Fashion on one hand, ideals on the other, will I have to choose?

Fashion on one hand, ideals on the other, will I have to choose? (EN)

Moda por un lado y ideales por el otro, tendré que elegir? (ES)

Moda por um lado, ideais por outro, terei que escolher? (PT)

É possível estar comprometid@ com valores sociais & meio ambientais e ao mesmo tempo ser apaixonad@ por moda?

Desde a perspectiva ambiental, o ciclo de consumo de recursos naturais, a contaminação e a produção de resíduos gerados pela indústria da moda são um problema grave com sérios efeitos no planeta. Pelo lado da dimensão humana e social, a roupa é muitas vezes manufaturada em países em vias de desenvolvimento que carecem de leis de trabalho para garantir que os trabalhadores recebam salários dignos e trabalhem sob boas condições de segurança, higiene e saúde.

Mas isto não é razão para desanimar-se! O problema não se vai solucionar sozinho e o melhor é que todos podemos contribuir para revertê-lo. Tendemos a pensar que as nossas decisões não são tão importantes porque no final de contas os culpados destas calamidades são as grandes empresas e os monstros industriais, isso está certo.. e também errado.  Os gigantes da indústria tem uma grande responsabilidade, é verdade, mas o nosso papel também é muito importante.

Cada vez que consumimos votamos a favor de algo e dizemos ao mercado que continue, que “isso” é o que queremos. Igualmente, de cada vez que não compramos algo mostramos que “isso” não nos serve, que não é o que queremos. Estas parecem ser razões suficientes para consumir de acordo com os valores que defendemos, certo? Vamos consumir (ou não consumir) conscientemente, deixando claro aquilo com que concordamos e aquilo com que não estamos de acordo.

Se gostas tanto de moda como eu, deves saber que tens muitas opções, não só para usar moda de acordo com os teus valores éticos mas também para ajudar o movimento “slow fashion” a crescer em detrimento da chamada “fast fashion”.

a. Usa o usado: Não há dúvida de que uma das opções mais sustentáveis é usar o que já temos ou que já “foi consumido”. Ao comprar “vintage” ou de segunda mão, ao intercambiar roupa com outras pessoas e ao arranjar ou redesenhar coisas que já tens mas que por alguma razão já não usas, estás a “dizer” ao mercado que não é necessário produzir tanto nem tão depressa. Além disso, desta forma podes conseguir peças originais e diferentes do típico top da H&M que adoraste mas que agora vês multiplicado por todo o lado sempre que sais à rua. E sabes que mais? Esta opção tem o “bonus” de ser também amigável para a tua conta bancária!

b. Desacelera: Uma das razões pelas quais a nossa relação com a moda é insustentável é porque compramos demasiado. A moda rápida alimenta o consumismo desenfreado com preços tão baixos que não temos que perguntar-nos se precisamos ou realmente gostamos daquilo que vamos comprar. Os preços baixos da “fast-fashion” parecem, à primeira vista, ser uma vantagem mas realmente são prejudiciais para o ambiente e para as comunidades que fabricam essas roupas. Da próxima vez que sentires o impulso de comprar por comprar, pensa em algo que realmente te faça falta, ou algo que realmente desejas. Calcula quantas coisas baratas, que comprarias num determinado espaço de tempo, terás que deixar de comprar para para poder comprar essa coisa. Faz uma espécie de “jejum de compras” até que tenhas juntado o valor que necessitas para comprá-la. Quando a comprares terás uma coisa à qual darás mais valor durante mais tempo, uma coisa especial com valor acrescentado porque sabes que fizeste um esforço de consumir menos para conseguir algo que realmente querias.

c. Compra aos pequenos: O artesanato está a perder-se e os pequenos negócios não podem competir em preço com as produções em massa. Comprar algo feito à mão, ou de pequenas produções, muitas vezes significa um produto melhor, mais duradouro e mais exclusivo. Comprar local também é uma parte importante desta opção e está geralmente a par com ela. Ao comprar local não só ajudas os negócios mais pequenos a sobreviver e proliferar mas também reduzes o impacto do teu consumo já que esse objecto não teve de ser transportado desde um produtor distante.  

d. Investiga e instiga as marcas: Cada vez há mais marcas com valores éticos e ambientais, e muitas marcas que antes não o faziam começam a oferecer também produtos que têm em conta esses valores. Na era da informação, não é tão difícil estar informad@ sobre que marcas oferecem opções sustentáveis, basta pesquisar no Google. Outra coisa que recomendo é que escrevas às tuas marcas favoritas. Se estas ainda não se abriram às possibilidades da sustentabilidade, diz-lhes que gostarias de continuar a comprar os seus productos mas que para isso têm que oferecer opções cujos materiais tenham um menor impacto e com processos de produção mais transparentes. Pensa que se todos os consumidores interessados comunicarem este tipo de exigências às marcas elas terão que ouvir.

Estas são apenas algumas sugestões daquilo que podes fazer, mas há muitas mais possibilidades. Às vezes o debate sobre a sustentabilidade pode parecer uma discussão exclusiva para especialistas, mas a realidade é que não se trata de um conceito estéril nem fechado. Para que tenha sentido para ti, a sustentabilidade deve poder aplicar-se ao contexto da tua própria vida. Reflete e pensa o que é que tu podes fazer, de certeza que te surgem algumas ideias além daquelas que acabo de partilhar contigo.

A moda sustentável não é uma ideia utópica, é um ideal que pretende ajudar o planeta e os seus habitantes – uma necessidade sobre a qual todos estamos de acordo. As coisas simples que fazemos todos os dias – como vestir-se – podem ajudar a marcar a diferença.


Fashion on one hand, ideals on the other, will I have to choose? (EN)

Is it possible to be committed to social & environmental values and at the same time be passionate about fashion?

From the environmental perspective, the cycle of consumption of natural resources, contamination and waste production generated by the fashion industry is a serious problem with severe effects on the planet. From the human and social perspective, clothing is often manufactured in developing countries that lack labor laws to ensure that workers receive decent wages and work under good  safety, hygiene and health conditions.

But this is no reason to be discouraged! The problem is not going to solve itself and the best is that we can all contribute to reverse it. We tend to think that our decisions are not so important because in the end the culprits of these calamities are the big companies and the industrial monsters, that’s right… and also wrong. The industry giants have a great responsibility, it’s true, but our role is also very important.

Each time we consume we vote for something we are telling the market to continue producing, that “this” is what we want. Likewise, every time we do not buy something we show that “that” does not serve us, it is not what we want. These seem to be enough reasons to consume according to the values we stand for, right? Let’s consume (or not consume) consciously, making a point of what we agree with and what we don’t.

If you like fashion as much as I do, you should know that you have many options, not only to use fashion in accordance with your ethical values but also to help the “slow fashion” movement grow to the detriment of the so-called “fast fashion”.

a. Use the used: There is no doubt that one of the most sustainable options is to use what we already have or what has already been “consumed”. When buying “vintage” or second-hand clothes, when you exchange or swap clothes with other people and when you repair or redesign things you already have, but for some reason no longer use, you are “telling” the market that it is not necessary to produce so much nor so quickly. In addition, in this way you can get pieces that are original and different then the typical H&M top that you loved but now you see multiplied everywhere whenever you go out on the street. And you know what? This option has the “bonus” of being also friendly with your bank account!

b. Slow down: One of the reasons why our relationship with fashion is so unsustainable is because we buy too much. Fast fashion feeds rampant consumerism with prices so low that we do not have to ask ourselves if we really need or like what we are buying. The low prices of “fast-fashion” seem to be an advantage at first glance but are actually detrimental to the environment and to the communities that manufacture these clothes. The next time you feel that you are buying by impulse, think of something you really need or want. Calculate how many cheap things that you could buy, in a certain amount of time, you will have to refrain from buying in order to buy this thing. Make a “shopping fasting” until you have put together the value you need to purchase this new item. When you do buy it you will have something that you will value more and for longer, a special thing with added value because you know that you made an effort to consume less in order to get something that you really wanted.

c. Buy from the small guys: Crafts are disappearing and small businesses can’t compete price wise with mass productions. Buying something handmade, or from small productions, often means a better, longer lasting and more exclusive product. Buying local is also an important part of this option and usually goes with it. Buying local not only helps smaller businesses to survive and proliferate but also reduces the impact of your consumption since this item won’t have to be transported from a distant producer.

d. Investigate and instigate the brands: There are more and more brands that seem to have ethical and environmental values, and many other brands that have started offering products that take these values ​​into account. In this age, it is not so difficult to be informed about brands that offer sustainable options, just Google it. Another thing I recommend is that you write to your favourite brands. If they are not opened to the possibilities of sustainability, tell them that you would like to continue to buy their products but in order to do so they have to offer options whose materials have less impact and that have more transparent production processes. Just think that if all interested consumers communicate these types of demands to the brands they will have to listen.

These are just a few suggestions of what you can do, but there are many more possibilities. Sometimes the debate about sustainability may seem like an discussion exclusive to experts, but the reality is that it is not a sterile or closed concept. For sustainability to make sense to you, you must be able to apply it to the context of your own life. Reflect and think what else can you do, for sure you’ll get ideas other than the ones I just shared with you.

Sustainable fashion is not an utopian idea, it is an ideal that aims to help the planet and its inhabitants – a need on which we all agree. The simple things we do every day – like dressing – can help make a difference.


 Moda por un lado y ideales por el otro, tendré que elegir? (ES)

¿Será posible estar comprometido con valores sociales & medioambientales y a la vez amar a la moda?

Desde la perspectiva ambiental, el ciclo de consumición de recursos naturales, contaminación y creación de residuos generados por la industria de la moda es un problema grave con serios efectos en el planeta. Por el lado de la dimensión humana y social, las prendas son muchas veces manufacturadas en países en vías de desarrollo que carecen de suficientes leyes de trabajo para certificar que los trabajadores reciban salarios dignos y trabajen bajo buenas condiciones de seguridad, higiene y salud.

!Pero esto no es para desanimarse! El problema no se va a solucionar sólo y lo mejor es que todos podemos contribuir para revertirlo. Solemos pensar que nuestras decisiones no son tan importantes porque al final los grandes culpables de estas calamidades son las grandes empresas y los monstruos industriales, pero no es así… exactamente. Los gigantes de la industria tienen una gran responsabilidad, es cierto, pero nuestro papel también es muy importante.

Cada vez que consumimos estamos votando a favor de algo, diciendo al mercado que continúe, que eso es lo que queremos. De la misma manera cada vez que no compramos algo estamos demostrando que eso no nos vale, que no es lo que queremos. ¿Entonces por qué no hacerlo de acuerdo con los valores que defendemos? Vamos a consumir (o a no consumir) conscientemente, enviando el mensaje de lo que es aquello con lo que estamos de acuerdo y aquello con lo que no.

Si te gusta la moda tanto como a mi has de saber que tienes un montón de opciones no solo de usar moda de acuerdo a valores éticos sino de hacer que la moda “slow” crezca en detrimento de la “fast”. 

a. Usa lo usado: No hay duda que una de las opciones más sostenibles es usar lo que ya existe. Al comprar “vintage” o segunda mano, al intercambiar ropa con otras personas y al arreglar o rediseñar cosas que ya tenías pero que por alguna razón no servían estás “diciendo” al mercado que no es necesario producir tanto ni tan rápido. Además de esta forma puedes conseguir prendas originales al contrario de la típica camiseta de H&M que te encantó pero que ahora ves multiplicada por ahí siempre que sales a la calle. ¿Y sabes que? !Esta opción tiene el “bonus” de ser también respetuosa con tu cuenta bancaria!!

b. Desacelera: Una de las razones por la cual la nuestra relación con la moda es insostenible es por que compramos demasiado. La moda rápida alimenta el consumismo desenfrenado con precios tan bajos que no tenemos que preguntarnos si necesitamos o nos gusta realmente la cosa que vamos a comprar. Los precios bajos de la “fast fashion” parecen ser una ventaja a primera vista pero realmente son dañinos para el ambiente y para las comunidades que fabrican esas prendas. La próxima vez que te entre el ímpetu de comprar por comprar piensa en algo que realmente te haga falta, o que realmente desees. Calcula cuántas cosas baratas que comprarías en un determinado espacio de tiempo tendrás que dejar de comprar para conseguir esa cosa. Hazte una especie de “ayuno de compras” hasta que hayas juntado el valor que necesitas para comprarlo y cuando lo compres tendrás una cosa que valorarás durante bastante más tiempo, una cosa especial con valor añadido porque sabes que has consumido menos para conseguir obtener lo que realmente querías.

c. Compra a los pequeños: Las artesanías se están perdiendo y los pequeños negocios no pueden competir en precio con las producciones en masa. Comprar hecho a mano o de pequeñas producciones muchas veces significa un producto mejor, más duradero y más exclusivo. Comprar local también es una parte importante de esta opción y está generalmente a par con ella. Al comprar local no sólo estás ayudando al pequeño negocio a sobrevivir y proliferar sino que también estás reduciendo el impacto de tu consumo ya que esa compra no tuvo que ser transportada tan lejos del productor hasta ti.

d. Investiga y instiga las marcas: Cada vez hay más marcas con valores éticos y ambientales y muchas marcas que antes no lo hacían empiezan a ofrecer productos más respetuosos. En la era de la información informarse sobre qué marcas ofrecen opciones sostenibles no es tan difícil, basta con buscarlo en Google. Otra buena opción es escribir a tus marcas favoritas, si estas aún no se han abierto para las posibilidades de la sostenibilidad diles que te gustaría seguir comprando sus productos pero que para eso los materiales tienen que ser de menor impacto y las condiciones de fabricación más transparentes. Piensa que si todos los consumidores interesados comunican este tipo de demanda a las marcas ellas tendrán que escuchar.

Estas son apenas algunas sugerencias de lo que puedes hacer, pero hay muchas más posibilidades. A veces la conversación alrededor de la sostenibilidad puede parecer una discusión exclusiva para expertos pero la realidad es que no es un concepto cerrado ni estéril. Para que tenga algún sentido para ti, la sostenibilidad debe poder funcionar en el contexto de tu propia vida. Reflexiona y piensa que es lo que tu puedes hacer, seguro que te surgirán ideas además de las que comparto contigo.

La moda sostenible no es una idea utópica, es un ideal que pretende ayudar al planeta y sus habitantes – una necesidad sobre la cual todos estamos de acuerdo. Las cosas sencillas que hacemos todos los días – cómo vestirse – pueden ayudar a marcar la diferencia!

