Fashion on one hand, ideals on the other, will I have to choose?

Fashion on one hand, ideals on the other, will I have to choose? (EN)

Moda por un lado y ideales por el otro, tendré que elegir? (ES)

Moda por um lado, ideais por outro, terei que escolher? (PT)

É possível estar comprometid@ com valores sociais & meio ambientais e ao mesmo tempo ser apaixonad@ por moda?

Desde a perspectiva ambiental, o ciclo de consumo de recursos naturais, a contaminação e a produção de resíduos gerados pela indústria da moda são um problema grave com sérios efeitos no planeta. Pelo lado da dimensão humana e social, a roupa é muitas vezes manufaturada em países em vias de desenvolvimento que carecem de leis de trabalho para garantir que os trabalhadores recebam salários dignos e trabalhem sob boas condições de segurança, higiene e saúde.

Mas isto não é razão para desanimar-se! O problema não se vai solucionar sozinho e o melhor é que todos podemos contribuir para revertê-lo. Tendemos a pensar que as nossas decisões não são tão importantes porque no final de contas os culpados destas calamidades são as grandes empresas e os monstros industriais, isso está certo.. e também errado.  Os gigantes da indústria tem uma grande responsabilidade, é verdade, mas o nosso papel também é muito importante.

Cada vez que consumimos votamos a favor de algo e dizemos ao mercado que continue, que “isso” é o que queremos. Igualmente, de cada vez que não compramos algo mostramos que “isso” não nos serve, que não é o que queremos. Estas parecem ser razões suficientes para consumir de acordo com os valores que defendemos, certo? Vamos consumir (ou não consumir) conscientemente, deixando claro aquilo com que concordamos e aquilo com que não estamos de acordo.

Se gostas tanto de moda como eu, deves saber que tens muitas opções, não só para usar moda de acordo com os teus valores éticos mas também para ajudar o movimento “slow fashion” a crescer em detrimento da chamada “fast fashion”.

a. Usa o usado: Não há dúvida de que uma das opções mais sustentáveis é usar o que já temos ou que já “foi consumido”. Ao comprar “vintage” ou de segunda mão, ao intercambiar roupa com outras pessoas e ao arranjar ou redesenhar coisas que já tens mas que por alguma razão já não usas, estás a “dizer” ao mercado que não é necessário produzir tanto nem tão depressa. Além disso, desta forma podes conseguir peças originais e diferentes do típico top da H&M que adoraste mas que agora vês multiplicado por todo o lado sempre que sais à rua. E sabes que mais? Esta opção tem o “bonus” de ser também amigável para a tua conta bancária!

b. Desacelera: Uma das razões pelas quais a nossa relação com a moda é insustentável é porque compramos demasiado. A moda rápida alimenta o consumismo desenfreado com preços tão baixos que não temos que perguntar-nos se precisamos ou realmente gostamos daquilo que vamos comprar. Os preços baixos da “fast-fashion” parecem, à primeira vista, ser uma vantagem mas realmente são prejudiciais para o ambiente e para as comunidades que fabricam essas roupas. Da próxima vez que sentires o impulso de comprar por comprar, pensa em algo que realmente te faça falta, ou algo que realmente desejas. Calcula quantas coisas baratas, que comprarias num determinado espaço de tempo, terás que deixar de comprar para para poder comprar essa coisa. Faz uma espécie de “jejum de compras” até que tenhas juntado o valor que necessitas para comprá-la. Quando a comprares terás uma coisa à qual darás mais valor durante mais tempo, uma coisa especial com valor acrescentado porque sabes que fizeste um esforço de consumir menos para conseguir algo que realmente querias.

c. Compra aos pequenos: O artesanato está a perder-se e os pequenos negócios não podem competir em preço com as produções em massa. Comprar algo feito à mão, ou de pequenas produções, muitas vezes significa um produto melhor, mais duradouro e mais exclusivo. Comprar local também é uma parte importante desta opção e está geralmente a par com ela. Ao comprar local não só ajudas os negócios mais pequenos a sobreviver e proliferar mas também reduzes o impacto do teu consumo já que esse objecto não teve de ser transportado desde um produtor distante.  

d. Investiga e instiga as marcas: Cada vez há mais marcas com valores éticos e ambientais, e muitas marcas que antes não o faziam começam a oferecer também produtos que têm em conta esses valores. Na era da informação, não é tão difícil estar informad@ sobre que marcas oferecem opções sustentáveis, basta pesquisar no Google. Outra coisa que recomendo é que escrevas às tuas marcas favoritas. Se estas ainda não se abriram às possibilidades da sustentabilidade, diz-lhes que gostarias de continuar a comprar os seus productos mas que para isso têm que oferecer opções cujos materiais tenham um menor impacto e com processos de produção mais transparentes. Pensa que se todos os consumidores interessados comunicarem este tipo de exigências às marcas elas terão que ouvir.

