un@ profesor@ o incluso con un@ amig@ originaba muchas noches mal dormidas. Durante el día, cada vez que me acordaba de esa conversación mi corazón empezaba a latir más rápido, mordía las uñas e imaginaba todas las posibilidades de cómo dicha conversación podría terminar mal – “Y después él/ella va a decir esto y yo voy a responder esto… o quizás aquello. No, él/ella se va a enfadar conmigo. No puedo decirlo.” Acababa posponiendo las conversaciones una vez más, y mi nerviosismo – o sea: ansiedad- sólo empeoraba.

Cuando entendí claramente que lo que tuve durante tantos años era en realidad ansiedad, más cosas empezaron a tener sentido en mi cabeza. La verdad es que yo también me ponía nerviosa en situaciones específicas: antes de una prueba o presentación, ir al dentista u otro evento cualquiera que me dejara incómoda. Creo que la mayoría de las gente se reconoce en esta sensación, pues todos alguna vez ya nos sentimos nerviosos en algún momento de la vida.

Sin embargo, la ansiedad era algo que me gobernaba la vida y me dejaba fuera de control. La mayoría de la gente no lo sabía porque yo podía esconderlo muy bien.

En el instituto, tuve un novio que era el chico más guay de la escuela. Él se vestía como un rapero, iba en monopatín y me hacía ruborizar cada vez que lo veía. Pero verlo en la escuela era también sinónimo de mucha ansiedad porque yo no paraba de pensar en cada posibilidad de cómo nuestro encuentro podría ir mal. Entonces rompí con él.

 Un tiempo después yo me había vuelto maestra del sabotaje. Si alguien me invitaba a un evento que probablemente me diera ansiedad, yo decía que iba pero inmediatamente empezaba a pensar en una excusa para no ir – “puedo decir que estoy enferma o que mi madre no me deja ir … quizás un contratiempo de última hora sea la excusa perfecta “.

Mis pensamientos tenían vida propia dentro de mi cabeza y eran ellos los que me controlaban.

Esto sólo mejoró y finalmente dejó de ocurrir cuando cambié mi manera de pensar  y también mis creencias (escribiré más sobre ello en el futuro). Aprendí a lidiar con la ansiedad y, más importante, descubrí que su causa no tenía el mínimo sentido.

Siendo alguien a quién le gusta agradar a los demás y suele evitar confrontaciones a cualquier coste, sentía que necesitaba ser la persona que los demás esperaban que fuera. Yo creía que si dijese la verdad y explicara a un@ amig@ que no quería ir a su evento, el@ quedaría desiludid@ o triste conmigo y no iba a entenderlo o aceptarlo.

La causa de la ansiedad era simplemente creada por mi cabeza. Yo creé la causa porque asumí que tenía que agradar a los demás y no podía decepcionarlos. Por eso tenía toda esta presión (innecesaria) encima.

No puedo meter en palabras lo importante que es ser honest@s con nosotr@s mism@s y cuestionar nuestros pensamientos. ¿Tus pensamientos son tus enemigos? ¿Te impiden de hacer algo en tu vida? ¿Eres un@ maestr@ del sabotaje como era yo?

La ansiedad es completamente irracional y una vez deshechos nuestros miedos, inseguridades y creencias, se desmorona. Ya no tiene donde vivir una vez expulsada de nuestras mentes. Muere de hambre porque la dejamos de alimentar.

No tienes que controlar tus pensamientos. Sólo tienes que hacer que paren de controlarte a ti. – Dan Millman