Little steps towards a better world

Pequenos passos para um mundo melhor (PT)

Pequeños pasos para un mundo mejor (ES)

Little steps towards a better world (EN)

I was still in elementary school when I first heard about recycling. The teacher explained how different materials belonged to different bins and that each one of them had a different colour. The green was for glass, the blue was for paper and cardboard, the yellow for plastic and metal and the red one for batteries. Even though most people were already recycling glass (as there were big containers to deposit glass spread throughout the neighbourhoods), the other materials were left out all together in the waste bin.

My generation was probably the first one that learned about it in school. When going home, I tried to explain to my mother that we should separate the trash. Unfortunately living in a small city didn’t give us that option because there were no recycling containers yet. Only a few years later the colourful bins started to be seen. However, there were only a few in the city and we had to drive to places in order to deposit the different materials. So we only recycled sometimes. We didn’t do our part because we had excuses: the bins were too far, we didn’t have much space in the kitchen to pile up the garbage, it would leave the house smelly or the myth that the trash would all end up mixed together at some point.

Only when I moved to Lisbon I started to separate the garbage as my condo had all the proper bins. I had no more excuses. A couple years later I moved to Germany to study. Recycling was taken very seriously over there. There were specific days of the week/ month where the different trash had to be taken outside the house so that a truck would pass by and collect them. If the separation wasn’t well done and for instance the plastic bag had non-plastic items inside, we could be charged with a fine.

Nowadays my hometown has plenty of recycling bins and in Portugal there are currently more than 43 thousand bins spread out to all cities. Slowly people in the western world started waking up for the importance of recycling, reusing and reducing. We have the infrastructures, the information, and the education, which means we shouldn’t have a single excuse not to do so.

Those who know me can testify that I avoid buying plastic at all cost, I bring my own fabric bags to the market and try to buy in bulk when possible. Currently I’m traveling in India and the reality here is very different. Buying bottles of water is something I need to on daily basis as the tap water can lack treatment and therefore is unfit for consumption. I’m not happy at all with the amount of trash I’m generating here and I still avoid plastic bags and straws for the most part. In some places is difficult to find trash bins, let alone recycling bins. The other day I bought a cake that was handed out to me in newspaper, after eating the cake I was searching for a bin and asked someone where I could find one. The answer I got was simply “you can just throw the trash on the floor because someone later will pick it up”. As much as this is not acceptable in my culture I have to be open enough to understand that things here work in another level. The streets are very dirty with all kinds of garbage, people throw waste through the car windows and I constantly step on trash. It becomes the norm after a couple weeks of travel.

I don’t have enough knowledge about the education in India as the only things I know are from asking people I’ve been meeting around. I came to know that in fact they now learn in school about recycling. Also there is a big campaign all over India called “Clean India Mission” and the logotype is Gandhi’s glasses with written “clean” and “India” in each lens to try to get people to place the garbage to where it belongs. India has a population of 1.37 Billion. New Delhi alone has around 11 million inhabitants (the same as Portugal) so I get that it might be very difficult to get everybody on the same page. Some basic needs are not even met for millions of people, let alone the concept of recycling.

In the western world we have the tools to do better, to reuse more, to buy less, to stop using plastic or at least drastically reduce its use. We sure have treated water in most places and buying a good water filter to get the purest form of water is an option. We no longer need to buy plastic bottled water, we can choose to buy the unwrapped fruits and veggies, we can buy in bulk, we can say “no” to plastic bags, straws, sanitary pads and tampons etc. We vote with our money every time we purchase an item. Alternatives are made all the time by big corporations because they will do everything and anything to make us buy their products. We cannot expect them to be the ones to stop selling bananas wrapped up in plastic. We have to take that responsibility ourselves. If they know that their consumers are not buying those bananas due to the plastic, they will take measures.

Recycling is great! But we know that some types of materials are not even recyclable, such as straws, plastic bags, coffee cups, tissues etc. So, better avoid buying it.

I’m not criticizing India by any means, in fact I’m thanking India for my first lesson. What I’m trying to say with this article is how sometimes seeing another realities makes us understand better that our own reality can make improvements too, specially when we have the power and tools to do so.

Here is a list for “zero waste” alternatives to make our lives easier: http://trashisfortossers.com/zero-waste-alternatives-ultimate-lis/

Do you do your part?

Pequenos passos para um mundo melhor (PT)

Estava ainda na escola primária quando ouvi falar de reciclagem pela primeira vez. A professora explicou como diferentes materiais pertenciam em contentores específicos e que cada um deles tinha uma cor respectiva. O verde era para o vidro, o azul para o papel e cartão, o amarelo para embalagens e finalmente o vermelho para as pilhas. Ainda que por esta altura a maior parte das pessoas já fizessem reciclagem de vidro (haviam “vidrões” espalhados pelos bairros da cidade), os outros materiais tinham todos o mesmo destino – o contentor do lixo indiferenciado.

A minha geração foi provavelmente a primeira a aprender isto na escola. Quando cheguei a casa tentei explicar à minha mãe que devíamos separar o lixo. Infelizmente viver numa cidade pequena como Évora não nos dava a opção de reciclar por não haverem ainda ecopontos. Só uns anos mais tarde é que os contentores coloridos começaram a aparecer na cidade. No entanto, os contentores eram poucos e tínhamos que ir de carro até eles para depositar os diferentes materiais. Por essa razão só reciclavamos de vez em quando. Não fazíamos a nossa parte porque tinhamos desculpas: os ecopontos estavam longe, não havia espaço suficiente na cozinha para acumular lixo, a casa ficava com mau cheiro, ou o mito de que nem valia a pena separar o lixo pois no fim das contas este acabaria todo no mesmo sítio. Só quando fui morar para Lisboa comecei de facto a fazer reciclagem.  Como no meu condomínio havia ecopontos não tinha desculpa nenhuma .

Um par de anos depois fui estudar para a Alemanha. Reciclar é algo que os alemães levam muito a sério. Haviam dias específicos da semana/ mês onde os diferentes tipos de lixo eram levados para a porta de casa para depois serem recolhidos por camiões. Se a separação do lixo não fosse bem feita e ,por exemplo, o saco do plástico contivesse algo que não fosse plástico, podíamos ter que pagar uma multa.

Hoje em dia, a minha cidade natal já tem vários ecopontos. E por todo o país estão espalhados cerca de 43 mil contentores. Devagarinho as pessoas do mundo ocidental começam a acordar para a importância da reciclagem, reutilização e redução. Temos as infra-estruturas, a informação e a educação, o que significa que não temos qualquer desculpa para não o fazer.

Aqueles que me conhecem sabem que tento evitar a todo o custo comprar itens que contenham plástico, levo os meus sacos de pano para o mercado e tento comprar a granel sempre que possível. De momento encontro-me a viajar pela Índia e a realidade deste lado é muito diferente. Comprar garrafas de água é algo que tenho de fazer diariamente, já que a água da torneira não está tratada e é imprópria para consumo. Fico triste com a quantidade de lixo que estou a gerar aqui e tento ao máximo evitar sacos de plástico e palhinhas. Em alguns lugares é difícil de encontrar contentores ou caixotes do lixo, quanto mais ecopontos. No outro dia comprei um bolo que vinha embrulhado num jornal, depois de comer o bolo não encontrei nenhum caixote para colocar o lixo e decidi perguntar a alguém o que fazer, ao que me foi respondido “podes atirar o lixo para o chão pois mais tarde alguém virá limpar-lo”. Por mais que isto não seja aceitável na minha cultura tenho que ser aberta o suficiente para perceber que as coisas aqui acontecem a um nível diferente. As ruas estão extremamente sujas com todo o tipo de lixo, as pessoas atiram coisas pelas janelas dos carros e ando constantemente a pisar lixo. Torna-se normal depois de umas semanas de viagem.

Não tenho conhecimento suficiente sobre o sistema de educação na Índia e o pouco que sei é através de perguntas que faço a pessoas que vou conhecendo. Aprendi que de facto os indianos já começam a aprender na escola sobre a importância da reciclagem. Há também uma campanha por toda a Índia, com o fim de incentivar as pessoas a colocarem o lixo nos seus devidos locais. Chama-se de “Clean India Mission” ( Missão Índia Limpa) e o logótipo são os óculos do Gandhi com as palavras “Índia” e “Limpa” em cada lente, Na índia vivem cerca de 1.37 Biliões de pessoas. Só Nova Deli tem 11 Milhões de habitantes, os mesmos que em Portugal inteiro, por isso eu entendo o quão difícil é fazer com que  tanta gente colabore para um mesmo fim. Milhões de pessoas não têm sequer acesso a algumas das necessidades básicas, é normal que não percebam a importância da reciclagem.

No mundo ocidental temos os mecanismos para melhorar, reutilizando mais, comprando menos, parando de usar plástico ou pelo menos reduzindo drasticamente o seu uso. Temos água tratada na maior parte dos sítios e podemos adquirir um bom filtro para ter água ainda mais pura. Não há necessidade de comprar garrafas de água, podemos escolher não comprar vegetais e frutas que venham embalados em plástico, podemos comprar a granel, podemos dizer “não” aos sacos de plástico, palhinhas, pensos higiénicos e tampões, etc. Votamos, com o nosso dinheiro, de cada vez que compramos um item. As grandes corporações criam alternativas a toda a hora, pois o que lhe interessa é vender e fazem tudo o que estiver ao seu alcance para que compremos os seus produtos. Não podemos esperar que sejam eles a parar de vender bananas embaladas em plástico. Temos que ser nós, consumidores, a tomar a responsabilidade de diminuir a demanda. Se eles souberem que os seus consumidores não compram aquelas bananas por causa do plástico, tomarão medidas.

Reciclar é ótimo! Mas também sabemos que alguns tipos de materiais não são recicláveis como por exemplo as palhinhas, os sacos de plástico, os copos de café, as toalhitas etc. Por isso nada melhor que evitar o seu consumo.

Não quero criticar a Índia de forma alguma, de facto agradeço ter aprendido aqui esta primeira lição. O que quero dizer com este artigo é que, às vezes, ver outras realidades faz-nos entender melhor a nossa própria realidade e podemos melhorá-la também, especialmente quando temos o poder e as ferramentas para o fazer.

Aqui vão algumas alternativas “desperdício zero”  para um mundo melhor: https://mindthetrash.pt/category/alternativas-ao-plastico/?fbclid=IwAR3ZmPm_fm6ZE_ws4zrVPL5IjsYr1Ebrn13m7y6G6CPYr0lp2IxX4X8VbVQ

E um podcast bastante esclarecedor sobre reciclagem: https://sofiadeassuncao.com/podcast-ana-milhazes/

E tu, fazes a tua parte?

Pequeños pasos para un mundo mejor (ES)

Estaba en la escuela primaria cuando oí hablar de reciclaje por primera vez. La profesora explicó cómo diferentes materiales pertenecían en contenedores específicos y que cada uno de ellos tenía un color respectivo. El verde era para el cristal, el azul para el papel y el cartón, el amarillo para los embalajes y el rojo para las pilas. Aunque la mayoría de las personas ya hacían reciclaje de vidrio (había contenedores verdes repartidos por los barrios de la ciudad), los demás materiales acababan  todos el contenedor de la basura indiferenciada.

Mi generación fue probablemente la primera en aprender esto en la escuela. Cuando llegué a casa intenté explicar a mi madre que debíamos separar la basura. Desgraciadamente vivir en una pequeña ciudad como Évora no nos daba la opción de reciclar por no haber aún puntos de recorrida. Sólo unos años más tarde, los contenedores de colores comenzaron a aparecer en la ciudad. Sin embargo, los contenedores eran pocos y teníamos que ir en coche para reciclar los diferentes materiales. Por esa razón sólo reciclabamos a veces. No hacíamos nuestra parte porque teníamos disculpas: los contenedores estaban lejos, no había suficiente espacio en la cocina para acumular basura, la casa casa olía, o el mito de que no valía la pena separar la basura pues al final todo acabaría en el mismo sitio. Sólo cuando me mudé a Lisboa empecé realmente a hacer reciclaje. Como en mi edifício (incluso en mi planta) había contenedores de recicláge, no tenía excusa alguna.

Un par de años después fui a estudiar a Alemania. Reciclar es algo que los alemanes toman muy en serio. Había días específicos de la semana para dejar  los diferentes tipos de basura en la puerta de casa, luego serían recogidos por camiones. Si la separación de la basura no estaba bien hecha y, por ejemplo, la bolsa del plástico contenía algo que no fuera plástico, podríamos tener que pagar una multa.

Hoy en día, mi ciudad natal ya tiene un buen sistema de reciclaje. Y por todo el país están repartidos cerca de 43 mil contenedores. La gente del mundo occidental empieza a despertar para la importancia del reciclaje, la reutilización y la reducción. Tenemos las infraestructuras, la información y la educación, lo que significa que no tenemos ninguna excusa para no hacerlo.

Aquellos que me conocen saben que intento evitar a toda costa comprar artículos que contengan plástico, llevo mis bolsas de tela al mercado y trato de comprar a granel siempre que posible. De momento estoy viajando por India y la realidad de este lado es muy diferente. Comprar botellas de agua es algo que tengo que hacer diariamente, ya que el agua del grifo no está tratada y es impropio para el consumo. Me siento triste con la cantidad de basura que estoy generando aquí y trato de evitar bolsas de plástico y pajitas. En algunos lugares es difícil encontrar papeleras, imagina contenedores de reciclaje. El otro día compré un pastel que venía envuelto en un periódico, después de comer el pastel no encontré ninguna papelera para tirar la basura y decidí preguntar a alguien donde que hacer, a lo que me contestaron “puedes tirar la basura al suelo, más tarde alguien vendrá a limpiarlo”. Por más que esto no sea aceptable en mi cultura, tengo que ser abierta lo suficiente para percibir que las cosas aqui suceden a un nivel diferente. Las calles están extremadamente sucias con todo tipo de basura, la gente tira cosas por las ventanas de los coches y voy pisando basura constantemente. Se hace normal después de unas semanas.