Estas são apenas algumas sugestões daquilo que podes fazer, mas há muitas mais possibilidades. Às vezes o debate sobre a sustentabilidade pode parecer uma discussão exclusiva para especialistas, mas a realidade é que não se trata de um conceito estéril nem fechado. Para que tenha sentido para ti, a sustentabilidade deve poder aplicar-se ao contexto da tua própria vida. Reflete e pensa o que é que tu podes fazer, de certeza que te surgem algumas ideias além daquelas que acabo de partilhar contigo.

A moda sustentável não é uma ideia utópica, é um ideal que pretende ajudar o planeta e os seus habitantes – uma necessidade sobre a qual todos estamos de acordo. As coisas simples que fazemos todos os dias – como vestir-se – podem ajudar a marcar a diferença.


Fashion on one hand, ideals on the other, will I have to choose? (EN)

Is it possible to be committed to social & environmental values and at the same time be passionate about fashion?

From the environmental perspective, the cycle of consumption of natural resources, contamination and waste production generated by the fashion industry is a serious problem with severe effects on the planet. From the human and social perspective, clothing is often manufactured in developing countries that lack labor laws to ensure that workers receive decent wages and work under good  safety, hygiene and health conditions.

But this is no reason to be discouraged! The problem is not going to solve itself and the best is that we can all contribute to reverse it. We tend to think that our decisions are not so important because in the end the culprits of these calamities are the big companies and the industrial monsters, that’s right… and also wrong. The industry giants have a great responsibility, it’s true, but our role is also very important.

Each time we consume we vote for something we are telling the market to continue producing, that “this” is what we want. Likewise, every time we do not buy something we show that “that” does not serve us, it is not what we want. These seem to be enough reasons to consume according to the values we stand for, right? Let’s consume (or not consume) consciously, making a point of what we agree with and what we don’t.

If you like fashion as much as I do, you should know that you have many options, not only to use fashion in accordance with your ethical values but also to help the “slow fashion” movement grow to the detriment of the so-called “fast fashion”.

a. Use the used: There is no doubt that one of the most sustainable options is to use what we already have or what has already been “consumed”. When buying “vintage” or second-hand clothes, when you exchange or swap clothes with other people and when you repair or redesign things you already have, but for some reason no longer use, you are “telling” the market that it is not necessary to produce so much nor so quickly. In addition, in this way you can get pieces that are original and different then the typical H&M top that you loved but now you see multiplied everywhere whenever you go out on the street. And you know what? This option has the “bonus” of being also friendly with your bank account!

b. Slow down: One of the reasons why our relationship with fashion is so unsustainable is because we buy too much. Fast fashion feeds rampant consumerism with prices so low that we do not have to ask ourselves if we really need or like what we are buying. The low prices of “fast-fashion” seem to be an advantage at first glance but are actually detrimental to the environment and to the communities that manufacture these clothes. The next time you feel that you are buying by impulse, think of something you really need or want. Calculate how many cheap things that you could buy, in a certain amount of time, you will have to refrain from buying in order to buy this thing. Make a “shopping fasting” until you have put together the value you need to purchase this new item. When you do buy it you will have something that you will value more and for longer, a special thing with added value because you know that you made an effort to consume less in order to get something that you really wanted.

c. Buy from the small guys: Crafts are disappearing and small businesses can’t compete price wise with mass productions. Buying something handmade, or from small productions, often means a better, longer lasting and more exclusive product. Buying local is also an important part of this option and usually goes with it. Buying local not only helps smaller businesses to survive and proliferate but also reduces the impact of your consumption since this item won’t have to be transported from a distant producer.

d. Investigate and instigate the brands: There are more and more brands that seem to have ethical and environmental values, and many other brands that have started offering products that take these values ​​into account. In this age, it is not so difficult to be informed about brands that offer sustainable options, just Google it. Another thing I recommend is that you write to your favourite brands. If they are not opened to the possibilities of sustainability, tell them that you would like to continue to buy their products but in order to do so they have to offer options whose materials have less impact and that have more transparent production processes. Just think that if all interested consumers communicate these types of demands to the brands they will have to listen.

These are just a few suggestions of what you can do, but there are many more possibilities. Sometimes the debate about sustainability may seem like an discussion exclusive to experts, but the reality is that it is not a sterile or closed concept. For sustainability to make sense to you, you must be able to apply it to the context of your own life. Reflect and think what else can you do, for sure you’ll get ideas other than the ones I just shared with you.

Sustainable fashion is not an utopian idea, it is an ideal that aims to help the planet and its inhabitants – a need on which we all agree. The simple things we do every day – like dressing – can help make a difference.


 Moda por un lado y ideales por el otro, tendré que elegir? (ES)

¿Será posible estar comprometido con valores sociales & medioambientales y a la vez amar a la moda?