No tengo suficiente conocimiento sobre el sistema de educación en la India y lo poco que sé es a través conversaciones con personas que voy conociendo. Aprendí que, de hecho, los indios ya aprenden sobre la importancia del reciclaje en la escuela . Hay también una campaña por toda la India, con el fin de alentar a las personas a colocar la basura en sus debidos lugares. Se llama “Clean India Mission” y el logotipo son las gafas de Gandhi con las palabras “India” y “Limpia” en cada lente. En la India viven alrededor de 1.37 millones de personas, Nueva Delhi tiene 11 millones de habitantes, lo misma cantidad que Portugal entero, por lo que entiendo lo difícil que es hacer que tantas personas colaboren en algo. Millones de personas no tienen siquiera acceso a algunas de las necesidades básicas, es normal que no perciban la importancia del reciclaje.

En el mundo occidental tenemos los mecanismos para mejorar, reutilizando más, comprando menos, dejando de usar plástico o al menos reduciendo drásticamente su uso. Tenemos agua tratada en la mayoría de los sitios y podemos adquirir un buen filtro para tener agua aún más pura. No hay necesidad de comprar botellas de agua, podemos elegir no comprar vegetales y frutas que vengan envasados ​​en plástico, podemos comprar a granel, podemos decir “no” a las bolsas de plástico, pajitas, compresas y tampones, etc. Votamos, con nuestro dinero, cada vez que compramos un artículo. Las grandes corporaciones crean alternativas porque les interesa vender y hacen todo lo que esté a su alcance para que compremos sus productos. No podemos esperar que sean ellos a dejar de vender plátanos envasados ​​en plástico. Tenemos que ser nosotr@s, l@s consumidor@s, a tomar la responsabilidad de disminuir la demanda. Si ellos saben que sus consumidores no compran esos plátanos a causa del plástico, tomarán medidas.

¡Reciclar es genial! Pero también sabemos que algunos tipos de materiales no son reciclables, como por ejemplo las pajitas, las bolsas de plástico, los vasos de café descartables, las toallitas, etc. Por eso nada mejor que evitar su consumo.

No quiero criticar a la India de ninguna manera, de hecho agradezco haber aprendido aquí esta primera lección. Lo que quiero decir con este artículo es que a veces ver otras realidades nos hace entender mejor nuestra propia realidad y podemos mejorarla también, especialmente cuando tenemos el poder y las herramientas para hacerlo.

Aquí está una lista de productos “sin desperdicio” alternativos para simplificar un poco nuestras vidas: http://orgranico.com/recopilatorio-11-alternativas-zero-waste/

Y tú, haces tu parte?

Buen Camino!

Buen Camino! (PT)

Buen Camino! (ES)

Buen Camino! (EN)

Some years ago I went on a family trip to the north of Portugal and Galicia (Spain). When getting to Santiago de Compostela I started to see all of these people with backpacks and hiking poles that were walking the “Camino de Santiago”. Nico and I agreed that one day we would do it together. Although it seemed to me something very difficult and that we would need months of preparation and a strong will to do so. Therefore, I imagined it happening only when I was fit enough to be up for the challenge.

Little did we know that three years later we would be finally walking the Camino. Funny enough, I was actually in a very bad shape, after one year of studying and working in Vancouver that had left me drained, overweight and with some vitamins and minerals deficiencies. I knew this would be definitely a challenge.

Nico programmed most of the trip. She had researched where we were staying, how many kilometers we were walking per day and all the logistics. We started in Sarria, which meant that we would have to walk around 110 km in five days. We came up with a plan to wake up quite early (around 7am), walk for about two hours, take a break for the breakfast, keep walking until we reached the destination for the day, go to the hostel to take a shower and drop the backpacks, go to a restaurant to have a late lunch and chill out the entire afternoon in a park. Our bags were not heavy but every kilogram counts when you are hiking for so many hours up and down hills. You can feel that extra liter in the water bottle you carry. 

The first day was quite easy and fun. We encountered countless people along the way wishing a “buen camino” (translates for “have a good walk”), all kinds of people from all over the world, in all different age groups, some in better shape than others. Some were doing it for the first time, just like we were, others had been walking the Camino every year for several years. Some had just started the walk, others were walking for almost one month. Some did it as a physical exercise, others for spiritual reasons or even just for the adventure. Some were alone, others came in groups.

The following days got a bit tougher and harder due to the muscle pain from walking so many kilometers. Sometimes it was really painful to start walking again after having a small break. At some point I lost count of how many people were full of bruises and blisters and I could almost feel their pain just by looking at the way they were walking. Luckily Nico and I didn’t have any feet problems as we were wearing barefoot shoes (Barefoot) but we had other aches and pains in our legs and backs.

To me, doing the Camino is not just about overcoming the physical struggles but above all the mental obstacles we face along the way. Even though Nico and I decided to do this together, it didn’t mean we had to walk together. In fact, for the most part we decided to split and walk with our own individual pace. That meant being alone with our own minds and thoughts for hours on end. There were some things I learned from this experience and would like to share:

Every body has a different rhythm. Some people were supper fit, overtaking everyone they would pass through, others on the other hand, were walking in an extremely slow pace as they probably had some physical issues. However, all of them got to Santiago (the final destination) at some point. The exact same happens in our day to day life. If there’s a goal we want to achieve, we can start walking towards that goal in a pace we feel comfortable to do so. We will eventually get there sooner rather than later.

The physical struggles we encounter by walking endless meters are surpassed minute-by-minute, hour-by-hour, day-by-day. Meaning that it is more about our mental strength than being in a good shape. If I could walk in pain, with hunger and a heating sun over my head, than I guess I can face daily routine problems as well. Transforming those struggles in victories.

Carrying a small backpack along the way, with just the necessary items, made me understand of how little we can live with. I used the same t-shirt and leggings during those five days and even though they were dirty and dusty most of the time (I only washed them once), I didn’t feel the need for more clothing items. The remaining carried weight was due to water, fruit and snacks I carried around to give me fuel to keep me going. In our day-to-day life we carry way to many concerns, beliefs and struggles that we don’t need as well. If we only take the essential, we end up living with those things that are really meaningful and important to us.

After walking for so long during the first part of the day, we made sure we would have our well-deserved rest for the second part of the day. We chilled in parks, did some stretching, played cards and had long conversations. Which made me think of how in our busy lives we often don’t get to spend quality time with those we love and doing the things we enjoy. Rest and quality time are crucial to keep a healthy and sane lifestyle.

Most of the Camino has amazing pathways in such a diverse nature: mountains, plains, grass fields, plantations, streams, old villages and ruins. In order to hike up and down hill you need to be present, otherwise you can stumble on a rock or step on cow manure. Just like in our daily routine, if you are not present in every moment you can make mistakes, get ill or hurt and eventually be in “shitty” situations ☺.

In order to learn something, we need to put ourselves out there, outside our comfort zone. There’s where growth takes place.

I truly advise everybody to do something like this. You don’t need to walk for five days in a row, just getting out there in nature, carrying your own belonging along the way (to really see how little you need) and most important be present with yourself and your own thoughts.

I can’t wait to do it again soon!

Buen Camino! (PT)
Há alguns anos fiz uma viagem com a família ao norte de Portugal e Galiza (Espanha). Quando chegámos a Santiago de Compostela comecei a ver imensos mochileiros com bastões que tinham feito o “Caminho de Santiago”. A Nico e eu acordámos que um dia o faríamos juntas. No entanto pareceu-me a mim algo muito difícil e que precisaríamos de meses de preparação física e muita força de vontade para o fazermos. Desse modo, imaginei fazê-lo só quando tivesse em forma suficiente para este desafio.

Mal sabia eu que três anos mais tarde estaríamos nós a fazer o Camino. O mais engraçado é que eu estava em péssima forma física, depois de um ano a trabalhar e estudar em Vancouver que me deixou esgotada, com algum peso a mais e com várias deficiências a nível nutricional. Sabia que isto seria de facto um grande desafio.

A Nico programou a maior parte da viagem. Pesquisou onde ficaríamos a dormir, quantos quilómetros faríamos por dia e todas as outras questões de logística. Começámos em Sarria, o que significava termos de percorrer cerca de 110 km em cinco dias. Fizemos um plano e decidimos acordar cedo (por volta das 7h00), andar por cerca de duas horas, fazer uma pausa para o pequeno-almoço, continuar a caminhada até chegar ao destino desse dia, ir ao hostel para tomar banho e deixar as mochilas, escolher um restaurante para almoçarmos e relaxar o resto do dia num parque. As nossas malas não estavam pesadas mas todos os quilos contam quando estás a caminhar por tantas horas com subidas e descidas. Um litro a mais ou a menos na garrafa de água fazia-se logo notar.

O primeiro dia foi relativamente fácil e divertido. Passámos por várias pessoas que nos iam desejando “buen camino”, todo o tipo de pessoas de todas as partes do mundo, de todas as faixas etárias, alguns em melhor forma que outros. Umas estavam a fazê-lo pela primeira vez, tal como nós, outros faziam o Caminho todos os anos. Umas tinham começado o Caminho há pouco tempo, outras já caminhavam há quase um mês. Umas faziam-no como forma de exercício físico, outras por razões espirituais e havia quem quisesse apenas ter a experiência daquela aventura. Umas estavam sozinhas, outras vinham em grupos.

Os dias que se seguiram tornaram-se um pouco mais duros e difíceis devido às dores nos músculos por andar tantos quilómetros. Às vezes era muito doloroso voltar a mexer as pernas depois de uma curta pausa. A certa altura perdi conta às pessoas, pelas quais passava, que estavam cheias de feridas ou bolhas nos pés e eu quase conseguia sentir as suas dores só de olhar para a forma como elas caminhavam. Felizmente a Nico e eu não tivemos esse tipo de problemas nos pés porque andámos com sapatos “barefoot” (Descalç@), mas tínhamos outras dores e mazelas nas pernas e costas.

Para mim, fazer o Caminho não é apenas uma questão de ultrapassar as dificuldades a nível físico mas, mais que tudo, os obstáculos mentais que enfrentamos a cada passo. Ainda que a Nico e eu tenhamos decidido fazê-lo juntas, não significava que teríamos de caminhar juntas. Na verdade, a maior parte do tempo andávamos separadas, cada uma no seu ritmo. Isso fez com que estivéssemos sozinhas com as nossas mentes e pensamentos por horas a fio. Houveram algumas coisas que aprendi com esta experiência e gostava de partilhar:

Cada corpo tem um ritmo diferente. Algumas pessoas estavam em ótima forma e iam ultrapassando toda a gente pelo caminho, outras por outro lado caminhavam num passo lentíssimo, talvez por sofrerem de algum problema motor. No entanto, todas essas pessoas chegaram a Santiago (o destino final) a seu tempo. O mesmo acontece nas nossas vidas. Se há algum objectivo que queremos atingir, podemos começar a andar na sua direção num passo que seja confortável para nós. Eventualmente chegaremos lá, mais cedo ou mais tarde.

Os problemas a nível físico que encontramos ao caminharmos quilometros que parecem não ter fim, vão sendo ultrapassados minuto a minuto, hora a hora, dia a dia. O que significa que a nossa força de vontade é mais importante do que a nossa forma física. Se eu consegui andar suportando dores, fome e o sol quente a bater na cabeça, então também consigo enfrentar problemas da rotina diária. Transformando essas dificuldades em vitórias.

Carregar uma mochila pequena pelo caminho, com apenas os itens necessários, fez-me perceber que necessitamos de muito pouco pra viver. Usei a mesma t-shirt e leggings durante aqueles cinco dias e mesmo que tivessem alguma sujidade e pó a maior parte das vezes (só as lavei uma vez), não senti necessidade de ter mais roupa. O restante peso era devido à água, fruta e snacks que carregava para me darem energia e assim conseguir prosseguir na caminhada. No nosso dia-a-dia carregamos demasiados problemas, crenças e dificuldades dos quais também não precisamos. Se só levarmos o essencial, acabamos por viver com aquelas coisas que são realmente importantes e relevantes para nós.

Depois de caminharmos por tanto tempo na primeira parte do dia, fizemos questão de garantir o tão merecido descanso na segunda metade. Relaxámos-nos em parques, fizemos alongamentos, jogámos às cartas e tivemos longas conversas. O que me fez pensar que nos nossos dias tão ocupados acabamos por não passar tempo de qualidade com aqueles que amamos nem a fazer aquilo que gostamos. Descanso e tempo de qualidade é essencial para manter um estilo de vida saudável.

A maior parte do Caminho tem paisagens maravilhosas e muita diversidade natural: montanhas, planícies, campos de erva, plantações, riachos, vilas antigas e ruínas. Para descer e subir tantas colinas é preciso caminhar com consciência e estar presentes no momento, de outra forma corremos o risco de tropeçar numa pedra ou pisar esterco de vaca. Assim como na nossa rotina diária, se não estivermos presentes no momento podemos cometer erros, ficar doentes e eventualmente acabar em situações de merda☺.

Para que consigamos aprender alguma coisa, temos que nos colocar fora da nossa zona de conforto. É aí que o crescimento pessoal acontece.

Eu aconselho vivamente a toda a gente fazer algo deste género. Não é necessário andar por cinco dia seguidos, basta passar algum tempo na natureza apenas carregando o essencial, e o mais importante é estar presente no momento e consciente dos próprios pensamentos.

Mal posso esperar por fazê-lo novamente!

Buen Camino! (ES)

Hace unos años hice un viaje con la familia al norte de Portugal y Galicia. Cuando llegamos a Santiago de Compostela empecé a ver muchos mochileros con bastones que habían hecho el “Camino de Santiago”. Nico y yo nos comprometemos a que un día lo haríamos juntas. Sin embargo, me pareció algo muy difícil y que necesitaríamos meses de preparación física y mucha fuerza de voluntad para hacerlo. De ese modo, pensé hacerlo sólo cuando estuviera en forma lo suficiente para este desafío.

Mal sabía que tres años más tarde estaríamos haciendo el Camino. Lo más gracioso es que yo estaba en pésima forma física, después de un año trabajando y estudiando en Vancouver que me dejó agotada, con algún sobrepeso y con varias deficiencias a nivel nutricional. Sabía que sería realmente un gran desafío.

Nico ha programó la mayor parte del viaje. Planeó dónde dormíamos, cuántos kilómetros haríamos al día y todas las demás cuestiones de logística. Comenzamos en Sarria, lo que significaba que iríamos a recorrer unos 110 km en cinco días. Hicimos un plan y decidimos despertar temprano (alrededor de las 7:00), caminar cerca de dos horas, hacer una pausa para desayunar, continuar la caminata hasta llegar al destino de ese día, ir al hostel para bañarnos y dejar las mochilas, elegir un restaurante para comer y relajar el resto del día en el césped de un parque. Nuestras mochilas no estaban pesadas pero todos los kilos cuentan cuando estás caminando por tantas horas con subidas y bajadas. Un litro más o menos en la botella de agua se hacía notar.

El primer día fue relativamente fácil y divertido. Pasamos por varias personas que nos iban deseando “buen camino”, todo tipo de personas de todas partes del mundo, de todas las edades, algunos en mejor forma que otros. Unas estaban haciéndolo por primera vez, al igual que nosotras, otras hacían el Camino todos los años. Unas habían comenzado el Camino hace poco, otras ya caminaban hacia casi un mes. Unas lo hacían como forma de ejercicio físico, otras por razones espirituales y había quien quisiera apenas tener la experiencia de aquella aventura. Unas estaban solas, otras venían en grupos.

Los días que siguieron fueron un poco más duros y difíciles debido a los dolores musculares por caminar tantos kilómetros. A veces era muy doloroso volver a mover las piernas después de una corta pausa. A cierta altura perdí cuenta a las personas, por las que pasaba, que estaban llenas de heridas o ampollas en los pies. Yo casi conseguía sentir sus dolores sólo de mirar la forma en que ellas caminaban. Afortunadamente a Nico y yo no tuvimos ese tipo de problemas en los pies porque caminamos con zapatos “barefoot” (Descalz@), pero teníamos otros dolores y molestias en las piernas y en la espalda.

Para mí, hacer el Camino no es sólo una cuestión de superar las dificultades a nivel físico sino, más que todo, los obstáculos mentales que enfrentamos a cada paso. Aunque Nico y yo hemos decidido hacerlo juntas, no significaba que tendríamos que caminar juntas todo el rato. En realidad, la mayor parte del tiempo caminábamos separados, cada una a su ritmo. Esto hizo que estuviéramos solas con nuestras mentes y pensamientos por muchas horas. Hubo algunas cosas que aprendí de esta experiencia y me gustaría compartirlo:

Cada cuerpo tiene un ritmo diferente. Algunas personas están en gran forma y se adelantan a todo el mundo, otras caminan en un paso lentísimo, quizás por sufrir algún problema motor. Sin embargo, todas esas personas llegan a Santiago (el destino final) a su tiempo. Lo mismo sucede en nuestras vidas. Si hay algún objetivo que queremos alcanzar, podemos empezar a caminar en su dirección en un paso que sea cómodo para nosotr@s. Finalmente llegaremos allí, tarde o temprano.

Los problemas a nivel físico que encontramos al caminar muchos kilómetros, van siendo superados a cada minuto, a cada hora, a cada día. Lo que significa que nuestra fuerza de voluntad es más importante que nuestra forma física. Si yo puedo caminar soportando dolores, hambre y el sol caliente sobre mi cabeza, entonces pienso que también consigo enfrentar problemas de la rutina diaria. Transformando esas dificultades en victorias.

Cargar una mochila pequeña por el camino, con sólo los elementos necesarios, me hizo percibir que necesitamos de poco para vivir. He utilizado la misma camiseta y leggings durante esos cinco días y aunque tuvieron alguna suciedad y polvo la mayor parte de las veces (sólo las lavé una vez), no sentía necesidad de tener más ropa. El resto del peso era debido al agua, fruta y snacks que cargaba para darme energía y así conseguir proseguir en la caminata. En nuestro día a día cargamos demasiados problemas, creencias y dificultades de los que tampoco necesitamos. Si sólo llevamos lo esencial, acabamos por vivir con aquellas cosas que son realmente importantes y relevantes para nosotros.

Después de caminar por tanto tiempo en la primera parte del día, hicimos cuestión de garantizar el tan merecido descanso en la segunda mitad. Nos relajamos en parques, hicimos estiramientos, jugamos a las cartas y tuvimos largas conversaciones. Lo que me hizo pensar que en nuestros días tan ocupados acabamos por no pasar tiempo de calidad con aquellos que amamos ni a hacer lo que nos gusta. El descanso y el tiempo de calidad son esenciales para mantener un estilo de vida saludable.

La mayor parte del Camino tiene paisajes maravillosos y mucha diversidad natural: montañas, llanuras, campos de hierba, plantaciones, arroyos, villas antiguas y ruinas. Para bajar y subir tantas colinas hay que caminar con conciencia y estar presentes en el momento, de otra forma corres el riesgo de tropezar en una piedra o pisar estiércol de vaca. Así como en nuestra rutina diaria, si no estamos presentes en el momento podemos cometer errores, ponernos enfermos y eventualmente acabar en situaciones de mierda ☺.

Para que podamos aprender algo, tenemos que colocarnos fuera de nuestra zona de confort. Es ahí donde ocurre el crecimiento personal.

Yo aconsejo vivamente a todo el mundo hacer algo de este género. No es necesario caminar por cinco días seguidos, basta pasar algún tiempo en la naturaleza apenas cargando lo esencial, y lo más importante es estar presente en el momento y consciente de los propios pensamientos.

No puedo esperar para hacerlo de nuevo!

My problem with money

O meu problema com o dinheiro (PT)

Mi problema con el dinero (ES)

My problem with money (EN)

Since I can remember, my relationship with money has ben rather odd.

Growing up I never felt I was missing on something in regards to material things. However, when asking for toys or random things in the supermarket, I do recall my mother saying “no” multiple times to both my sister Nico and I. I think I ended up understanding that there were priorities on which to spend the money.

When my mother was to receive her vacation allowance, as it was an extra, she would spend it on our summer vacation or to buy us clothes for the upcoming season. I never felt like she was short on money, despite supporting the three of us, in fact I think she was always saving.

We also grew up not fully understanding how much goods| property| income the other family members (from both family sides) had. It wasn’t our business nor our money so it wouldn’t matter to us.

I remember my grandmother making us outfits in her sewing machine or mend our clothes quite often. Actually she would do the same for the entire family. Which means that our clothes would “stretch” until not being wearable anymore.

Our food was homemade and many of the vegetables and some fruits would come from my grandparent’s backyard. We would occasionally go to restaurants if we wanted a specific food like chinese or pizza. That would happen maybe twice a month.

This to say that life was “normal”, we had enough but not too much.

I understood, since early age, the meaning of saving (not just by my mother’s example) because I had my own bank account and savings by the age of eight. All the cash I would receive from my family as a present, either on Christmas or birthdays, or from my father’s monthly pocket money would go into that account. It would be also my decision weather to spend that money or keep saving it to buy something more expensive. I could update my account booklet in the bank counter to see the progress of my savings. I must say that I rarely spent that money, as nothing seemed to convince me to see my savings downsize. My mother would call me a “tight-fisted” girl just to make fun of me and relativize my clinging to money.

Asking for money to my parents was something that I would avoid at all cost. I would instead just manage it the best I could so I wouldn’t need to say the words “I need some money”.

Administer my money is something I can be proud of as I have always done it very well. There are many things on where to spend our money and we just have to put them in order of priorities. We can all have the money for something we want to purchase if we put some effort on it. For instance: if I want to buy a laptop, go to the movies, buy new clothes, buy some groceries, go to the hairdresser, pay the house rent and go to a restaurant, then some things have to be compromised in order for my goal to be achieved. From this list, if buying a laptop is my goal, then I can skip the movies, the restaurant, the clothes and the hairdresser. Those are things that accumulated can save up some money towards the goal. However, buying groceries and paying the rent are priorities above my goal because those are basic necessities. If the laptop is to be bought in a long term, maybe going to the restaurant won’t do much “harm”, but instead of spending a lot, I can cut the drinks and reduce my bill just as an example.

Some years ago I got my degree in design, which made me capable of working with new software and develop graphic design content. Most recently, I got my certificate in Holistic Nutrition, which allows me to create protocols so that I can help people with their diseases and health issues.

What does this have to do with money? Well fact is, as I said above, my relationship with money has always been odd and still is. I can perhaps be able to save a lot of money and manage my priorities really well but there’s something I deeply struggle with.

I can count, with the fingers of one hand, how many times I’ve charged for any of my services in those two areas. My inability to ask for money, now as a payment for my services, remains pretty much the same.

Is it my time that I don’t value enough?  Is it my nature to help people, that prevents me from charging them? Is it because I do what I like and therefore I don’t think is worth anything? Do I still believe deeply that work has to be hard, difficult and boring in order to be rewarded? Is it because I think it’s rude to ask for a payment? Is it because I always think about other people’s own struggles with finances and don’t want to put more pressure on them?

Is this a general issue to freelancers out there?

One thing I know for sure, I’m the only one that is affected in the end of the day.

Not valuing our time = not valuing our capacities = not valuing ourselves

I am willing to change that! I need to change that!

Any tips are welcome ☺

O meu problema com o dinheiro (PT)

Desde que me lembro, a minha relação com o dinheiro tem sido sempre meio estranha.

Durante a minha infância nunca senti falta de nada a nível material. No entanto, quando a minha irmã Nico ou eu pediamos brinquedos ou quaisquer outras coisas no supermercado, lembro-me de recebermos um “não” várias vezes. Acho que acabei por perceber, mais cedo ou mais tarde, que haviam prioridades nas quais gastar o dinheiro.

Quando a minha mãe recebia o seu subsídio de férias, por ser um extra, era atribuído a despesas de férias de Verão ou para comprarmos roupa para a estação seguinte. Nunca senti que o dinheiro lhe faltasse, ainda que tivesse que suportar-nos às três, de facto penso que ela conseguia sempre poupar.

Nós também crescemos sem perceber a quantidade de bens | propriedades | salário dos outros membros da família (dos dois lados). Não nos dizia respeito nem era o nosso dinheiro e por isso não era do nosso interesse.

Lembro-me das roupas que a minha avó materna nos fazia frequentemente na sua máquina de costura e dos remendos e ajustes feitos às roupas que iam deixando de servir. O que significava que  a vida útil da nossa roupa “esticava” até ao máximo.

As nossas refeições eram principalmente feitas em casa, com comida caseira e muitos dos vegetais e algumas das frutas vinham do quintal dos nossos avós. Por vezes íamos comer a restaurantes quando havia apetite para comida diferente como a chinesa ou pizza. Isso acontecia um par de vezes por mês.

Isto para dizer que a vida era “normal”, tínhamos o suficiente e não demasiado.

Percebi, desde tenra idade, o significado de juntar dinheiro (não só pelo exemplo da minha mãe) porque tive a minhas próprias contas à ordem e poupança desde os oito anos. Todo o dinheiro que membros da família me ofereciam, pelo Natal ou em aniversários, ou a mesada que o meu pai me dava, ia logo para a conta poupança. Era também decisão minha se/ onde queria gastar esse dinheiro.

Podia atualizar o meu boletim de contas no balcão do banco para ver o progresso das minhas poupanças. Devo dizer que raramente gastava esse dinheiro já que nada me convencia a ver diminuir os valores na conta. A minha mãe costumava chamar-me “mãos de vaca” na brincadeira, para relativizar o meu apego ao dinheiro.

Pedir dinheiro aos meus pais era algo que evitava a todo o custo. Em vez disso geria o que tinha da melhor forma que sabia só para não ter que pronunciar as palavras “preciso de dinheiro”.

Administrar bem o meu dinheiro é algo de que me posso orgulhar. Há várias coisas onde podemos gastar o nosso dinheiro e só as temos que meter por ordem de prioridades. Todos nós conseguimos ter dinheiro para comprar se nos empenharmos. Por exemplo: se eu quiser comprar um computador, ir ao cinema, comprar roupa, comprar comida, ir ao cabeleireiro, pagar a renda da casa e ir ao restaurante, então há coisas que tem que ser comprometidas para que o meu objectivo seja cumprido. Desta lista, se comprar um computador é o meu objetivo principal, então posso deixar de lado a ida ao cinema e ao restaurante, comprar roupa e ir ao cabeleireiro. Todas essas coisas acumuladas podem ajudar a economizar algum dinheiro para poder comprar o computador. Por outro lado, comprar comida e pagar a renda da casa são prioridades que estão acima desse objectivo porque são necessidades básicas. Se não houver urgência para comprar o computador, talvez não tenha que abrir mão de todas as idas ao restaurante, mas posso sempre cortar nas bebidas para reduzir a conta.

Há alguns anos atrás, tirei uma licenciatura em Design, a qual capacitou para  criar conteúdo de design gráfico depois de aprender a desenvolver projetos e a trabalhar com certos programas de computador. Mais recentemente, tirei um curso em Nutrição Holística, a qual me permite criar protocolos com o fim de ajudar pessoas com as suas doenças e problemas de saúde.

O que é que isto tem a ver com dinheiro? Bem, a verdade é que assim como disse acima, a minha relação com o dinheiro foi sempre estranha e ainda o é. Eu posso ter a capacidade de poupar muito dinheiro e gerir as minhas prioridades da melhor forma mas há uma outra coisa com a qual não sei lidar.

Posso contar pelos dedos de uma mão quantas foram as vezes que cobrei por algum dos meus serviços nessas duas áreas. A minha incompetência para pedir dinheiro, agora como pagamento dos meus serviços, permanece a mesma.

Será que não valorizo suficientemente o meu tempo? Será que é a minha natureza para ajudar os outros o que me impede de cobrar? Será que é por fazer aquilo gosto que não sinto que deva ser valorizado? Será que no fundo ainda acredito que o trabalho tem que ser duro, difícil e aborrecido para que seja recompensado? Será que é por achar que estou a ser indelicada por cobrar? Será que, por ter consciência dos problemas de finanças que os outros tem, não quero pôr ainda mais pressão neles? Será que este é um problema geral de todos os freelancers?

Há uma coisa da qual estou bastante segura: eu sou a única pessoa que fica afectada no fim de contas.

Não valorizar o nosso tempo = não valorizar as nossas capacidades = não nos valorizarmos a nós mesm@s

Eu estou pronta para mudar isso! Eu preciso de mudar isso!

Qualquer dica é bem-vinda 🙂

 

Mi problema con el dinero (ES)

Desde que recuerdo, mi relación con el dinero ha sido siempre un poco rara.

Durante mi infancia nunca sentía falta de nada al nivel material. Sin embargo, cuando mi hermana Nico o yo pedimos juguetes o cualquier otra cosa en el supermercado, recuerdo que varias veces “no” era la respuesta.. Creo que acabé percibiendo, tarde o temprano, que había prioridades en las que gastar el dinero.