Desde la perspectiva ambiental, el ciclo de consumición de recursos naturales, contaminación y creación de residuos generados por la industria de la moda es un problema grave con serios efectos en el planeta. Por el lado de la dimensión humana y social, las prendas son muchas veces manufacturadas en países en vías de desarrollo que carecen de suficientes leyes de trabajo para certificar que los trabajadores reciban salarios dignos y trabajen bajo buenas condiciones de seguridad, higiene y salud.

!Pero esto no es para desanimarse! El problema no se va a solucionar sólo y lo mejor es que todos podemos contribuir para revertirlo. Solemos pensar que nuestras decisiones no son tan importantes porque al final los grandes culpables de estas calamidades son las grandes empresas y los monstruos industriales, pero no es así… exactamente. Los gigantes de la industria tienen una gran responsabilidad, es cierto, pero nuestro papel también es muy importante.

Cada vez que consumimos estamos votando a favor de algo, diciendo al mercado que continúe, que eso es lo que queremos. De la misma manera cada vez que no compramos algo estamos demostrando que eso no nos vale, que no es lo que queremos. ¿Entonces por qué no hacerlo de acuerdo con los valores que defendemos? Vamos a consumir (o a no consumir) conscientemente, enviando el mensaje de lo que es aquello con lo que estamos de acuerdo y aquello con lo que no.

Si te gusta la moda tanto como a mi has de saber que tienes un montón de opciones no solo de usar moda de acuerdo a valores éticos sino de hacer que la moda “slow” crezca en detrimento de la “fast”. 

a. Usa lo usado: No hay duda que una de las opciones más sostenibles es usar lo que ya existe. Al comprar “vintage” o segunda mano, al intercambiar ropa con otras personas y al arreglar o rediseñar cosas que ya tenías pero que por alguna razón no servían estás “diciendo” al mercado que no es necesario producir tanto ni tan rápido. Además de esta forma puedes conseguir prendas originales al contrario de la típica camiseta de H&M que te encantó pero que ahora ves multiplicada por ahí siempre que sales a la calle. ¿Y sabes que? !Esta opción tiene el “bonus” de ser también respetuosa con tu cuenta bancaria!!

b. Desacelera: Una de las razones por la cual la nuestra relación con la moda es insostenible es por que compramos demasiado. La moda rápida alimenta el consumismo desenfrenado con precios tan bajos que no tenemos que preguntarnos si necesitamos o nos gusta realmente la cosa que vamos a comprar. Los precios bajos de la “fast fashion” parecen ser una ventaja a primera vista pero realmente son dañinos para el ambiente y para las comunidades que fabrican esas prendas. La próxima vez que te entre el ímpetu de comprar por comprar piensa en algo que realmente te haga falta, o que realmente desees. Calcula cuántas cosas baratas que comprarías en un determinado espacio de tiempo tendrás que dejar de comprar para conseguir esa cosa. Hazte una especie de “ayuno de compras” hasta que hayas juntado el valor que necesitas para comprarlo y cuando lo compres tendrás una cosa que valorarás durante bastante más tiempo, una cosa especial con valor añadido porque sabes que has consumido menos para conseguir obtener lo que realmente querías.

c. Compra a los pequeños: Las artesanías se están perdiendo y los pequeños negocios no pueden competir en precio con las producciones en masa. Comprar hecho a mano o de pequeñas producciones muchas veces significa un producto mejor, más duradero y más exclusivo. Comprar local también es una parte importante de esta opción y está generalmente a par con ella. Al comprar local no sólo estás ayudando al pequeño negocio a sobrevivir y proliferar sino que también estás reduciendo el impacto de tu consumo ya que esa compra no tuvo que ser transportada tan lejos del productor hasta ti.

d. Investiga y instiga las marcas: Cada vez hay más marcas con valores éticos y ambientales y muchas marcas que antes no lo hacían empiezan a ofrecer productos más respetuosos. En la era de la información informarse sobre qué marcas ofrecen opciones sostenibles no es tan difícil, basta con buscarlo en Google. Otra buena opción es escribir a tus marcas favoritas, si estas aún no se han abierto para las posibilidades de la sostenibilidad diles que te gustaría seguir comprando sus productos pero que para eso los materiales tienen que ser de menor impacto y las condiciones de fabricación más transparentes. Piensa que si todos los consumidores interesados comunican este tipo de demanda a las marcas ellas tendrán que escuchar.

Estas son apenas algunas sugerencias de lo que puedes hacer, pero hay muchas más posibilidades. A veces la conversación alrededor de la sostenibilidad puede parecer una discusión exclusiva para expertos pero la realidad es que no es un concepto cerrado ni estéril. Para que tenga algún sentido para ti, la sostenibilidad debe poder funcionar en el contexto de tu propia vida. Reflexiona y piensa que es lo que tu puedes hacer, seguro que te surgirán ideas además de las que comparto contigo.

La moda sostenible no es una idea utópica, es un ideal que pretende ayudar al planeta y sus habitantes – una necesidad sobre la cual todos estamos de acuerdo. Las cosas sencillas que hacemos todos los días – cómo vestirse – pueden ayudar a marcar la diferencia!