Cuando mi madre recibía su subsidio de vacaciones, por ser un extra, se le asignaban a los gastos de las vacaciones de verano o se usaba para comprar ropa para la siguiente estación. Nunca sentí que le faltaba dinero a mi madre, aunque tuviera que soportar a las tres, de hecho pienso que ella siempre acababa ahorrando.

También crecemos sin darnos cuenta de la cantidad de bienes | propiedades | salario de los demás miembros de la familia (de los dos lados). No era nuestro dinero y por eso no era de nuestro interés.

Recuerdo los remiendos y modificaciones que mi abuela materna hacía en las ropas que se estropean o dejaban de servir, y de las ropas nuevas que nos hacía en su máquina de coser. En realidad hacía lo mismo para toda la familia. Lo que significaba que la vida útil de nuestra ropa “se estiraba” hasta el máximo.

Nuestras comidas se hacían sobretodo en casa, con comida casera y muchos de los vegetales y algunas de las frutas venían del huerto de nuestros abuelos. A veces íbamos a comer a restaurantes cuando habian ganas de comida diferente como chino o la pizza. Esto sucedía un par de veces al mes.

Esto para decir que la vida era “normal”, teníamos suficiente y no demasiado.

He percibido, desde temprana edad, el significado de juntar dinero (no sólo por el ejemplo de mi madre) porque tuve mis propia cuenta bancaria de  ahorro a los ocho años. Todo el dinero que los miembros de la familia me regalaban, por Navidad o en mis cumpleaños, o la mesada que mi padre me daba, iba luego a la cuenta de ahorros. Era también decisión mía si / donde quería gastar ese dinero.

Podía actualizar mi boletín de cuentas en el mostrador del banco para ver el progreso de mis ahorros. Debo decir que rara vez gastaba ese dinero ya que nada me convencía de ver disminuir los valores en la cuenta. Mi madre solía, de broma, llamarme “manos de vaca”, para relativizar mi apego al dinero.

Pedir dinero a mis padres era algo que evitaba a toda costa. En vez de eso manejaba lo que tenía de la mejor forma que sabía, sólo para no tener que pronunciar las palabras “necesito dinero”.

Administrar bien mi dinero es algo de lo que estoy  orgullosa. Hay varias cosas donde podemos gastar nuestro dinero y sólo las tenemos que ordenar conforme nuestras prioridades. Todos podemos tener dinero para comprar lo que realmente nos hace falta si nos empeñamos. Por ejemplo: si quiero comprar un ordenador, ir al cine, comprar ropa, comprar comida, ir a la peluquería, pagar el alquiler del piso e ir al restaurante, entonces hay cosas que tienen que ser comprometidas para que mi objetivo sea cumplido. De esta lista, si comprar una computadora es mi objetivo principal, entonces puedo dejar de lado la ida al cine y al restaurante, comprar ropa e ir a la peluquería. Todas estas cosas acumuladas pueden ayudar a ahorrar algo de dinero para poder comprar el ordenador. Por otro lado, comprar comida y pagar el alquiler son prioridades que están por encima de ese objetivo porque son necesidades básicas. Si no hay urgencia para comprar el ordenador, quizás no tenga que renunciar a todas las idas al restaurante, pero puedo cortar en las bebidas para reducir la cuenta.

Hace algunos años, saqué una licenciatura en Diseño, la cual me permite crear contenido de diseño gráfico, después de aprender a desarrollar proyectos y trabajar con ciertos programas. Recientemente, hice un curso en Nutrición Holística, el cual me permite crear protocolos con el fin de ayudar a las personas con sus enfermedades y problemas de salud.

¿Qué tiene que ver esto con el dinero? Bueno, la verdad es que así como dije arriba, mi relación con el dinero siempre fue rara y aún lo es. Puedo tener la capacidad de ahorrar mucho dinero y gestionar mis prioridades de la mejor manera, pero hay otra cosa que no se me da tan bien.

Puedo contar por los dedos de una mano cuántas veces he cobrado por alguno de mis servicios en esas dos áreas. Mi incompetencia para pedir dinero, ahora como pago de mis servicios, sigue siendo la misma.

¿Será que no valoro suficientemente mi tiempo? ¿Será que es mi naturaleza ayudar a los demás y eso me impide de cobrar? ¿Será por hacer las cosas con gusto que siento que no deba ser valorado mi trabajo? ¿En el fondo todavía creo que el trabajo tiene que ser duro, difícil y aburrido para que sea recompensado? ¿Es por creer que estoy siendo indelicada por cobrar? ¿Será que, por tener conciencia de los problemas financieros de los demás, no quiero poner aún más presión en ellos? ¿Es éste un problema general de todos los freelancers?

Hay una cosa que tengo bastante clara: yo soy la única persona que se ve afectada al final de cuentas.

No valorar nuestro tiempo = no valorar nuestras capacidades = no valorizarnos a nosotr@s mism@s

¡Estoy lista para cambiar eso! ¡Necesito cambiar eso!

Cualquier consejo es bienvenido 🙂

A fair amount of clothes

A fair amount of clothes (EN)

La ropa necesaria (ES)

A roupa necessária (PT)

Quando estava a viajar no Sudeste Asiático, carreguei com a mesma mochila durante aqueles cinco meses. A mochila não era enorme mas tinha a roupa necessária, suficiente para umas duas semanas. No entanto, estava preparada com roupas para diferentes estações, já que decidia a cada semana qual era o próximo destino. Na semana seguinte o destino poderia levar-me aos Himalaias, onde estava a nevar, e queria estar preparada para uma dessas situações.

Se bem me lembro, levava comigo cerca de trinta peças de roupa (incluindo roupa interior) para a viagem inteira, que poderia durar até um ano.

Trinta itens de roupa pode parecer muito, mas de facto não era assim tanto, quando comparado com a quantidade de roupas que eu tinha deixado em casa.

Até aqui, eu era uma pessoa um pouco consumista e comprava roupas com alguma frequência. Sempre senti a necessidade de comprar outra peça como se me faltasse algo no guarda-fatos. Navegava em sites de roupa online e entrava em lojas quase todas as semanas. Os saldos… esses não os perdia por nada pois poderia encontrar “achados” a um bom preço. Ocasionalmente dava uma vista de olhos por lojas de segunda mão com roupas “vintage” mas acabava por sair de “mãos a abanar”. Por alguma razão, achava estranho ter roupas usadas que já tinham pertencido a alguém em outros tempos.

Durante a viagem, carregar com a mochila às costas fez me decidir manter o mesmo número de peças de roupa, para não ter de transportar mais peso. De cada vez que comprava um item (o que era raro), tinha de me desfazer de outro. Isso fez com que as minhas decisões fossem mais ponderadas e conscientes.

Com esta viagem aprendi uma lição especial, para além de outras tantas, relacionada com os bens materiais. Aprendi que até então acumulava demasiada roupa nos armários e gavetas. Peças essas das quais só me desfazia quando não cabiam mais nas arrumações lá de casa.

Qual é a necessidade de acumular tanta roupa?

Algumas peças ter um significado especial, outras podem voltar a servir um dia e outras são tão únicas que só as usamos “quando o rei faz anos”. Comprar roupa nova em cada estação torna-se num hábito, pois aquelas que temos já não estão na moda ou já não são do nosso gosto..

Se consegui viver cinco meses com as mesmas roupas, será que precisava mesmo das outras que havia deixado de fora?

Olhando para trás, consigo agora analisar como eu pensava relativamente à roupa e outros bens materiais. Acreditava que vestir repetidamente as mesmas roupas significava desleixo, baixa auto-estima, baixo poder de compra, pouca criatividade, não ter estilo próprio, insegurança… e a lista podia continuar. Essa forma de pensar era totalmente inconsciente porque eu nunca me tinha parado a pensar sobre isso…

Comprar roupa era algo que me trazia alegria de alguma forma. Vestir roupa nova num evento especial fazia-me sentir bem.

Sei agora que essas convicções são exatamente aquilo que as grandes marcas e empresas de moda querem que nós tenhamos. Elas tem sucesso por venderem a pessoas que pensam dessa forma.

E depois? Bem, assim que percebermos onde está a rasteira, podemos evitar cair na armadilha.

“Destralhar” é o próximo passo. Tens alguma coisa guardada nos teus armários que só manténs porque talvez um dia possas voltar a gostar ou porque pode vir a dar jeito? Talvez seja hora de dar uma nova casa a esses pertences. A doação é uma ótima opção pois outra pessoa pode querer realmente usar aquilo que tu já não usas.  

Ainda não consegui encontrar o equilíbrio perfeito no que toca aos bens materiais – comprar, manter, desfazer-me deles – mas estou a tentar o meu melhor para tomar melhores decisões quando o assunto é comprar roupa:

  • Evito a todo o custo comprar a grandes marcas com produção “made in” Bangladesh ou outros países em vias de desenvolvimento e sem leis que protejam os trabalhadores destas indústrias. Ao comprar dessas marcas, continuamos a incentivar práticas como a exploração de crianças e adultos que trabalham sem condições e por salários míseros.
  • Não apoio marcas que usem produtos de origem animal, tais como pele, penas, lã etc. nas suas roupas.
  • Dou preferência a pequenas marcas locais, dependendo do sítio onde me encontro no momento da compra. Deste modo apoio a economia local e as pequenas empresas, mesmo que isso signifique pagar um preço maior.
  • Escolho comprar coisas com mais qualidade que me durem mais tempo ou itens de segunda mão.
  • Compro só se houver mesmo necessidade.

Tens ideia da quantidade de roupa que tens? Precisas de toda? Para quê?

 

A fair amount of clothes (EN)

When I was traveling in SE Asia, I carried the same backpack during those five months. It was not a big backpack but had a fair amount of clothes, enough for a couple weeks. However, I was prepared with clothes for both hot and cold weather as I decided where to go next on a weekly basis. I could end up on the Himalayas with snow and I wanted to be equipped just in case.

If I recall, I had about thirty pieces (including underwear) for my entire journey, which at the time I didn’t know when was the end of it and it could last for up to one year.

Thirty items of clothing might sound a lot but in fact, compared to the rest of the clothes I left behind, it wasn’t much.

Up until there, I would buy clothes quite often. I always felt the need to buy another piece as if something was missing in my wardrobe. I would look at online clothing websites and enter in fast fashion stores almost every week. The sales… those I wouldn’t miss as I could purchase good findings with a nice deal. Occasionally I would visit thrift stores with vintage garments but ending up not buying anything. For some reason, it felt strange to have something old that belonged to someone else at certain time.

During my trip, carrying that backpack on my shoulders made me decide to always keep the same amount of clothing, as I didn’t want to add more weight. Every time I bought an item (which was very rare), I had to get rid of another item. It surely made my decisions much more weighted and conscious.

With this trip I learned a special lesson, among many other lessons, related with material belongings. I learned that in the past I was keeping way too many clothing items in my closet and drawers. Items that I would only get rid of/ donate once the capacity of my closet was so full that no more pieces would fit.

What is the need to accumulate clothes?

Some of them might have a special meaning, others may fit again one day and others are so unique that we only wear them once a year. It becomes a habit to buy clothes every season because the ones we have are no longer in vogue or we don’t love them anymore.

If I was able to live five months with the same clothing, did I really need the other items I left behind?

Looking back, I can now analyse my previous believes related to clothing and other material belongings. I believed that wearing the same clothes over and over meant lack of caring, low self-esteem, low purchasing power, lack of creativity, no sense of styling, insecurity and the list goes on. These beliefs were totally unconscious as I was not aware of them.

Buying clothes brought me joy  somehow. Wearing my brand new purchased garments to an event felt amazing.

I know now that those believes are exactly what big companies and corporations want us to have. They thrive because of those believes. Thinking like that is a huge reason to keep buying from them.

Well, guess what? Once you realise it’s all a trap, you can avoid being fooled.

Declutter is the next step. Is there something in your storage that you keep just because you might like it again at some point or can be handy sometime in the future? Time to give those things a new home. Donation is great because someone else will give better use to your stuff than you do.

I still didn’t find the “perfect balance” regarding material belongings – buying, keeping, getting rid of – however am trying my best to make better decisions when buying wearing apparel:

  •      I avoid at all cost to buy clothes from big corporations, made in Bangladesh and other underdeveloped countries. By purchasing from those brands, we keep supporting children exploitation, measly salaries and lack of fair trade.
  •      I do not support brands that use animal products such as skin, feathers, silk, etc. for their outfits.
  •      I choose to buy more local to where I’m living at the moment of my purchase. In this way supporting the local economy and small businesses, even if that means paying a higher price.
  •      I choose to either buy goods that have better quality and will last longer or items that are second hand.
  •      I only buy if it is absolutely necessary.

Are you conscious of all the clothing you possess? Do you need all of them? What for?

 

La ropa necesaria (ES)

Cuando viajaba en el Sudeste Asiático, cargué con la misma mochila durante esos cinco meses. La mochila no era enorme pero tenía la ropa necesaria, lo suficiente para unas dos semanas. Sin embargo, estaba preparada con ropa para diferentes estaciones, ya que decidía cada semana cuál sería el próximo destino. La semana siguiente el destino podría llevarme al Himalaya, donde estaba nevando, y quería estar preparada para una de esas situaciones.

Si lo recuerdo bien, llevaba conmigo cerca de treinta piezas de ropa (incluyendo ropa interior) para el viaje entero, que podría durar hasta un año.

Treinta prendas puede parecer mucho, pero de hecho no era tanto cuando se compara con la cantidad de ropa que yo había dejado en casa.

Hasta aquí, yo era una persona un tanto consumista y compraba ropa con alguna frecuencia. Sentía la necesidad de comprar otra prenda más como si me faltara siempre algo en el guardarropa. Casi todas las semanas entraba en alguna  tienda física o online. Y las rebajas… esas no me las perdía por nada pues podría encontrar alguna ganga. Ocasionalmente echaba un ojo a las tiendas de segunda mano con ropa “vintage” pero acababa por salir de manos vacías. Por alguna razón, me parecía raro tener ropa usada que en el pasado ya había pertenecido a alguien.

Durante el viaje, cargar con la mochila me llevó a decidir mantener siempre el mismo número de prendas, para no aumentar aún más el peso que tenía que transportar. Cada vez que compraba un artículo (lo que era raro), tenía que deshacerme de otro. Esto hizo que mis decisiones fueran más ponderadas y conscientes.

Con este viaje aprendí una lección especial, además de otras tantas, relacionada con los bienes materiales. Aprendí que hasta entonces acumulaba demasiada ropa en los armarios y cajones. Prendas de las que sólo me deshacía cuando no cabían más en las manijas allá de casa.

¿Cuál es la necesidad de acumular tanta ropa?

Algunas prendas pueden tener un significado especial, otras pueden volver a servir un día y otras son tan únicas que sólo las usamos una o dos veces al año. Comprar ropa nueva en cada estación se convierte en un hábito, pues las que tenemos ya no están de moda o ya no nos gustan.

¿Después de vivir cinco meses con la misma ropa, necesitaba toda la que había dejado de afuera?

Mirando hacia atrás, puedo ahora analizar cómo pensaba con relación a la ropa y otros bienes materiales. Creía que vestir repetidamente la misma ropa significaba descuido, baja autoestima, bajo poder adquisitivo, poca creatividad, no tener estilo propio, inseguridad, etc.. Esta forma de pensar era totalmente inconsciente porque nunca me había pensado sobre ello.

Comprar ropa era algo que de alguna manera me traía alegría. Vestir ropa nueva en un evento especial me hacía sentir bien.

Hoy en día sé que esas convicciones son exactamente lo que las grandes marcas y empresas de moda quieren que tengamos. Ellas tienen éxito por vender a las personas que piensan de esa manera.

¿Y después? Bueno, tan pronto como percibimos dónde está la trampa, podemos evitar caer en ella.

El próximo paso el deshacerse de lo que sobra  ¿Tienes alguna cosa guardada en tus armarios que sólo guardas porque quizás un día te vuelva a gustar o porque algun dia puede que vuelva a tener utilidad? Quizás sea el momento de darles una nueva casa a esas pertenencias. La donación es una gran opción, de esa manera otra persona puede realmente usar lo que tu ya no usas.

Todavía no he podido encontrar el equilibrio perfecto en lo que respecta a los bienes materiales – comprar, mantener, deshacerme de ellos – pero estoy tratando de hacer mi mejor para tomar mejores decisiones cuando el tema es comprar ropa:

  • Evito a toda costa comprar de grandes marcas con producción “made in” Bangladesh u otros países en vías de desarrollo y sin leyes que protejan a los trabajadores de estas industrias. Al comprar estas marcas, seguimos fomentando prácticas como la explotación de niños y adultos que trabajan sin condiciones y por salarios míseros.
  • No apoyo a marcas que usan productos de origen animal, tales como piel, plumas, lana, etc. en sus ropas.
  • Doy preferencia a las pequeñas marcas locales, dependiendo del lugar donde me encuentro en el momento de la compra. De este modo apoyo a la economía local ya las pequeñas empresas, aunque esto signifique pagar un precio mayor.
  • Elijo comprar cosas con más calidad y que me duren más tiempo o artículos de segunda mano.
  • Solo compro algo si realmente es necesario.

¿Tienes idea de la cantidad de ropa que tienes? ¿La necesitas toda? ¿Para que?

O algodão não engana

Clean cotton (EN)

El algodón no engaña (ES)

O algodão não engana (PT)

Quantos produtos de beleza, higiene e limpeza diferentes usas no teu dia a dia? Se me recordo bem, eu cheguei a usar: champô, amaciador e máscara para lavar e hidratar o cabelo, mais cera, espuma ou gel para o pentear; pasta dentífrica e elixir para a boca e dentes; sabão ou gel de limpeza específico para a cara, desmaquilhante, tónico e hidratante para além de toda a panóplia de maquilhagem e claro, o perfume. Sem passar do pescoço já podemos estar a falar de pelo menos 15 produtos diferentes!! Quando falamos dos produtos de limpeza da casa o mesmo ocorre. Geralmente usamos um detergente de limpeza especial para cada superfície, um detergente da roupa para cada tipo de tecido, e ainda os ambientadores, os amaciadores e os abrilhantadores.

Mas o que é importante aqui é que utilizamos tudo isto sem realmente nos perguntarmos se é realmente necessário. Mais, não falamos sobre algumas coisas relacionadas com a higiene porque são consideradas tabu e praticamos uma série de contradições sem nenhum cabimento.

Falemos de algumas dessas contradições:

  • Lavamos o cabelo diariamente (ou quase), com uma quantidade de detergente* e afinco que muitas vezes nem despendemos para lavar as mãos antes de ir para a mesa. Se pensarmos um pouco sobre isso, vemos que lavamos os nossos cabelos como se eles andassem diariamente em contacto com superfícies sujas ou contaminadas. Depois de lhes tirarmos todo o seu óleo natural, que está lá para o proteger, substituímo-lo por outros óleos, mais ou menos sintéticos acompanhados de mais perfume. Porque o cabelo não deve cheirar a cabelo, isso não é lá muito civilizado.
  • Lavamos também cara e corpo com bastante detergente* e com uma bela esfrega, da mesma maneira que faríamos se estivéssemos mesmo sujos de lama. E, adivinha, depois de retirarmos, com tanto detergente*, água quente e esponjas esfoliantes, a gordura que a própria pele produz para se auto limpar e proteger, besuntamo-nos com uma mistura de produtos (à que chamamos creme hidratante) que não sabemos o que são, nem o que fazem, mas que certamente não comeríamos, e que a pele absorve e eventualmente acabam por circular dentro do nosso organismo.
  • Usamos desodorantes anti-transpirantes que, além de muitas vezes acentuarem o cheiro da transpiração (ao conjugarem-na com outros cheiros fortes), nos impedem de transpirar, impossibilitando uma função muito importante da pele que nos ajuda a eliminar toxinas (que mais uma vez é um sistema natural de limpeza do corpo).
  • Assoamos-nos com lenços de papel porque os lenços de tecido que se usavam no tempo dos nossos avós não são muito higiénicos. Tão preocupados que estamos de poder espalhar os nossos micróbios e vírus, mas acabamos por nos esquecermos dos lenços de papel enrolados nos bolsos dos casacos. E não, não lavamos as mãos de cada vez que lhes tocamos. O que acaba por fazer deles algo tão higiénico como os lenços de pano que se põe para lavar ao final do dia.
  • Lavamos as t-shirts e as camisas porque as usámos uma, ou vá lá, duas vezes, mesmo que elas não estejam realmente sujas nem com mau cheiro. Mas como já não cheira a “Violetas do Bosque” ou a “Orquídeas Douradas” também já não as consideramos limpas.
  • Compramos detergentes com embalagens diferentes e que expressamente nos são vendidos para um único fim (para o chão, para madeira, para a sanita, para o fogão, etc.), mas na verdade têm mais ou menos todos o mesmo conteúdo a nível de ingredientes. Como ninguém se questiona, as empresas que os vendem fazem muito mais dinheiro e nós enchemos o meio ambiente com uma maior diversidade de embalagens.

Quando comecei a questionar-me sobre as questões da nutrição e da alimentação, também me comecei a interessar pela questão da quantidade de produtos tóxicos que inadvertidamente colocamos no nosso corpo através de todos estes detergentes* e cremes, a quantidade de recursos que desperdiçamos sem necessidade real, e principalmente, a quantidade de vezes que realizamos verdadeiros rituais de limpeza só porque aprendemos (em casa ou através da publicidade) que era assim que se fazia.

Depois de muita pesquisa, experimentação e algumas conversas com a Tico posso dizer que reduzi o meu leque de produtos de limpeza, higiene e beleza para cerca de 10 produtos diferentes no total (falando de produtos para a casa e para todo o corpo). Quando tomo banho só uso sabão em duas os três pequenas zonas do corpo. Lavo o cabelo apenas uma vez por semana, com água corrente e uma solução diluída de vinagre de maçã para suavizar. Apenas lavo a minha roupa se cheirar mal ou tiver alguma sujidade. Uso lenços de pano em vez de lenços de papel. Raramente sinto a necessidade de hidratar a minha pele e quando o faço é com azeite ou com algum óleo natural.

Isto é o que funciona para mim. Sei que para diminuir o meu impacto ambiental, sem comprometer a minha saúde e conforto, ainda há coisas que posso mudar. Aqui a questão não é dizer que eu estou certa e quem não faz o mesmo está equivocado. O meu objectivo é encorajar-te a questionar e não fazer só porque todos o fazem, mas sim porque é o que queres fazer em consciência, porque achas que tens razões para tal. E que essas maneiras de fazer as coisas estejam de acordo com os valores que defendes e com as preocupações sócio-ambientais que tens. Cria os teus próprios rituais!

É que na verdade o “teste do algodão” é um grande engano.

* Nota da autora: a palavra detergente aparece neste texto muitas vezes em substituição de outras como champô ou gel de banho. Essa substituição é propositada pois por um lado esses produtos são exactamente isso – detergentes – e por outro porque a sua composição muitas vezes não difere assim tanto da composição dos detergentes de limpeza da casa.

 


El algodón no engaña (ES)

¿Cuántos productos diferentes de belleza, higiene y limpieza usas en tu día a día? Si me recuerdo bien, yo llegué a usar: champú, suavizante y máscara para lavar e hidratar el cabello, además de cera, espuma o gomina para peinarme; pasta dentífrica y elixir para la boca y los dientes; jabón o gel de limpieza específico para la cara, desmaquillante, tónico e hidratante además de toda la gama de maquillaje y claro, el perfume. ¡Sin pasar del cuello ya podemos estar hablando de al menos 15 productos diferentes! Cuando hablamos de los productos de limpieza de la casa lo mismo ocurre. Generalmente usamos un detergente de limpieza especial para cada superficie, un detergente de la ropa para cada tipo de tejido, y además los ambientadores, los suavizadores y los abrillantadores.

Pero lo que es importante aquí es que utilizamos todo esto sin realmente preguntarnos si es realmente necesario. Más, no hablamos de algunas cosas relacionadas con la higiene porque son consideradas tabú y practicamos una serie de contradicciones sin ningún sentido.

Hablemos de algunas de estas contradicciones:

  • Lavamos el cabello diariamente (o casi), con una cantidad de detergente * y ahínco que muchas veces no se gasta ni para lavarse las manos antes de sentarse la mesa. – Si pensamos un poco sobre eso, vemos que lavamos nuestros cabellos como si ellos estuvieran diariamente en contacto con superficies sucias o contaminadas. – Después de quitarle todo su aceite natural, que está allí para protegerlo, lo sustituimos por otros aceites, más o menos sintéticos acompañados de más perfume. Porque el pelo no debe oler a pelo, eso no es muy civilizado.
  • Lavamos también cara y cuerpo con bastante detergente * y con un buen fregado, de la misma manera que haríamos si estuviéramos realmente sucios de lodo. Y, adivina, después de retirar, con tanto detergente *, agua caliente y esponjas exfoliantes, la grasa que la propia piel produce para auto-limpiarse y protegerse, nos untamos con una mezcla de productos (a la que llamamos crema hidratante) que no sabemos lo que son, ni lo que hacen, pero que ciertamente no comeríamos, y que la piel absorbe y eventualmente acaban por circular dentro de nuestro organismo.
  • Usamos desodorantes anti-transpirantes que, además de muchas veces acentuar el olor de la transpiración (al conjugarse con otros olores fuertes), nos impiden transpirar, imposibilitando una función muy importante de la piel que nos ayuda a eliminar toxinas (que una vez más es un sistema natural de limpieza del cuerpo).
  • Nos sonamos las narices con pañuelos de papel porque los pañuelos de tela que llevaban nuestros abuelos no son muy higiénicos. Estamos tan preocupados por no esparcir nuestros microbios y virus, pero acabamos por olvidar los pañuelos de papel enrollados en los bolsillos de las chaquetas. Y no, no lavamos las manos de todas las veces que les tocamos. Lo que acaba por hacer de ellos algo tan higiénico como los pañuelos de tela que se ponen para lavar al final del día.
  • Lavamos las camisetas y las camisas porque las usamos una o dos veces, aunque no estén realmente sucias ni con malos olores. Pero como ya no huelen a “Campo de Flores” o a “Frescor y Pureza” tampoco las consideramos limpias.
  • Compramos detergentes con envases diferentes y que expresamente se venden para un único fin (para el suelo, para madera, para el inodoro, para la cocina, etc.), pero en realidad tienen más o menos todos los mismos contenidos a nivel de ingredientes. Como nadie se cuestiona, las empresas que los venden hacen mucho más dinero y quienes los compramos llenamos el medio ambiente con una mayor diversidad de envases.

Cuando empecé a cuestionarme sobre las cuestiones de la nutrición y la alimentación, también gané interés por el tema de la cantidad de productos tóxicos que inadvertidamente colocamos en nuestro cuerpo a través de todos estos detergentes * y cremas, la cantidad de recursos que desperdiciamos sin necesidad real, y principalmente, la cantidad de veces que realizamos verdaderos rituales de limpieza sólo porque aprendemos (en casa o a través de la publicidad) que así que se hace.

Después de mucha investigación, experimentación y algunas conversaciones con Tico puedo decir que he reducido mi gama de productos de limpieza, higiene y belleza para alrededor de 10 productos diferentes en total (hablando de productos para la casa y para todo el cuerpo). Cuando tomo baño solo uso jabón en dos las tres pequeñas zonas del cuerpo. Lavo el pelo sólo una vez por semana, con agua corriente y una solución diluida de vinagre de manzana para suavizar. Solo lavo mi ropa si huele mal o tiene alguna suciedad. Uso pañuelos de tela en lugar de pañuelos de papel. Rara vez siento la necesidad de hidratar mi piel y cuando lo hago es con aceite de oliva o con otro aceite natural.

Esto es lo que funciona para mí. Sé que para disminuir mí impacto ambiental, sin comprometer mi salud y comodidad, todavía hay cosas que puedo cambiar. Aquí la cuestión no es decir que estoy cierta y quien no hace lo mismo está equivocado. Mi objetivo es alentarte a cuestionar y no hacer las cosas sólo porque todos lo hacen, sino porque es lo que quieres hacer en conciencia, porque crees que tienes razones para ello. Y que esas maneras de hacer las cosas estén de acuerdo con los valores que defiendes y con las preocupaciones socio-ambientales que tienes. ¡Crea tus propios rituales!

Es que en realidad el “test del algodón” es una gran estafa.

* Nota de la autora: la palabra detergente aparece en este texto muchas veces en sustitución de otras como champú o gel de baño. Esta sustitución se hace deliberadamente porque, por un lado, estos productos son exactamente eso – detergentes – y por otro, porque su composición a menudo no difiere tanto de la composición de los detergentes de limpieza de la casa.

 


The beginning of questioning by Nico

The beginning of questioning (EN)

El principio del cuestionamiento (ES)

O princípio do questionamento (PT)

Capítulo 1. A ponta do iceberg.

No Verão de 2010 sentia-me profundamente vazia e não sabia porquê. Para me animar decidi ir a um festival de Verão colando-me a uma amiga. Liguei-lhe e perguntei-lhe se me podia juntar a ela e aos seus amigos que eu mal conhecia. Tive uma grande surpresa quando percebi que a minha amiga realmente não queria que eu fosse porque, segundo ela, eu era muito stressada, pouco sociável e estava sempre a levantar problemas. Nesse momento o mundo caiu-me aos pés, especialmente quando vi que, exageros à parte, eu realmente era uma chata. Quando desliguei o telefone fiz as primeiras de muitas perguntas: E se eu não quiser mais ser assim? Posso mudar a minha personalidade? Seria mais feliz se fosse menos rezingona e mais relaxada? Nem me dei tempo para me responder, decidi que tinha que experimentar para saber as respostas. Dez minutos depois voltei a ligar à minha amiga e prometi-lhe que ia ser a pessoa mais descontraída do mundo e comecei a sê-lo naquele exacto momento, tanto que ela fez um esforço para acreditar e aceitou levar-me.

Aquele festival foi um dos momentos mais divertidos da minha vida até então. Hoje em dia olhando para trás sei que foi uma das primeiras vezes em que vivi no presente. Lembro-me de momentos chave em que tive que pôr um grande travão à chata que estava habituada a ser e pensar em micro-segundos como reagiria esta nova pessoa que queria tornar-me. Pela primeira vez estava consciente dos meus próprios pensamentos e começava a desconfiar de alguma forma que aquilo (que pensava) não era eu. Tinha mudado tanto que a minha amiga não me reconhecia e estava realmente admirada que eu estivesse a cumprir a minha promessa.

Com o final do festival veio o medo de que tudo voltasse a ser como antes. Sabia que voltando aos mesmos cenários quotidianos de sempre, o mais provável era que eu voltasse à minha versão mais resmungona. Decidi que ia tentar que isso não acontecesse. Mal sabia eu, que aquela pequena grande mudança de atitude perante a vida, acabaria por salvar-me de cair num poço sem fundo apenas umas semanas mais tarde.

Capítulo 2. O grande abanão.

Umas semanas depois soube que a minha mãe tinha um cancro cerebral. Sempre fui muito apegada à minha mãe, ela era o meu porto seguro. O meu maior medo desde pequena era que ela deixasse de estar ali (nem na minha cabeça me atrevia a formular a ideia de morte). Mas a minha nova maneira de ver o mundo desde um prisma menos stressado e mais presente ajudou-me a manter-me à deriva durante todo o pesadelo.

Os “tratamentos” foram avançando e a minha mãe só piorava, cada procedimento só a deixava pior.  Achei que tinha que haver algo mais e comecei a pesquisar tudo o que eram tratamentos alternativos para o cancro. Essas pesquisas levaram-me a estudos bastante convincentes, que defendiam que a carne e o açúcar eram dois grandes alimentadores do cancro e de várias outras doenças crónicas e mortais. – É de recordar que isto aconteceu uns bons anos antes dos malefícios da carne e do açúcar começarem a ser relatados nos meios de comunicação generalistas e nas redes sociais. – De repente o mundo parecía estar de cabeça para baixo. No hospital, a minha mãe era alimentada à base de carne, cereais e farinhas refinados e sobremesas carregadas de açúcar, tudo o que supostamente só servia para alimentar o maldito cancro. E as pessoas que a visitavam não faziam outra coisa que trazer-lhe mais doces e mais carne. A minha mãe já tinha muita dificuldade em comunicar e a comunicação entre os vários membros da família também se foi deteriorando. Eu era muito jovem e não conseguia fazer-me ouvir e o pior é que não conseguia ajudar a minha mãe com aquilo que estava a aprender.

De repente a carne começou a dar-me nojo e essa repulsa fez que eu deixasse de consumi-la. Também reduzi bastante o meu consumo de açúcar – hoje sei que era estupidamente alto. Comecei a sentir melhorias bastante óbvias na minha qualidade de vida. As dores de barriga que tinha frequentemente, e com as quais pensava que teria que viver até ao resto da minha vida desapareceram (mais tarde soube que o meu corpo tinha muita dificuldade para dirigir a carne). Deixei de ter as tonturas matinais que me tinham acompanhado quase toda a vida, e que sei hoje que eram causadas pelo excesso de açúcar. Também deixei de beber leite e as minhas alergias melhoraram bastante (hoje sei que ambas coisas estão relacionadas). Em geral sentia-me com mais energia e comecei a comer coisas que até então odiava. O meu paladar também tinha mudado. Abriu-se todo um novo mundo de sabores com novos vegetais e frutas que até então não tocava.

Começou a desenrolar-se um sem fim de questionamentos. Afinal todos os meus problemas de saúde crónicos se tinham resolvido com algumas mudanças de alimentação? Mas como é que até à data nenhum médico me tinha perguntado o que é que comia se, pelos vistos, a alimentação era tão importante? Porque é que me tinham dado apenas medicação que disfarçava sintomas, sem nunca tentarem resolver a raiz dos problemas?

Entretanto quase um ano tinha passado, a minha mãe continuava a piorar e essas questões começaram a ser cada vez mais dolorosas. O mesmo tipo de medicina à qual ela estava entregue para curar um cancro já tinha provado falhar em a problemas muito mais ligeiros no meu caso.

Uns meses antes do falecimento da minha mãe consegui confrontar uma das suas médicas e percebi que não havia mais esperança (pelo menos da parte dos médicos) mas por outro lado continuavam a dar-lhe quimioterapia, isto fazia ainda menos sentido! Finalmente a minha irmã e eu conseguimos falar com o resto da família e parar os tratamentos de “quimio” que já tinham causado tanto sofrimento à minha mãe e não tinham ajudado em nada.

Capítulo 3. Depois da tempestade.

No final de Julho de 2011 a minha mãe morreu. Não chorei. Não chorei a morte da minha mãe até uns anos depois quando a mãe de uma grande amiga faleceu, e uma profunda empatia desbloqueou os sentimentos com os quais não consegui lidar naquele momento. Naquele momento o sentimento maior foi de alívio. A minha mãe já não estava a sofrer, todas as pessoas implicadas podiam finalmente retomar as suas vidas.

Parte desse “seguir em frente” foi dar um destino à casa em que a minha mãe vivia. Fiquei encarregue de sozinha (nunca me senti tão sozinha) esvaziar a casa onde a minha mãe vivera mais de 20 anos. A casa onde a minha irmã e eu tínhamos crescido e passado toda a nossa infância e adolescência, mas também a casa onde a minha mãe tinha passado os últimos meses de vida, com todas as memórias que tudo isso pode acarretar.

Comecei primeiro pelo meu quarto (era mais fácil desfazer-me das minhas coisas do que de coisas que nunca me tinham pertencido directamente). O meu quarto de adolescente, onde eu já só ficava quando vinha de visita um ou outro fim de semana por mês desde que tinha ido viver para a Lisboa. Além de muitos elementos decorativos e objectos pessoais esquecidos, havia caixas com recordações (diários, postais, bilhetes de cinema e concertos, aquela flor seca que um dos primeiros namorados ofereceu, etc.). Aquilo tudo era para quê? Porque é que eu guardava aquilo? Afinal muitas daquelas coisas, guardadas na tentativa de preservar a memória que elas representavam, já não me diziam nada, a maioria só me faziam lembrar, muito geralmente, que tinha sido ainda mais jovem um dia, mas eu não precisava de recordatórios fechados em caixas para lembrar-me disso. Naquele momento decidi não voltar a acumular tralha sem utilidade practica real. Deitei todas essas “caixas de memórias” fora, encaixotei roupa e  outras coisas para dar e juntei em sacos aquilo que não podia ter outro fim se não o contentor do lixo. A minha irmã já tinha levado tudo o que era importante do seu quarto e deu-me desde Amsterdão (onde estava a viver) luz verde para eu fazer o que quisesse com o resto. Usei para o quarto dela os mesmos critérios que tinha usado para o meu. Esta tinha sido a parte mais fácil.

Faltava o resto da casa. Só que o resto da casa era parte das memórias que eu tinha da minha mãe. Demorei meses a separar coisas, perdi-me em memórias, encontrei tesouros, frustrei-me muito porque o trabalho parecia não ter fim. Vendi moveis, fiz mais caixas com roupa para dar mas principalmente deparei-me com a realidade de que ao longo da vida a maioria das pessoas vai acumulando muita coisa que não precisa. E para quê? Para que é que serve tanta coisa? Tanta roupa, tantos utensílios de cozinha, tantos objectos de decoração, tantos “gadgets”, tanta tralha? Ao final 90% era tralha, quase nada tinha realmente significado nem valor emocional. E vi que eu, na minha casa em Lisboa, estava a fazer o mesmo: a juntar tralha, a rodear-me de mais e mais objectos desnecessários e sem significado. Decidi que não o faria mais.

Quando voltei a Lisboa desfiz-me de literalmente metade das minhas coisas em poucas semanas. Muita gente pensava que tinha enlouquecido. “Como é que consegues dar os teus livros e os teus CDs? Não tens pena?”- perguntavam. Mas eu já sabia que eram só coisas, coisas das quais não precisava. Saiu-me um peso de cima, foi libertador. Tão libertador que foi isso que me permitiu criar asas e finalmente ganhar coragem para ir viver uma experiência fora do país.

 

Acho que estes foram os três momentos chave na minha vida, que me levaram a questionar tudo. Primeiro vieram as questões sobre a personalidade – Eu sou a minha personalidade ou sou algo mais profundo que isso e posso mudar de personalidade e continuar a ser eu?; depois comecei a questionar-me sobre a alimentação (mais tarde essas questões fizeram com que acabasse por me tornar vegan assim como a Tico) e a medicina convencional (no futuro haverão artigos que tocam este assunto com mais profundidade), e finalmente comecei a questionar-me sobre o sentido do materialismo (o que foi o início de um rol de questões que me levaram ao Yoga e a um estilo de vida mais desapegado).  Claro que houveram mais momentos e mais questões, mesmo no meio desses que conto neste artigo. Tod@s temos momentos nos quais nos apercebemos que não podemos simplesmente seguir a manada e fazer o mesmo que @s outr@s fazem só porque é mais fácil. Consegues reconhecer um desses momentos na tua vida? Revês-te nalguma das coisas que conto? E nas que a Tico conta no seu relato? Queres fazer-nos perguntas? Responde ou pergunta através do nosso formulário de contacto.


 

The beginning of questioning (EN)

Chapter 1. The tip of the iceberg.

In the Summer of 2010 I was feeling profoundly empty and didn’t know why. To cheer me up, I thought of going to a Summer festival and join a friend that already had it all figured out. I called her to ask if I could join her and her friends that I didn’t really know very well. I was very surprised to find out that actually my friend didn’t want me to join them because, in her opinion, I was always stressed, not very sociable and couldn’t stop forging problems. In that moment my whole world fell apart, especially when I realised that in fact I could be quite annoying. When I hanged up the phone, my first questions started popping up: What if I don’t want to be that person anymore? Can I change my personality? Could I be a happier person if I was to be less grumpy and more relaxed? I didn’t even allow any time to ponder but instead I decided to put this into practice in order to find out the answers. Ten minutes later, I called my friend again and promised that I would be a much more easy going person. In fact I started to behave more relaxed right away and that’s why she made an effort to believe me and accepted to take me in with her to the festival.

That festival ended up being one of the coolest moments of my life until then. Looking back, I know now that this event was probably one of the first times I experienced living in the present. I recall specific moments in which I had to stop that annoying girl that I used to be and think in a fraction of a second how would this new person I was willing to be react. For the first time I was conscious of my own thoughts and was starting to somehow suspect that that (what I was thinking ) wasn’t me. I had changed so much that my own friend didn’t recognise me and was truly in aw to see that I had kept my promise.

With the ending of the festival came the fear of everything becoming the old same again. I knew that going back to the same daily routine, the grumpy version of myself could come back to life. I was determined to avoid that at all cost. Little did I know that such a change in my attitude towards life would save me from collapsing in a bottomless pit a couple weeks later.

Chapter 2. The big shakeup

A few weeks later, I learned that my mother had a brain cancer. I was always very close to my mom as she was my safe haven. My biggest fear, since I was a little girl, was that one day she wouldn’t be there anymore (I didn’t even formulate the idea of death in my mind). However, my new way of perceiving the world, through a more present and less stressed lens, helped me to keep my head above the water during the whole nightmare that was to come.

The “treatments” kept on going and my mother only got worse and worse with every procedure. It got me thinking that some other alternatives could be out there and I started making my own research on alternative cancer treatments. Those researches took me to some credible studies stating that meat and sugar were the two biggest foods responsible for feeding cancer, among other chronic and terminal diseases. – Reminding that this happened some good years before mainstream allegations regarding meat and sugar being on general and social media. – Suddenly the world seemed to be upside down. At the hospital, my mother’s meals were based on meat, refined cereals as well as full on sugar desserts. All the foods that supposedly only kept feeding the damned cancer. On top of that, the people who visited her would bring more treats and more meat as they didn’t know better. My mother had extreme difficulty communicating with us and the communication with the remaining family members was going down the hill. I was very young and couldn’t get my voice to be heard and the worst part was that I couldn’t help my mom with the things I was learning.

Suddenly, the meat started to seem disgusting to me which made me give up on eating it. I also decreased my consumption of sugar that was incredibly high, I can see now. My life quality improved significantly with those changes. The stomachaches I had frequently disappeared ( later on I found out that my body had great difficulty to digest meat). The dizziness I had most of my mornings also went away. I know now that it was caused by excessive sugar intake. I quit drinking milk and my allergies got much better as well (as those two things are very much linked). In general, I felt more energised and started to eat foods that I couldn’t stand until then. My taste buds had an upgrade. A new world of flavours opened up together with fruits and vegetables that I never got to try.

A never ending questioning started to unfold. After all this time, all my chronic health problems got cured with some food habit changes? How come, no doctor ever asked me what was I eating, if nutrition is something crucial? Why was I given meds that only concealed my symptoms rather then trying to solve the root cause of my problems?

Meanwhile, nearly a year had passed and my mother continued to get worse and those questions of mine only became more painful. The same medicine applied to her, in order to cure the cancer, had already proved to me its failure when it came to much smaller issues.

A couple months prior to my mother’s death, I confronted one of her doctors and understood that there was no more hope for her case (at least from the doctor’s point of view) but even then, they continued to prescribe chemotherapy. Such thing didn’t make sense whatsoever! Finally, my sister and I were able to talk to the rest of the family and stop with the chemo treatments that had caused so much suffering to my mother and never got to help her in any way, shape or form.

Chapter 3. After the storm.

In the end of July 2011 my mother died. I didn’t cry. I didn’t cry the death of my mother until a few years later, when the mother of a very good friend died and a profound empathy unblocked the feelings that I couldn’t deal with in that moment. In that moment all that I could feel was relieve. My mother wasn’t suffering anymore and everyone involved could finally resume their own lives.

Part of that moving on process was to give a destiny to my mother’s belongings. I alone (never felt so alone) was in charge of emptying the house where my  mother lived for 20 years. The house where my sister and I grew up and spent our childhood and adolescence, but also the house where my mother had lived in her last days of life, with all the memories that all of this can entail.

First I started with my own bedroom (it was easier to get rid of my own things rather than other stuff that wasn’t mine). My teenager bedroom, where I would stay when visiting over from Lisbon (sometimes less than a couple weekends a month). Besides lots of decorative items and forgotten personal objects, there were boxes filled with memories (diaries, postcards, concert tickets, that dry flower that one of my first boyfriends once offered). What was all that for? Why did I keep them? After all, many of those things, kept in the attempt to preserve the memory they represented, no longer told me anything. Most of it only reminded me, very generally, that I had been even younger one day, but I didn’t need memories closed in boxes to remind me of this. In that moment I decided I would stop accumulating useless junk. I threw away all those “memory boxes”, I boxed stuff to donate and put in garbage bags everything that couldn’t have another destination besides the trash. My sister had already taken everything that was important from her room and gave the green light for me to do whatever I wanted with the rest. I used for her room the same criteria I had used for mine. This was the easiest part.

The following part was to deal with all the rest. But the rest of the house was a big part of the memories I had of my mother. It took me months to separate things, I lost myself in memories, I found treasures, I became very frustrated because this work seemed never ending. I sold furniture, gathered more boxes with clothes to donate, but mostly I realised that throughout life most people accumulate a lot of stuff that they do not need. And for what? What’s the use of so many things? So much clothing, so many cooking tools, so many decorative objects, so many gadgets, so much stuff? In the end 90% of it was junk, almost nothing had really meaning nor emotional value. And I realised that I was doing the same exact thing in my apartment in Lisbon: gathering stuff, surrounding myself with more and more unnecessary and meaningless objects. I decided I would not do it anymore.

When I got back to Lisbon, I literally got rid of half of my stuff in a few weeks. A lot of people thought I had gone crazy. “How can you give your books and your CDs? Won’t you be sorry?”- They asked. But I already knew it was all just things, things I did not need. A weight came out of my shoulders, it was liberating. So liberating that it was this that allowed me to create wings and finally get the courage to go live an experience out of the country.

 

I think these were the three key moments in my life, which led me to question everything. First came the questions about personality – Am I my personality or am I something deeper than that and can I change my personality while still being me?; then I began questioning about food (later these issues made me become vegan like Tico) and conventional medicine (in the future there will be articles on this subject with more depth). And finally I began to question about materialism (which was the beginning of a series of questions that led me to Yoga and a much more detached lifestyle). Of course there were more moments and more questions, even simultaneously to the ones I expose in this article. We all have moments when we realise that we cannot simply follow the herd and do the same thing that others do just because it’s easier. Can you recognise one of those moments in your life? Do you see yourself in any of it? And what about in Tico’s story? Do you want to ask us questions? Please respond or ask via our contact form.


 

El principio del cuestionamiento (ES)

Capítulo 1. La punta del iceberg.

En el verano de 2010 me sentía profundamente vacía y no sabía el porqué. Para animarme decidí ir a un festival de música. Llamé a una amiga que iba a ir con amigos de ella que yo casi no conocía. Tuve una gran sorpresa cuando me enteré de que mi amiga realmente no quería mi compañía por que yo, en su opinión, era muy estresada, poco sociable y encontraba problemas en todas partes. En ese momento se me cayó el mundo en la cabeza, especialmente cuando entendí que, exageros aparte, yo realmente era muy pesada a veces. Cuando colgué la llamada hice las primeras de muchas preguntas: Y si no quisiera más ser así? Puedo cambiar mi personalidad? Sería más feliz si fuera menos gruñona y más relajada? No me di tiempo para contestar, decidí que que había que probarlo para saber las respuestas. Diez minutos después volví a llamar a mi amiga y le prometí que iba a ser la persona más tranquila del mundo, y empecé a serlo en el mismo momento. Tanto que mi amiga finalmente aceptó que me juntara a ellos.

Aquel festival fue, hasta entonces, uno de los momentos más divertidos de mi vida. Hoy en día mirando hacia detrás se que fue una de las primeras veces en las logré vivir en el presente. Me acuerdo de momentos clave en los que tuve que poner un freno a la chica pesada que estaba acostumbrada a ser, y pensar en micro-segundos cómo reaccionaría esa nueva persona en la que quería transformarme. Por primera vez era consciente de mis propios pensamientos y empezaba a sospechar que de alguna manera aquello (que pensaba) no era yo. Había cambiado tanto que mi amiga casi no me reconocía pero yo era la que estaba más sorprendida.

Con el final del festival vino el miedo de que todo volviera a ser igual que antes. Sabía que volviendo a las mismas situaciones de siempre, lo más probable era que yo volviera a mi versión más gruñona. Decidí que iba a intentar que eso no pasase. Lo que no sabía entonces era que aquel pequeño gran cambio de actitud ante la vida acabaría por salvarme de caer en un pozo sin fondo tan solo unas semanas más tarde.  

Capítulo 2. La gran sacudida.

Unas semanas después supe que mi madre tenía un cáncer cerebral. Estaba muy apegada a mi madre desde siempre, ella era mi puerto seguro. Mi peor miedo desde pequeña era que ella dejara de estar allí (ni en mi cabeza me atrevía a formular la idea de muerte). Pero mi nueva manera de ver el mundo desde un prisma menos estresado y más presente me ayudó a mantenerme a la deriva durante toda la pesadilla.

Los “tratamientos” avanzaban y mi madre solo empeoraba, cada procedimiento solo la dejaba peor. Pensé que tenía que haber algo más y empecé a investigar todo tipo de tratamientos alternativos para el cáncer. Esas búsquedas me llevaron unos estudios bastante convincentes, que defendían que la carne y el azúcar eran dos de los mayores alimentadores del cáncer y de muchas otras enfermedades crónicas y mortales. – Te recuerdo que esto pasó unos buenos años antes de que los malefícios de la carne y del azúcar fueran publicados en los medios de comunicación generalistas. – De pronto el mundo parecía estar patas arriba. En el hospital mi madre era alimentada a base de carne, cereales refinados y postres cargados de azúcar, todo lo que se suponía que alimentaba aún más el maldito cáncer. Además las personas que la visitaban no hacían otra cosa que traerle más dulces y más carne. A mi madre ya le costaba mucho comunicar, y la comunicación entre los demás miembros de la família también se fue deteriorando. Yo era muy joven, no podía hacerme oír y lo peor era que no podía ayudar a mi madre con todo lo que estaba aprendiendo.

De repente la carne empezó a provocarme asco y esa repulsión hizo que dejara de consumirla. También reduje bastante mi consumición de azúcar (hoy se que era estúpidamente alta). Empecé a sentir mejoras bastante obvias en mi calidad de vida. Los dolores de vientre que tenía frecuentemente y con los cuáles ya me había conformado, desaparecieron (más tarde supe que realmente mi cuerpo tenía mucha dificultad para digerir la carne). Dejé de sentir los mareos matinales que me habían acompañado casi toda mi vida (hoy sé que eran causadas por el exceso de azúcar). También dejé de beber leche de vaca y mis alergias mejoraron bastante (hoy se que ambas cosas están relacionadas). En general me sentía con más energía y empecé a comer cosas que hasta entonces odiaba. Mi paladar también había cambiado. Se abrió todo un nuevo mundo de sabores con nuevos vegetales y frutas que hasta entonces no tocaba.  

Empezó a desarrollarse un sinfín de cuestionamientos.¿Al final todos los problemas crónicos de salud que tenía se habían solucionado con algunos cambios en la alimentación? ¿Cómo era posible que hasta entonces ningún médico hubiera preguntado cómo ni el qué comía, si la alimentación era tan importante? ¿Por qué me habían dado medicamentos que sólo disfrazaban los síntomas sin tratar de resolver los problemas desde la la raíz?

Mientras tanto casi un año había pasado, mi madre seguía empeorando y esas cuestiones empezaron a ser cada vez más dolorosas. El mismo tipo de medicina a la que ella estaba sometida para curar un cáncer ya había probado fallar en problemas mucho más ligeros en mi caso.

Unos meses antes del fallecimiento de mi madre pude confrontar a una de sus médicas y percibí que no había más esperanza (al menos por parte de los médicos), pero por otro lado seguían dándole quimioterapia, ¡esto hacía aún menos sentido! Finalmente mi hermana y yo convencimos el resto de la familia que lo mejor sería parar los tratamientos de “quimio” que ya habían causado tanto sufrimiento a mi madre y no habían ayudado en nada.

Capítulo 3. Después de la tormenta.

A finales de Julio de 2011 mi madre murió. No lloré. No lloré la muerte de mi madre hasta unos años después, cuando la madre de una gran amiga falleció y una profunda empatía desbloqueó los sentimientos con los que no logré lidiar en aquel momento. En aquel momento el sentimiento mayor fue el de alivio. Mi madre ya no estaba sufriendo, todas las personas implicadas podían finalmente retomar sus vidas.

Parte de ese seguir adelante fue dar un destino a la casa donde había vivido mi madre. Me quedé sola (nunca me había sentido tan sola)  , de encargada de vaciar la casa donde mi madre había vivido más de 20 años. La casa donde mi hermana y yo habíamos crecido y pasado toda nuestra infancia y adolescencia, pero también la casa donde mi madre había pasado los últimos meses de vida, con todas las memorias que todo eso puede acarrear.

Empecé primero por mi cuarto (era más fácil deshacerme de mis cosas que de cosas que nunca me habían pertenecido directamente). Mi habitación de la adolescencia, en la que ya solo me quedaba un u otro finde al mes, desde cuándo me había ido a vivir a Lisboa. Además de muchos elementos decorativos y objetos personales olvidados, había cajas con recuerdos (diarios, postales, entradas de conciertos, aquella flor seca que uno de los primeros novios regaló, etc.). ¿Para qué servía todo aquello? ¿Por qué lo guardaba? Al final muchas de esas cosas, guardadas en el intento de preservar la memoria que ellas representaban, ya no me decían nada, la mayoría sólo me recordaban, muy generalmente, que había sido aún más joven un día, pero yo no necesitaba recordatorios cerrados en cajas para recordarme de eso. En aquel momento decidí no volver a guardar trastos sin utilidad práctica real. Tiré todas esas “cajas de recuerdos”, metí ropa y otras cosas para donar en cajas, y junté en bolsas aquello que no podía tener otro destino sino el contenedor de la basura. Mi hermana ya se había llevado todo lo que era importante de su habitación y me dio desde Amsterdam (donde estaba viviendo) luz verde para hacer lo que quisiera con el resto. Utilicé para su habitación los mismos criterios que había utilizado para la mía. Esta había sido la parte más fácil.

Faltaba el resto de la casa. Pero el resto de la casa era parte de las memorias que tenía de mi madre. Tardé meses en separar cosas, me perdí en recuerdos, encontré tesoros, me frustré mucho porque el trabajo parecía no tener fin. Vendí muebles y hice cajas con ropa para donar, pero principalmente me encontré con la realidad de que al largo de la vida la mayoría de las personas acumula muchas cosas de las cuales no necesita.  ¿Y para qué? ¿Para qué sirve tanta cosa? ¿Tanta ropa, tantas cosas de cocina, tantos objetos de decoración, tantos aparatos, tantos trastos? Al final el 90% eran trastos,, casi nada tenía realmente significado ni valor emocional. Y vi que en mi casa en Lisboa estaba haciendo lo mismo: acumulando trastos, rodeándome cada vez más de objetos innecesarios y sin sentido. Decidí que no lo haría más.

Cuando regresé a Lisboa me deshice literalmente la mitad de mis cosas en unas pocas semanas. Mucha gente pensaba que me había vuelto majara. “¿Cómo puedes dar tus libros y tus CDs? ¿No te dá lástima?” – preguntaban. Pero yo ya sabía que eran sólo cosas, cosas de las que no necesitaba. Me salió un peso de encima, fue liberador. Tan liberador que fue eso que me permitió crear alas y finalmente ganar coraje para ir a vivir una experiencia fuera del país.

 

Creo que estos fueron los tres momentos clave en mi vida, que me llevaron a cuestionarlo todo. Primero vinieron las preguntas sobre la personalidad – ¿Yo soy mi personalidad o soy algo más profundo que eso y puedo cambiar de personalidad y seguir siendo yo?; después empecé a cuestionarme sobre la alimentación (más tarde esas cuestiones hicieron que acabara por hacerme vegana como Tico) y finalmente empecé a cuestionarme sobre el sentido del materialismo (lo que fue el inicio de un rol de cuestiones que me llevaron al Yoga y a un estilo de vida más desapegado). Claro que hubo más momentos y más cuestiones, incluso en medio de los que cuento en este artículo. Tod@s tenemos momentos en los que nos damos cuenta que no podemos simplemente seguir la manada y hacer lo mismo que l@s demás sólo porque es más fácil. ¿Puedes reconocer uno de esos momentos en tu vida? ¿Te ves en alguna de las cosas que cuento? ¿Y en las que Tico cuenta en su relato? ¿Quieres hacernos preguntas? Responde o pregunta a través de nuestro formulario de contacto.